TV+

O mês do medo

Impulsionados pelo Halloween, serviços de streaming lançam séries e filmes de terror ou suspense

Vinicius Nader
postado em 15/10/2020 18:01
 (crédito: Estevam Avellar/Globo)
(crédito: Estevam Avellar/Globo)

Outubro é marcado pelo Halloween, festa tipicamente americana que encontra ecos por aqui pelo menos no que diz respeito à programação da televisão. Especialmente nos serviços de streaming e sob demanda, o mês concentra muitos e diversificados lançamentos do terror ou do suspense. Globoplay, Amazon Prime e Netflix vêm com novidades para quem tem nervos de aço e ainda se diverte com um susto aqui, outro ali.

A aguardada série da Globoplay Desalma chega ao catálogo, na quinta-feira desta semana, de olho no mercado internacional e com a segunda temporada confirmada pelo serviço sob demanda da Globo. A série é dirigida por Carlos Manga Jr. e marca a estreia de Ana Paula Maia na autoria para o audiovisual. A ação se passa entre 1988 e 2018 e tem como base a mitologia eslava. “A série tem camadas. É a não aceitação da morte, uma relação com transmigração de almas. Falamos da migração do povo de um país, com suas tradições e culturas, que existe hoje no Brasil, mas que a gente não conhece”, afirma Ana Paula no material de divulgação de Desalma.

Na pequena Brígida, ao sul do país, a população é assombrada por fenômenos sobrenaturais e por rituais de bruxaria que prometem trazer de volta ao mundo dos vivos almas de pessoas que morreram. Tudo começa durante a celebração das festas de Ivana Kupala, tradição ucraniana cultivada em Brígida. Naquele ano, coisas sombrias acontecem e marcam a vida de quatro mulheres e as gerações seguintes das famílias delas também. O elenco de Desalma une nomes conhecidos como Cásia Kis, Maria Ribeiro e Cláudia Abreu a atores de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Minas Gerais que estão em seu primeiro trabalho no audiovisual. Na parte técnica, profissionais que atuaram na bem-sucedida Dark, da Netflix.

A Netflix entrou no clima e lançou A maldição da Mansão Bly, continuação da aclamada A maldição da Residência Hill, em nove episódios já disponíveis no catálogo. A mansão que dá título à série é palco para segredos macabros que se acumulam por séculos e estão prestes a serem descobertos.

Quando a babá que todos adoravam morre tragicamente, Henry Wingrave (Henry Thomas) contrata a jovem Dani (Victoria Pedretti) para cuidar dos órfãos Flora (Amelie Bea Smith) e Miles (Benjamin Evan Ainsworth). Ela se junta ao motorista Owen (Rahul Kohli), à jardineira Jamie (Amelia Eve) e à governanta Sra. Grose (T’Nia Miller) e logo percebe uma energia “pesada” que ronda os meninos. Dani só vai sossegar quando descobrir o que há de errado com os irmãos.

Clima de suspense

A Amazon Prime Vídeo não ficou atrás e disponibilizou quatro filmes temáticos no mês: Caixa preta (Black box, se seu catálogo estiver em inglês), Mentira incondicional (The lie), Mau-olhado (Evil eye) e Noturno (Nocturne).

Mais calcado no suspense do que no terror, Caixa preta traz uma neurocientista bem-conceituada, Lilian (Phylicia Rashad), que perdeu o filho num acidente doméstico. Ela desenvolve, então, um jeito de manter as lembranças dele guardadas numa espécie de capacete. Quando Nolan (Mamoudou Athie) sofre um acidente de carro e fica entre a vida e a morte, ele se recupera depois de fazer um tratamento com Lilian. Ele continua vivo, mas não lembra de nada — tanto que a filha dele, a pequena Ava (Amanda Christine), parece mais mãe dele.

Ao entrar na mente de Nolan, Lilian descobre uma criatura (que também aparece nos pesadelos dele) que será a chave para todo o mistério. Com boas interpretações — especialmente de Phylicia e da menina Amanda —, Caixa preta tem reviravoltas interessantes no roteiro.

O suspense e a tensão também dão o tom de Mentira incondicional. Aqui, as adolescentes Kayla (Joey King) e Britney (Devery Jacobs) se envolvem numa intrincada rede de mentiras que acaba marcando a vida não só delas, mas também dos pais de Kayla, Rebeca (Mireille Enos) e Jay (Peter Sarsgaard), e do pai de Britney, Sam (Cas Anvar).

O que começa com uma mentirinha inocente de quem só quer matar aula termina num assassinato. Na tentativa desenfreada de livrar a filha de culpa, pais desesperados acabam se envolvendo numa teia de crimes e mais mentiras. Assim como em Caixa preta, há uma reviravolta para tentar salvar o filme. Só resta saber se dá certo.

Estevam Avellar/Globo
Cassia Kiss vive uma bruxa em Desalma

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação