Tema desconfortável também para o PT

Correio Braziliense
postado em 08/05/2022 00:01

Para o pré-candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, a pauta econômica sempre esteve em primeiro lugar. Ele foi o primeiro postulante ao Palácio do Planalto, na atual corrida eleitoral, a chamar o presidente Jair Bolsonaro (PL) para o debate dos problemas reais do país e como eles afetam a população.

"Vamos falar de emprego, de salário, de inflação, de como um país passa 11 anos sem crescer", destacou em vídeo gravado para a pré-campanha. A diferença para os outros candidatos, por enquanto, é que ele também chama o pré-candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, para o embate, quando critica em tom de provocação promessas já feitas pelo petista.

"Picanha e cerveja, conversa mole, mentirosa, porque o povo pobre nunca teve direito à picanha e à cerveja. Do outro lado, (aversão ao) comunismo, apologia dos costumes, invadindo a religiosidade do nosso povo. Está na hora de acabar com isso", destaca Ciro, que pretende trazer para o centro do debate os equívocos da política econômica petista, sobretudo no governo Dilma Rousseff. Isso porque, nas hostes do pedetista, também não interessaria a Lula falar dos problemas promovidos pela sucessora, que tracionaram o impeachment.

Cartas na manga

Engana-se, porém, quem está convicto de que Bolsonaro não tem armas eficientes para enfrentar esse debate a crise econômica atual. Para o cientista político Paulo Kramer, a equipe comandada pelo ministro Paulo Guedes vem anunciando muitas medidas da agenda microeconômica, como redução do IPI, novas linhas de financiamento e ampliação do crédito consignado.

Ele lembra que há, ainda, as promessas de correção das alíquotas do Imposto de Renda — que, segundo cálculos do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco Nacional), apresenta uma defasagem de 134,52%, impactando diretamente os rendimentos das classes sociais de menor renda — e de aumento do funcionalismo público. Kramer ressalta que a inflação aumenta a arrecadação e dá ao governo recursos adicionais — o chamado espaço fiscal — para sustentar medidas consideradas "protetivas" nesse momento de dificuldades.

"A Casa Civil, a AGU (Advocacia-Geral da União) e o Ministério da Economia estão vendo as medidas que não têm impacto fiscal ou complicação jurídica para aplicar", aponta Kramer.

Para a equipe de Bolsonaro, segundo Kramer, o importante na corrida eleitoral é passar para o eleitor "a sensação de que a situação está melhorando, mesmo que não da forma ideal" — ideia que, aliás, Paulo Guedes sempre reforça em eventos públicos. (VD)

Tags

CONTINUE LENDO SOBRE