Moda

100% de aproveitamento: como montar um armário cápsula

O conceito de armário cápsula, que consiste em ter de 30 a 40 peças de roupa e acessório, não poderia ser mais atual. A preocupação com o consumo consciente é pauta frequente no mundo fashion

Manuela Ferraz*
postado em 23/08/2020 08:00 / atualizado em 23/08/2020 20:37
O armário de Bruna Brito não chega a ser cápsula, mas é bastante compacto -  (foto: Arquivo pessoal)
O armário de Bruna Brito não chega a ser cápsula, mas é bastante compacto - (foto: Arquivo pessoal)

O armário cápsula é, literalmente, coisa do século passado, mas nunca esteve tão na moda. O conceito, criado pela estilista Susie Faux, na Londres de 1970, popularizou-se no desfile de Donna Karan, na década de 1980, que apresentou apenas sete peças básicas — e que se complementavam, tornando a coleção estilosa e prática. Voltou à tona em 2013, quando a blogueira norte-americana Caroline Joy montou seu armário cápsula sazonal.

“Ela compôs um armário bem reduzido — 37 peças — e se comprometeu a usar apenas essas roupas por uma estação inteira, ou seja, três meses. Como postava os looks do dia, todos viram que, apesar do número limitado de peças, o guarda-roupa rendia muitas combinações diferentes. A partir daí, as pessoas começaram a tentar montar um armário cápsula” explica Bruna Brito, 35 anos, consultora de moda e estilo e dona do Instagram e site Vestir Autêntico.

O conceito consiste, basicamente, em um armário com quantidade reduzida de roupas, selecionadas especialmente para durar, atender a diversas ocasiões e render várias combinações. Quando o termo ganhou força, eram sugeridos de 30 e 40 itens. Para Ana Carolina Rosignoli, 27, empresária e sócia-proprietária do Desapeguei Bonito, ele define-se não só pela quantidade de peças como, também, pela consistência das roupas, das combinações e do uso delas. “O mais importante é entender o armário cápsula como um movimento de desapego e sustentabilidade.”

Bruna afirma que não há mais regra ou limites de peças atreladas ao conceito, mas, sim, o objetivo de construir um armário enxuto, com 100% de aproveitamento e uso. Vale lembrar que sapatos, bolsas e acessórios, como brinco, colar, anel, lenço, cinto, chapéu, fazem parte desse ideal — só não entram na contagem pijama, lingerie e roupas para prática esportiva.

Vantagens cápsulas

Para Bruna, uma das grandes vantagens é a praticidade. “Com um armário limitado, em que tudo combina com tudo, escolher o que vestir fica fácil e rápido. Além disso, vivemos em um mundo em que o consumo é hiperestimulado. Essa pode ser uma ótima experiência para quem costuma comprar muito e por impulso.”

O estímulo da criatividade é fundamental, assim como treinar o olhar para desenvolver novas combinações e encontrar formas de estilizar o look. Deve-se prestar mais atenção à curadoria, aos tecidos, aos caimentos e às modelagens das roupas. Resolver a equação entre o mundo exterior e o universo dos cabides é chave para que a técnica tenha êxito. “O armário cápsula pode ser uma ótima ideia para quem está em processo de mudança, seja corporal, seja de vida, como iniciar em um novo emprego”, avalia Bruna.

Quem deseja consumir menos e de maneira sustentável pode experimentar esse conceito. “A indústria da moda é, hoje, uma das principais poluentes do mundo”, lembra Ana Carolina. Com peças duradouras, repeti-las diversas vezes vira tarefa fácil. “O armário cápsula não precisa ser um objetivo para todos, as pessoas têm necessidades e formas diferentes de consumir. O simples fato de entender que é possível comprar e viver com menos é revolucionário em muitas camadas”, defende.

Escolha consciente

Dona de um brechó, Ana Carolina Rosignoli conseguiu montar um armário cápsula
Dona de um brechó, Ana Carolina Rosignoli conseguiu montar um armário cápsula (foto: Arquivo pessoal)

Há pelo menos dois anos Ana Carolina tem um armário funcional, que atende às suas necessidades. “Foi um processo e uma mudança de percepção sobre minhas roupas e meu estilo. A primeira motivação está relacionada à criação da minha empresa, um brechó de peças contemporâneas fundado em 2015. As primeiras roupas vendidas eram minhas, que estavam paradas.”

Naquele momento, montar um armário cápsula não era o objetivo da empresária, mas foi o primeiro passo para entender que poderia viver com menos. Naturalmente, seu consumo de roupas diminuiu e ela passou a fazer melhor uso do que já tinha.

Isso não significa um guarda-roupa sem graça. As roupas precisam permitir variações e combinações e é viável fazer isso com peças coloridas ou estampadas. “Tenho um caso de amor com o conforto, por isso, nunca vão faltar uma calça jeans e um tênis coringa. Essas peças são um bom exemplo de roupas versáteis, que permitem inúmeras combinações. Gosto de ter mais opções de blusas, porque calças ou shorts são mais vezes usados. Tenho algumas opções de sapatos baixos, assim como de terceira peça, que normalmente são mais chamativas. Bolsa só uma preta e pequena para o dia a dia”, resume Carolina.

Apesar de não ter um guarda-roupa com a quantidade de peças necessária para o cápsula, Bruna Brito considera o seu compacto. “Reduzi muito o meu acervo nos últimos anos. Já tive oito portas de guarda-roupa. Antes de a consultoria entrar na minha vida, tive uma fase superconsumista, mas não tenho vergonha dela. Inclusive, ajuda-me a entender melhor as minhas clientes”, explica.

Para a série que fez em sua conta do Instagram, montou um armário com peças que atendiam às demandas do seu home office, e passou um mês usando apenas os artigos selecionados. “Escolhi apenas um tênis e uma bolsa, já que, devido à pandemia, quase não saio de casa. Peguei uma peça chave — uma jaqueta, que dava tanto para usar em casa quanto na rua. Como é estampada, a escolha da paleta de cor foi a partir dela. Assim, garanti que tudo combinasse.” Bruna preocupou-se em selecionar tecidos confortáveis e que não amassem fácil.

*Estagiária sob a supervisão de Sibele Negromonte

Reformule o seu!

A empresária Ana Carolina Rosignoli  e a consultora de moda Bruna Brito compartilham dicas para quem deseja montar o próprio armário cápsula (AC) — lembrando que pijamas, roupas de academia ou de ficar em casa não fazem parte dele

Viaje para dentro e revise seu estilo
Umas das principais contribuições do AC é autoconhecimento. Abrir o armário, organizá-lo de forma clara e entender o que agrada é o início de tudo. Vale a pena pensar no que representa a pessoa que você é hoje, o que dá conforto, o que valoriza seu corpo e o que você gosta de ver no espelho.

Escolha poucas e boas peças
É essencial que exista uma base de roupas básicas, atemporais, que permitam muitas combinações. O AC pode ter peças específicas para cada estação, também. Vale a pena listar peças de que sentiu falta, para saber comprar de forma mais coerente no futuro.

Pesquise e liste marcas que você curte
Pegue sua listinha e procure nessas lojas as peças que, provavelmente, têm tamanhos e cortes que lhe agradam.

Visite brechós
Hoje, eles são uma ótima alternativa para reciclar e circular peças de roupas e acessórios parados no armário. “Eles são perfeitos para duas coisas: fazer dinheiro com peças compradas e pouco ou nunca usadas e encontrar roupas de marcas incríveis a preços acessíveis”, resume Carolina.

Estabeleça um objetivo
O que lhe motiva ter um AC? Ter isso em mente vai ajudar a aproveitar mais essa experiência.

Estabeleça um período de duração do seu AC
É difícil que o primeiro dê certo de cara. Definir a duração é importante para que você avalie o seu armário, faça eventuais ajustes e substitua o que for necessário.

Limite a quantidade de peças conforme a necessidade e rotina
Com que frequência você lava as roupas? Quais são suas atividades diárias? Que tipo de roupa você precisa para atender à sua rotina? Com essas respostas fica mais fácil estabelecer um limite de peças.

Defina uma cartela de cor
Isso facilita muito a combinação das roupas entre si. Não é porque é um AC que ele precisa ser preto, branco e cinza!

Escolha peças diferentes entre si
Uma calça skinny jeans, uma preta e uma branca não trazem variedade de look. Pense em modelagens diferentes. Isso vai ajudar a construir um guarda-roupa mais versátil.

5x1
A proporção de peças ideal para que um guarda-roupa renda muitos looks é de cinco partes de cima para uma de baixo. Vale lembrar que peças únicas, como vestido e macacão, são consideradas peças de baixo.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação