Ciro mira Lula e Bolsonaro

Correio Braziliense
postado em 13/04/2022 00:01

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou ontem a abertura da consulta pública referente à atualização anual das bandeiras tarifárias nas contas de luz. A proposta da agência é a de aumentar o valor das bandeiras amarela e vermelha de nível 1 em mais de 50%. Os interessados podem enviar sugestões de 14 de abril a 4 de maio. Os novos valores devem entrar em vigor a partir de junho de 2022.

De acordo com a proposta da Aneel, a bandeira amarela aumentaria 56%, de R$ 1,874 a cada 100 quilowatts (kWh) consumidos para R$ 2,927. Já a vermelha 1 passaria de R$ 3,971 para R$ 6,237, alta de 57%. O patamar mais caro da bandeira, a vermelha 2, cairia 1,70%, de R$ 9,492 a cada 100 kWh para 9,330.

Segundo a proposta, a bandeira verde continua sem custo para o consumidor e servirá para sinalizar condições favoráveis de geração de energia. A discussão acontece logo após o anúncio do fim da cobrança da bandeira de escassez hídrica, que estava em vigor desde setembro de 2021 por conta da grave escassez de água nos reservatórios.

Procurada pelo Correio, a Aneel explicou: "É importante afirmar que há uma projeção do Operador Nacional do Sistema (ONS) de que teremos bandeira verde até o final do ano. Esses patamares estão em consulta pública e só serão aplicados se houver bandeira amarela e vermelha neste ano".

De acordo com o ONS, os reservatórios do Sistema Interligado Nacional (SIN) chegam ao início deste período seco do ano com um volume médio de armazenamento de água de 63,1%, atingindo o melhor nível desde 2012, ante os 35,3% do ano passado.

A mudança na tarifação proposta pela Aneel, se aprovada, deve pesar em crises futuras. O atual valor pago pelo consumidor é resultado do que ocorreu no ano anterior. "Este é um rescaldo do que aconteceu em 2021. Além da variação das bandeiras, há os reajustes tarifários. Nesses reajustes, entram no cálculo inadimplência, tributos e encargos, repactuação, no início do ano. Além da crise, houve alta do dólar, que ainda não foi repassada totalmente para a bandeira", disse Delberis Lima, professor e diretor do Departamento de Engenharia Elétrica do Centro Técnico Científico da PUC-Rio.

"Esse tipo de coisa para atenuar tem uma inércia grande. O custo deve continuar impactando a inflação e consequentemente gerando impacto na inflação", explicou.

Já o economista Calebe Vieira, avaliou que o incremento proposto pela Aneel pode pesar na inflação, que já está elevada. "A energia vai influenciar no preço final dos produtos que, assim, chegarão mais caros nas prateleiras", observou.

Tags

CONTINUE LENDO SOBRE