Moda

Veja os destaques das principais semanas de moda internacionais

Desfile em tempos de pandemia: as fashion weeks internacionais trouxeram importantes referências para as passarelas e mostraram o que será tendência no próximo verão

Manuela Ferraz*
postado em 19/10/2020 14:08 / atualizado em 19/10/2020 18:26
 (crédito: Isabelle Sciamma  / AFP)
(crédito: Isabelle Sciamma / AFP)

As fashion weeks internacionais atraem olhares atentos e revolucionam o cenário da moda a cada nova edição. Com o compromisso de transmitir um conceito e uma mensagem, os desfiles fazem uso de lentes de aumento da realidade e causam impacto com suas criações, penteados, maquiagem e cenários elaborados. As últimas apresentações das principais semanas, que se encerraram no início do mês com a edição de Paris, não fugiram à regra e têm dado o que falar.

Comumente, ocorrem quatro semanas de moda por ano, sendo duas edições voltadas para as concepções de alta-costura e duas para o prêt-à-porter — ou pronto para vestir —, uma moda mais comercial. “Isso em Paris. Nos lugares em que não há alta-costura, as semanas de moda se limitam ao prêt-à-porter”, explica João Braga, professor de história da moda da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP).

Para ele, apesar do conceito do see now buy now — veja agora, compre agora, em livre tradução —, lançado pela marca inglesa Burberry há alguns anos, as coleções seguem, em sua maioria, a tradicional divisão anual de primavera/verão e outono/inverno.

Segundo Mariana Santiloni, especialista em tendências na WGSN Brasil, ao longo dos anos, muita coisa mudou no papel das semanas de moda. Os desfiles cresceram, com a indústria têxtil, e tornaram-se verdadeiros espetáculos. “Em geral, o papel deles é mostrar ideias dos estilistas para a próxima coleção, para temas, cores, estampas, modelagens. E, claro, falar com compradores de grandes varejistas, imprensa e contar um pouco da história da marca.”

Efeitos da pandemia

As últimas semanas de moda mesclaram o formato físico e digital e, na modalidade presencial, diversas marcas apresentaram suas coleções em desfile sem plateia. Mariana destaca que a edição de Paris teve, ao todo, 84 desfiles, dos quais somente 18 foram presenciais. Essas mudanças necessárias ocorreram em função da pandemia do novo coronavírus, que já fez milhões de vítimas ao redor de todo mundo e impactou diversos setores, inclusive o da moda.

Recentemente, Kenzo Takada morreu em decorrência de complicações da covid-19. Ele, que nasceu em 1939, em Himeji, e fundou a grife de perfumes, cosméticos e vestuário Kenzo, deixa uma marca importante no mundo fashion como o primeiro estilista japonês a desenvolver a carreira e fazer sucesso em Paris, onde compartilhou brilhantes produções que uniam referências do Oriente e do Ocidente.

Alguns dias antes da morte do criador, a marca apresentou nas passarelas da Semana de Moda de Paris sua nova coleção, repleta de referências sobre a pandemia. O desfile, sob o comando do diretor criativo Felipe Oliveira Baptista, chamou a atenção da consultora de imagem e psicóloga Mariana Costa. “Foi inspirado no documentário Honeyland 2019, mas as referências aos trajes típicos de apicultores pareceram muito mais atreladas ao momento atual, de isolamento e proteção do próprio corpo, além, claro, de terem sido pautadas na sustentabilidade, utilizando plástico reciclado e materiais de desfiles passados.”

A Kenzo apostou em estampas únicas e cores que trouxeram as características da marca. A escolha pela temática dos cultivadores de abelha também remete à valorização da natureza, de seres fundamentais para o ecossistema, e da empatia — essencial neste momento.

O desfile da Kenzo em Paris ocorreu poucos dias antes da morte do criador da marca: apicultura e estampa
O desfile da Kenzo em Paris ocorreu poucos dias antes da morte do criador da marca: apicultura e estampa (foto: Stephane De Sakutin / AFP)

Algumas presenças frequentes nas temporadas de semana de moda repensaram suas produções e optaram por novos posicionamentos. “Saint Laurent deixou a semana de moda de Paris em 2020. A maison optou por apresentações customizadas de acordo com o processo criativo do seu diretor-criativo, Anthony Vaccarello”, explica Mariana Santiloni, da WGSN Brasil.

A Gucci abandonou o calendário tradicional e as sazonalidades e também não participou da Semana de Moda de Milão. A grife passará a fazer apenas dois desfiles para desacelerar a produção.

*Estagiária sob a supervisão de Sibele Negromonte

The big four

As principais semanas de moda internacionais, conhecidas como The big four, são as de Nova York, Londres, Milão e Paris e apresentam muitas diferenças. “No geral, a de NY sempre foi mais comercial e voltada para o street style. Já a semana de moda de Londres é mais conceitual”, destaca Mariana Santiloni. As apresentações de Milão são marcadas pela exuberância italiana e a de Paris tem uma ideia de refinamento e sofisticação.

Representando o Brasil, a São Paulo Fashion Week também é influente e considerada um dos maiores eventos de moda da América Latina. Neste ano, para celebrar os 25 anos da semana de moda, acontecerá um evento em formato 100% digital, entre 4 e 8 de novembro.


Duelo histórico

O professor João Braga explica que um evento, ocorrido em 1973, conhecido como Batalha de Versalhes, tem uma íntima ligação com a história das fashion weeks francesas. A batalha, na realidade, era um desfile, feito em parceria, de cinco costureiros franceses e cinco norte-americanos, que visava a arrecadação de fundos a para recuperação do Palácio de Versalhes.

A disputa foi um espetáculo. Enquanto os representantes europeus desfilaram obras de sua já consagrada alta-costura, os americanos fizeram uma apresentação concisa e marcada pela diversidade. “Os americanos fizeram um trabalho muito bom, o que incomodou os franceses, que não queriam ficar para trás e resolveram lançar a ideia de semana de moda. Existiam os lançamentos das respectivas coleções, mas não exatamente em conjunto”, afirma João. O show foi um marco para a produção norte-americana no cenário da moda. Algum tempo depois, as semanas foram divididas entre alta-costura e prêt-à-porter.

Tendências apresentadas

As estampas manchadas são uma evolução do tie-dye, como no desfile do Acne Studios
As estampas manchadas são uma evolução do tie-dye, como no desfile do Acne Studios (foto: Stephane De Sakutin / AFP)
O colorido de Jason Wu na Semana de Moda de Nova York
O colorido de Jason Wu na Semana de Moda de Nova York (foto: Mike Coppola / AFP)

Para Mariana Santiloni, o tema brisa do mar foi um dos destaques da Semana de Moda de Paris. “Roupas para as férias combinam com o desejo de escapar da realidade. Vimos peças estampadas com cenários subaquáticos, florais exuberantes e tons vibrantes. A estampa com efeitos manchados e as aquareladas são a evolução do tie-dye”, explica.

Os temas esportivos também ganharam força e foram representados nas passarelas pelas jaquetas bomber, short biker e moletom com capuz. “Para os acessórios, as joias maximalistas seguem em alta. Principalmente as correntes, que continuam em maxicolares, brincos e pulseiras, tanto no prata quanto no dourado”, complementa a expert em tendências. Além disso, o cadeado é um detalhe emergente em acessórios, tanto em colares quanto em bolsas.

Desfile da Fendi em Milão
Desfile da Fendi em Milão (foto: Miguel Medina / AFP)

A consultora de imagem Mariana Costa enxerga o romantismo otimista, com bordados ingleses, estampas florais e tecidos fluidos, como uma das tendências apresentadas nos desfiles. Ela destaca ainda as peças utilitárias, que trazem o minimalismo sofisticado, com cortes retos ou assimétricos; as cores neons; as listras em tons quentes; e as roupas confortáveis.

“Foi bem marcante no ano de 2020 o stay safe, que é a roupa de ficar em casa. Como não sabemos ao certo quando será nem como será o fim de todo esse período, ela será cada vez mais usada e seus modelos, adaptados para tecidos diferentes” detalha.

Os quimonos em jeans foram destaque na coleção da Dior
Os quimonos em jeans foram destaque na coleção da Dior (foto: Lucas Barioulet / AFP)

O jeans também marcou presença na semana de moda. Ele apareceu em quimonos, nas coleções da Dior e da Balmain, em bermuda ciclista e até no icônico blazer da marca. “Teve jeans também nos desfiles da Valentino e da Isabel Marant. Já a Givenchy colocou o jeans nas passarelas com efeitos texturizados”, analisa a representante da WGSN Brasil.

Destaque também para os ombros marcados, os shapes amplos e a assimetria, que incrementam blusas e blazers com modelagens e recortes precisos das produções da casa francesa.

Os especialistas também destacam


Chloé
A estilista Natacha Ramsay-Levi fez uma coleção para o dia a dia. Uma moda pautada na atemporalidade, mas sem atrelar a tendências ou conceitos vanguardistas. Os modelos fluidos, que garantem conforto, a serenidade dos tons pastéis e estampas delicadas trazem leveza para toda a ansiedade que temos no momento.

 

Desfile Valentino na Fashion Week de Milão
Desfile Valentino na Fashion Week de Milão (foto: Isabelle Sciamma / AFP)

Valentino
A grife optou por realizar o desfile desta última edição em Milão, em vez de Paris. O estilista Pier Paolo Piccioli criou uma coleção cativante. A simplicidade e profundidade dos recursos usados criou um couture wear. Já a coleção de alta-costura, inspirada no circo, encantou pela beleza e criatividade.


Moschino
Diferentemente das marcas que apostaram na digitalização na Semana de Moda de Milão, a Moschino colocou marionetes na passarela e na plateia. Com cores pastéis, tons suaves e presença do dourado, a coleção do diretor criativo Jeremy Scott teve que ser reduzida e replicada com exatidão para o tamanho dos bonecos.

 

Desfile da Acne Studios na Semana de Moda de Paris
Desfile da Acne Studios na Semana de Moda de Paris (foto: Stephane De Sakutin / AFP)

Acne Studios
A casa de moda multidisciplina, de origem sueca, assim como Kenzo e Dries Von Notem, apresentou um desfile com estampas. Além disso, trabalhou com camadas transparentes e efeitos manchados, uma evolução do tie-dye.

 

Desfile da Dior durante a Paris Fashion Week
Desfile da Dior durante a Paris Fashion Week (foto: Lucas Barioulet / AFP)

Christian Dior
Tudo parecia conversar na apresentação da Dior, desde os vitrais do cenário até as estampas, os bordados e as peças fluidas. A coleção prêt-à-porter destacou a essência da moda e costura e homenageou a criatividade plural. Um protesto ambiental, que trazia a frase “Nós somos vítimas da moda”, interrompeu o desfile.

  • Os shapes amplos, como os apresentados por Valentino, estiveram presentes em vários desfiles
    Os shapes amplos, como os apresentados por Valentino, estiveram presentes em vários desfiles Foto: Isabelle Sciamma/AFP
  • O desfile da Kenzo em Paris ocorreu poucos dias antes da morte do criador da marca: apicultura e estampa
    O desfile da Kenzo em Paris ocorreu poucos dias antes da morte do criador da marca: apicultura e estampa Foto: Stephane De Sakutin / AFP
  • As estampas manchadas são uma evolução do tie-dye, como no desfile do Acne Studios
    As estampas manchadas são uma evolução do tie-dye, como no desfile do Acne Studios Foto: Stephane De Sakutin / AFP
  • O colorido de Jason Wu na Semana de Moda de Nova York
    O colorido de Jason Wu na Semana de Moda de Nova York Foto: Mike Coppola / AFP
  • Desfile da Fendi em Milão
    Desfile da Fendi em Milão Foto: Miguel Medina / AFP
  • Os quimonos em jeans foram destaque na coleção da Dior
    Os quimonos em jeans foram destaque na coleção da Dior Foto: Lucas Barioulet / AFP
  • Desfile Valentino na Fashion Week de Milão
    Desfile Valentino na Fashion Week de Milão Foto: Isabelle Sciamma / AFP
  • Desfile da Acne Studios na Semana de Moda de Paris
    Desfile da Acne Studios na Semana de Moda de Paris Foto: Stephane De Sakutin / AFP
  • Desfile da Dior durante a Paris Fashion Week
    Desfile da Dior durante a Paris Fashion Week Foto: Lucas Barioulet / AFP
  • Os shapes amplos, como os apresentados por Valentino, estiveram presentes em vários desfiles
    Os shapes amplos, como os apresentados por Valentino, estiveram presentes em vários desfiles Foto: Isabelle Sciamma / AFP
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação