Estatísticas

Brasileiro confia mais em cientistas e menos no governo, diz pesquisa

Média de confiança nos entes estatais é 18% menor no país que no resto do mundo; enquanto isso, as empresas contam com maior credibilidade por aqui, diz o Barômetro da Confiança 2022

Agência Estado
postado em 30/03/2022 11:34
Fachada do Palácio do Planalto, local de trabalho da presidência do Brasil -  (crédito:  Pedro França/Agência Senado)
Fachada do Palácio do Planalto, local de trabalho da presidência do Brasil - (crédito: Pedro França/Agência Senado)

Cerca de um terço dos brasileiros vê o governo como instituição confiável. O dado, registrado no Barômetro da Confiança de 2022, realizado pela Edelman, agência global de comunicação, aponta piora em um indicador que, no Brasil, já estava baixo. A confiança em cientistas cresceu e, no Brasil, é mais alta do que na média mundial. No País, 81% dos entrevistados confiam nos cientistas. No mundo, 75%. Já as autoridades governamentais inspiram confiança em 26% dos brasileiros. No mundo, em 42%.

Com a credibilidade das lideranças políticas e da mídia desafiada no País, a população brasileira vê como "confiáveis" apenas as empresas e, desta vez, as organizações não governamentais. O levantamento anual foi feito com base em mais de 36 mil entrevistas on line em 28 países, entre 1º e 24 de novembro de 2021. Foram cerca de 1.150 entrevistados em cada país analisado.

Dos brasileiros ouvidos, 34% veem o governo como "confiável", atrás da mídia (47%), ONGs (60%) e empresas (64%). Houve queda na avaliação de governo (cinco pontos) e mídia (um ponto) e melhora na confiança depositada em empresas (três pontos) e ONGs (quatro pontos), na comparação com a pesquisa divulgada no ano passado.

Entre as categorias analisadas, a credibilidade do governo entre os brasileiros é a mais distante da média global. O Brasil difere em no máximo três pontos porcentuais do panorama mundial quando o assunto é a avaliação da mídia, empresas ou ONGs. Quando o assunto é governo, no entanto, a avaliação que os brasileiros fazem é 18 pontos porcentuais mais baixa do que os dados globais. No mundo, 52% confiam no governo.

PANDEMIA

No levantamento deste ano, a avaliação da sociedade brasileira sobre as ONGs deixou a classificação de neutralidade (quando de 50% a 59% dos entrevistados se dizem confiantes) e entrou no campo da confiança (60%).

"Há dois anos as empresas saíram muito à frente no combate à pandemia e ajudaram a sociedade a passar por esse problema. E elas foram buscar muita parceria com o terceiro setor, que certamente navega com muito mais facilidade nessas questões", afirmou Ana Julião, gerente-geral da Edelman Brasil.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

CONTINUE LENDO SOBRE