Cidade nossa

Os bichos soltos

Paulo Pestana
postado em 06/08/2020 18:21 / atualizado em 06/08/2020 18:22
 (foto: Editoria de arte)
(foto: Editoria de arte)

Não demora muito e Brasília vai passar a ser conhecida como a capital das capivaras. E, pelo menos desta vez, não tem nada a ver com os antecedentes criminais de burocratas e políticos que eleitores de todo o país mandam para cá — capivara, no mundo jurídico, é sinônimo de folha corrida; quanto mais cabeluda, mais capivarento é o sujeito.

Mas são os bichos mesmo que estão invadindo as áreas habitadas da cidade. Protegidas por lei, não podem ser caçadas; só é permitido o consumo de animais criados em cativeiro. E, como no Lago Paranoá não há predadores para esses roedores —, as mães só precisam se preocupar com um carcará mais faminto — eles se reproduzem facilmente.

E estão cada vez mais soltos e mais ousados, deixando até os limites das agora liberadas margens. À noite, circulam pelos conjuntos dos Lagos Sul e Norte, de olho nos gramados e para desespero dos cachorros. Mas é pela manhã que as capivaras fazem a festa nos agora desocupados terrenos que margeiam o Paranoá.

Aproveitam o calorzinho do sol para se deitar e fuçar pelo mato que cresce sem controle. Ariscos, não deixam curioso chegar perto, mergulhando rapidamente, sob comando do macho dominante — há uma hierarquia ferrenha entre eles — e deixando montes de excrementos, que servem como marcação de território.

De longe, o bando fascina os moradores, até pela mansidão aparente, embora sejam imensos ratos. Mas as capivaras podem se tornar um grave problema de saúde, porque carregam carrapatos que transmitem doenças como a febre maculosa, que pode matar se não for tratada a tempo.

Dia desses, no Lago Norte, algumas graúnas — ou pássaro preto — acompanhavam um grupo de capivaras; estavam nas costas dos animais maiores à procura de carrapatos. Uma imensa capivara jazia deitada ao sol, olhos fechados, enquanto a graúna esgaravatava os pelos grossos em busca dos pequenos aracnídeos. Sei não, mas deve ser a mesma sensação de tirar um bicho de pé da gente.

Mas as capivaras despertam outros olhares, além da curiosidade de quem passou a frequentar os parques das margens do lago. E são olhares mais gulosos. Alguns pescadores estão variando o cardápio e, mesmo correndo o risco de doença e de prisão, têm armado arapucas em locais frequentados pelos animais.

Eles usam cordas laceadas, que prendem as pernas do animal, quando ele passa por determinada trilha e não consegue escapar — é a mesma armadilha usada para pegar caititu. Os pescadores chegam e saem de canoa; num dia em que os peixes se recusam a sair da água, o jeito é aproveitar a carne da capivara que, pelo jeito, é morta no local da captura, como mostram trilhas de sangue pisado.

Um desses pescadores-caçadores montou sua armadilha no Lago Sul. Para não correr risco com fiscais, ele disse que descarna o bicho na canoa e joga os restos no lago, imaginando que os peixes dão conta de sumir com tudo. Para casa, ele leva a carne em cubos e a costelinha, seu pedaço favorito.

Mas, em casa, ele diz que é porco.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação