eleições

Pacheco diz que cabe à Justiça Eleitoral o processo de apuração dos votos

Presidente do Senado diz que a sociedade pode confiar no tribunal e que a contagem de votos cabe à Corte, e não a empresas privadas

Ingrid Soares
postado em 07/05/2022 06:00
 (crédito:  Pedro Gontijo/Senado Federal)
(crédito: Pedro Gontijo/Senado Federal)

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), saiu em defesa do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ele afirmou que a responsabilidade pelas eleições cabe à Corte, que tem estrutura para garantir a higidez do processo eleitoral e da apuração dos votos. Segundo o parlamentar, a sociedade pode ficar tranquila e confiar nas urnas eletrônicas.

Pacheco disse considerar legítima a participação de empresas de auditoria no processo eleitoral, "desde que dentro de certos limites". A manifestação é em relação ao anúncio do presidente Jair Bolsonaro de que seu partido, o PL, pretende contratar uma empresa privada para auditar as eleições deste ano.   

"Não cabe a entidade privada, ou outra instituição, a contagem ou recontagem de votos, porque isso é papel da Justiça Eleitoral", enfatizou. "Quanto mais transparência, melhor, mas cabe à Justiça Eleitoral a apuração. Esse é o sistema constitucional, esse é o Estado de direito, e nós precisamos ter confiança nas instituições."

De acordo com Pacheco, a sociedade precisa saber que "temos um sistema que vem funcionando ao longo do tempo". Na avaliação dele, os questionamentos sem justa causa podem atrapalhar o bom andamento das instituições. O senador lembrou que todos os atuais parlamentares no Congresso Nacional foram eleitos por esse processo.

"Não há motivo razoável ou justa causa para se questionar a lisura do processo eleitoral. Até há pouco tempo, isso era motivo de orgulho para todos nós, brasileiros", frisou. "Tenho plena confiança nas urnas eletrônicas e que nossas eleições vão correr dentro da legalidade."

O parlamentar informou que vai consultar o TSE para apreciar uma possível participação do Parlamento Europeu como observador das eleições no Brasil. De acordo com Pacheco, a sugestão do convite ao Parlamento Europeu partiu do senador Ranfolfe Rodrigues (Rede-AP), depois da revogação do convite por parte do próprio TSE. O convite não teria sido bem-visto por integrantes do Executivo.

Pacheco assumiu, ontem, o comando do país como presidente da República interino, após viagem de Bolsonaro à Guiana; do vice-presidente Hamilton Mourão ao Uruguai; e do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), aos Estados Unidos. (Com Agência Senado)

CONTINUE LENDO SOBRE