Encontro com o Chef

Um pedaço do Chile em Brasília

Chef chilena aproveita o período da pandemia para abrir um serviço de delivery com delícias típicas do seu país

Sibele Negromonte
postado em 24/09/2020 18:05
 (crédito: Nuestro Empório/Divulgação)
(crédito: Nuestro Empório/Divulgação)

Quando se casou, aos 19 anos, Alicia Villegas não sabia cozinhar absolutamente nada, mesmo tendo nascido e passado a infância em uma fazenda, em uma pequena vila no sul do Chile. Lá, tudo era preparado e cultivado em casa, dos pães às massas, dos doces ao mel. Na adolescência, mudou-se para uma cidade grande, Concepción, para seguir com os estudos. Mas sempre voltava ao campo nas férias de verão. “A festa da colheita do trigo era uma tradição que atraía muita gente, com muita comida, bebida e música típicas”, relembra.

Com o casamento e a maternidade, um ano depois, veio a necessidade de cozinhar. E Alicia não só começou a se arriscar com as panelas como tomou gosto pela coisa. “Qualquer pessoa é capaz de cozinhar, e todas deveriam tentar. Mas tem que gostar, caso contrário, não se chega ao sucesso”, ensina.

No fim da década de 1970, o marido de Alicia decidiu sair do Chile e, como boa aventureira, ela topou o desafio. Deixaram os dois filhos com os avós e tios e embarcaram em um ônibus rumo à capital do Brasil. “Foi uma semana de viagem. Muitos chilenos estavam deixando o país, pois a situação política não estava boa por lá. Mas poucos vinham para Brasília, a maioria ia para São Paulo.”

Inaugurada havia pouco mais de uma década, a cidade ainda era um canteiro de obras, logo não faltou trabalho para o marido de Alicia, que vinha de uma família de marceneiros. A mulher decidiu se dedicar à gastronomia, a princípio, vendendo as tradicionais empanadas chilenas. Um ano depois, o casal buscou os filhos e aumentou a família. Aqui, nasceram mais dois herdeiros.

E, para quem acha que as empanadas são uma iguaria que só tem na Argentina, a cozinheira faz questão de ressaltar que essa é uma ideia errônea, de quem não tem conhecimento gastronômico. “Cada um dos países tem o seu tipo.” Sobre a diferença, Alicia explica que as empanadas chilenas levam mais cebola e menos carne, e as argentinas têm mais tomate. “As chilenas são mais suculentas”, garante.

Com o boca a boca, a cozinheira passou a receber muitas encomendas. Adepta da comida natural, fez curso de gastronomia macrobiótica e expandiu o cardápio. Passou a ser muito solicitada para preparar jantares, almoços e eventos em embaixadas e para cozinhar na casa de diplomatas. E, assim, criou os quatro filhos.

Mas o espírito aventureiro de Alicia falou mais alto, e ela resolveu passar uma temporada na Bélgica. “Os filhos estavam crescidos e eu me planejei bastante antes de embarcar.” Coincidentemente, o primeiro trabalho que apareceu foi na casa de um diplomata espanhol. A partir daí, não faltou serviço — e aprendizado — gastronômico. “Um novo mundo se abriu para mim, com carnes maravilhosas e produtos de ótima qualidade — queijos, manteigas que não encontramos aqui.” Depois de passar 15 anos em Bruxelas, decidiu se aposentar e voltar, há pouco mais de dois anos, para Brasília, onde moram três filhos.

Nuestro Empório

Agitada, a chef não ficou muito tempo parada. Logo estava fazendo almoços e aceitando encomendas. Durante a pandemia, decidiu, com a família, criar um serviço de delivery. Surgia, assim, o Nuestro Empório — especializado em delícias da culinária chilena e latina. “Como antes eu não tinha logomarca, muita gente se surpreendeu quando pediu e descobriu que eram as ‘empanadas da Alicia’”, diverte-se.

Como trabalha sob encomenda, com pedidos de segunda a sexta, e entregas quintas, sextas e sábados, a chef garante o frescor dos pratos. “A graça das empanadas é comê-las na hora, pois, mesmo preparadas no mesmo dia, depois de um tempo, a massa absorve muito do recheio, deixando-as molhadas.” Outro diferencial, segundo ela, é o uso de ingredientes frescos. “O molho de tomate é feito por mim, não uso nada em lata ou caixinha, assim como o doce de leite é caseiro”, exemplifica.

No cardápio, além das empanadas, há sopaipillas, pão frito tradicional do Chile; torta milhojas, que, faz questão de ressaltar, é diferente da mil folhas francesa; empolvados chilenos, espécies de biscoitos recheados, cuja receita a chef compartilha com os leitores da coluna; além de delícias de países vizinhos, como a guacamole mexicana e o ceviche peruano. “Tudo preparado artesanalmente e com muito amor”, garante.


Empolvados chilenos

 (crédito: Nuestro Empório/Divulgação)
crédito: Nuestro Empório/Divulgação

Ingredientes
6 ovos, separados em clara e gema
90g de açúcar
Meia colher de chá de essência de baunilha
60g de farinha de trigo
60g de fécula de batata
2 colheres de cafezinho de fermento químico de bolo
1 xícara de açúcar de confeiteiro
500g de doce de leite
Açúcar de confeiteiro para finalizar
Papel manteiga para assar

Modo de preparar
Em uma batedeira, bata as claras em alta velocidade até ficarem consistente. Baixe a velocidade e acrescente o açúcar aos poucos. Bata até incorporar. As claras devem ficar firmes.
Acrescente as gemas, uma de cada vez, e continue batendo em velocidade baixa. Depois disso, coloque a essência de baunilha.
Em um outro recipiente, junte os ingredientes secos (farinha, fécula e fermento) e misture. Retire o bowl da batedeira e, com uma peneira, acrescente essa mistura. Com uma espátula de silicone, incorpore devagar, fazendo movimentos suaves para que a massa não perca a textura aerada.
Forre as formas de alumínio com papel-manteiga. Com uma colher, coloque pequenas bolinhas de massa no papel. Tente fazer todas do mesmo tamanho. Também é possível usar forminhas ou a manga de confeiteiro com um bico maior.
Leve ao forno preaquecido a 180º por cerca de 12 a 15 minutos, até ficaren firmes e douradas.
Retire do forno e solte os biscoitos do papel com ajuda de uma espátula. Coloque em uma grade e, com uma peneira, polvilhe açúcar de confeiteiro sobre cada um. Os biscoitos deve estar ainda quentes para firmar o açúcar. Deixe esfriar.
Depois de frio, com uma faca, recheie cada um com doce de leite e monte os empolvados. Eles ficam melhor de um dia para o outro, pois a massa absorve o doce.
Essa receita rende cerca de 30 empolvados

Serviço
Instagram: @nuestroemporiobr

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação