Moda

Orgulho ancestral

O turbante faz parte de muitas sociedades espalhadas pelo mundo. Mais do que um acessório, tornou símbolo de reapropriação cultural

Maria Carolina Brito*
postado em 11/09/2020 19:45
 (crédito: Rafael Bezerra/Divulgação)
(crédito: Rafael Bezerra/Divulgação)

O turbante é mais do que um acessório inserido no mundo da moda. Para muitas culturas, grupos sociais ou étnicos, o torso — como também é conhecida a peça —, com suas diversas amarrações, estampas e cores, carrega funcionalidade, identidade e marcas históricas.

Para a pesquisadora e designer Thaís Muniz, o turbante tem uma função social de comunicação não verbal. Um exemplo disso é uma antiga tradição entre mulheres da Martinica, região do Caribe. De acordo com as formas de amarrar a peça na cabeça, elas expunham o estado civil. “Se deixava apenas uma ponta para fora, era solteira; se deixava duas, tinha namorado; três, era casada; e quatro, viúva ou separada e pronta para outro relacionamento”, detalha.

Na história, um dos registros mais antigos vem de Kemet (Egito Antigo). A peça era um elemento fundamental do vestuário faraônica, denominada nemés, e tornou-se bastante conhecida por ser usado pela esfinge de Gizé e também por aparecer na famosa máscara de Tutankhamon.

Diferentes religiões no mundo cobrem a cabeça por entender que essa é uma área de troca energética. Os seguidores do candomblé, do islam e os sikhs, na Índia, são exemplos de grupos sociais que têm esse ponto em comum, divergindo em suas práticas. Há indícios de que, no Oriente Médio, o turbante era usado antes mesmo do surgimento do islamismo.

No candomblé, os ojás — como são chamados —, além de mostrarem que a pessoa que o usa “é do axé”, revelam o gênero do orixá de cabeça pela amarração — que não deve ter nós — e expressam hierarquia dentro do terreiro.

Em países africanos, o adereço é usado com finalidades funcionais, como proteger a cabeça ao carregar bacias, madeira e outros utensílios. No Brasil, quando pensamos em turbantes, logo vem à mente a imagem das baianas de acarajé. Thaís, que nasceu na Bahia, conta que crescer e conviver diariamente com essa referência foi importante para a sua trajetória pessoal e profissional.

Peça de raízes
Com a popularização da moda no streetwear, jovens têm ganhado referências mais próximas e contemporâneas sobre o uso de peças tradicionais, como o turbante. Ela está a serviço dos movimentos de afirmação e reapropriação que tem ocorrido nos últimos anos.

“É um movimento mundial de reconexão de pessoas pretas com estéticas ancestrais, que foram rejeitadas por séculos, por causa da opressão que o racismo traz para o nosso povo”, expõe Thaís. Para ela, os turbantes tornaram-se a porta de entrada para que inúmeras mulheres negras se conectem com sua ancestralidade e grandes aliados para as quem passa pela transição capilar. Além disso, a confecção da peça tornou-se fonte de renda para inúmeras empreendedoras.

Para Nina Fonseca, o turbante é símbolo de importância máxima na cultura afro. “O uso dessa peça traz consigo muito poder. A gente sabe quais são as forças que estamos acessando dentro da nossa ancestralidade quando amarramos um torso na cabeça. E sabemos, também, ao colocar o pé na rua, os riscos que teremos de enfrentar. Essa afirmação de identidade, traduzida em uma única peça, é de uma beleza e força sem tamanho.”

A publicitária Lara Melo, 25 anos, relembra que começou a usar turbante em 2013, após assistir a um tutorial na plataforma YouTube. Ela, que sempre admirou as fotografias de mulheres negras com a peça, resolveu comprar um tecido e reproduzir a amarração e passou a vesti-lo.

Lara conta que entendeu, ainda criança, a importância da sua estética. “Entre meus amigos negros, é comum a narrativa das nossas mães sempre nos falando que não poderíamos sair na rua de qualquer jeito, que precisávamos sempre estar com a melhor roupa. Foi aí que começamos a entender que a nossa estética no Brasil nos limitava e contava sobre nós antes mesmo de abrirmos a boca. Isso é um entendimento de que nossos corpos são rodeados por política”, completa.

Para ela, vestir-se com elementos da cultura negra tem a ver com um retorno às origens. “Eu não tenho dinheiro para buscar minhas raízes na África. Estou tentando ser enxergada como cidadã brasileira, e parte dessa tentativa é o fortalecimento da minha identidade. E a melhor forma de fazer isso é expressando ela.”

A publicitária acredita que o uso do turbante ativa uma força interna, tornando os olhares de julgamento, que ela percebe, irrelevantes. “Eu sempre usei turbante nos dias em que me achava mais pra baixo ou cansada. Normalmente, usava sempre na sexta. Sentia que ele me dava um ânimo a mais e, de certa forma, até um poder simbólico”, completa.

Inspiração
Murilo Trindade, 26 anos, advogado, usava turbante no contexto religioso, mas tinha receio de adotá-lo no dia a dia. Achava que a concepção de a peça estar relacionada às mulheres ainda era muito forte no Brasil. No entanto, o impulso dado pelo empreendedorismo de sua mãe, dona do Atelier Carla Trindade (@ateliercarlatrindade), incentivou o jovem a deixar as inseguranças de lado e a usar o turbante como um elemento estético há três anos.

O rapper Johnny Venus, do grupo Earth Gang, que usa turbante frequentemente, e o jornalista Manoel Soares serviram como inspirações para Murilo, que acha importante entender a ancestralidade que a peça carrega antes de usá-la. “Tem um porquê, e se a pessoa entender minimamente por que usar esse adereço estético trará benefícios, ela estará energeticamente mais harmônica. Isso vai influenciar em outras questões na vida dela”, explica.

Além das inspirações atuais, Murilo resgata os tuaregues, povo que vive no deserto e usa turbante de várias cores e tamanhos. “Eu me sinto muito bonito de turbante, acho que remete a uma ligação africana e tem um pertencimento.” Ele ressalta a questão de que, para os povos negros, a estética não é puramente estética, mas tem uma função. Assim como determinadas culturas pintam o rosto por algum motivo, outras protegem a cabeça por alguma razão.

 

 

  • .
    . Foto: Abe Neihum/Divulgação
  • .
    . Foto: Abe Neihum/Divulgação
  • Alguns modelos da marca Turbante-se
    Alguns modelos da marca Turbante-se Foto: Abe Neihum/Divulgação

Herança de família

 (crédito: Reprodução instagram)
crédito: Reprodução instagram

Quando criança, a brincadeira favorita de Nina Maria Fonseca era imaginar uma roupa para cada tecido que via. Enquanto crescia e observava a mãe e a avó costurando, foi aprendendo, quase como uma herança. Aos 24 anos, a brasiliense lançou sua primeira marca de bolsas e acessórios. A moda foi um caminho para a descoberta da força individual e coletiva de ser uma mulher negra.
A busca por conhecimento a levou de encontro às suas raízes e às suas potências. Hoje, Nina é proprietária do Ateliê Boto Fé (@ateliebotofe), marca que, segundo ela, traz em seu DNA a valorização da cultura afro-brasileira, além de dar vida aos seus sonhos de criança. Um dos destaques da grife é a viseira turbante, uma excelente solução para quem tem cabelo crespo ou cacheado e não consegue usar boné.

Assim como aconteceu com Nina, o fascínio de Thaís pelos tecidos veio ainda na infância. O convívio com as avós, que eram costureiras e faziam roupas sob medida para os filhos, fez com que a designer decidisse trabalhar com moda aos 12 anos de idade.

Ela idealizou o projeto Turbante-se (@turbante.se), em 2013, a partir de uma apresentação em um festival na cidade Rio das Contas, localizada no interior da Bahia.“O nome foi criado por mim para, de fato, convidar todas as pessoas daquela cidade, que foi um Quilombo, e ainda tem várias comunidades quilombolas remanescentes, a se reapropriarem dos turbantes como forma de expressão. Hoje, o Turbante-se é um movimento internacional de pessoas, uma plataforma de ensino e troca, um corpo de pesquisa, um neoquilombo”, completa.

* Estagiária sob a supervisão de Sibele Negromonte

  • A miss Universo de 2019, Zozibini Tunzi, compartilha com frequência em suas redes sociais looks utilizando a peça, mesclando entre o visual de passarela e o mais casual, com moletom. A sul-africana sempre combina ao menos uma cor da roupa com os tons da peça.
    A miss Universo de 2019, Zozibini Tunzi, compartilha com frequência em suas redes sociais looks utilizando a peça, mesclando entre o visual de passarela e o mais casual, com moletom. A sul-africana sempre combina ao menos uma cor da roupa com os tons da peça. Foto: Reprodução instagram
  • A cantora, atriz e compositora norte-americana Alicia Keys abusa do streetwear, combinando o turbante com jaquetas de couro, estampas geométricas e jeans.
    A cantora, atriz e compositora norte-americana Alicia Keys abusa do streetwear, combinando o turbante com jaquetas de couro, estampas geométricas e jeans. Foto: Reprodução instagram
  • Aqui no Brasil, a atriz Zezé Motta recentemente fez um post em que resgatou personagens dos seus mais de 50 anos de carreira que usaram o adereço. Na legenda, a cantora e atriz escreveu:
    Aqui no Brasil, a atriz Zezé Motta recentemente fez um post em que resgatou personagens dos seus mais de 50 anos de carreira que usaram o adereço. Na legenda, a cantora e atriz escreveu: "Turbante é resistência!". Foto: Reprodução instagram

Dicas de looks

A criatividade é a principal dica para combinar o turbante com o restante da roupa — não tenha medo de abusar das cores! Os entrevistados dão sugestões de como combinar o turbante com o seu look:

* Vale a pena investir em estampas iguais na roupa e no turbante, fazendo uma referência às mulheres do oeste africano, que usam a mesma estamparia da cabeça aos pés.
* Combinar as cores análogas ou complementares também pode resultar em uma composição interessante.
* Um estilo coringa é vestir a roupa mais discreta: blusa cinza, calça jeans, um tênis e cardigã ou blazer.
* Vale apostar em turbantes lisos com cores clássicas, como preto e branco, para usar em qualquer ocasião.
* O mix de estampas com combinações de padronagens produz um visual contemporâneo.
* O streetwear pede mais ousadia, com cores vibrantes. Os blocos de cores são certeiros.

Escolha o seu tecido!

O turbante é um elemento de força visual e tem o poder de mudar completamente um look — mas, vale lembrar que nem todo lenço amarrado na cabeça é um turbante. Para descobrir a melhor forma de usá-lo, o segredo é experimentar.

A designer Thaís Muniz explica que é preciso ter intimidade com a peça para adotá-la sem medo que caia ou fique folgada. E dá a dica: “Pegue alguns lenços para turbantes, mais quadrados, tipo scarf, selecione os modelos que você gostaria de usar e sente-se na frente do espelho para testar. Dessa forma, você descobrirá modelos que mais valorizam e combinam com seu estilo”.

Os tecidos planos de algodão, como tricoline e popeline, são indicados para fazer turbantes altos e estruturados, com mais volume. Os tecidos mais finos, como os lenços de seda, podem compor um visual elegante, mas há o risco de que escorreguem da cabeça se usados sozinhos.

“Para esses lenços de seda, como o xirê, eu faço um primeiro turbante base com o tecido africano; depois, faço a amarração com o tecido mais sedoso”, explica Thaís. Essa também é uma ótima solução para quem quer adotar turbantes mais altos, mas não tem volume nos cabelos. Ankara, wax e basin são exemplos de tecidos africanos feitos de algodão que ficam excelentes na cabeça e que estão disponíveis na loja on-line do Turbante-se Brasil.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação