Beleza

Símbolo de poder, a boca vermelha tem tudo a ver com o Natal

Conheça um pouco da história das marcas de batom mais icônicas e invista na make para a ceia

Ailim Cabral
postado em 13/12/2020 08:00
Produção de Marcos Costa com o batom em óleo vermelho, da Natura -  (crédito:  Danilo Apoena/Divulgação)
Produção de Marcos Costa com o batom em óleo vermelho, da Natura - (crédito: Danilo Apoena/Divulgação)

Papai Noel está quase chegando e, no mundo da beleza, nada combina tanto com o Natal quanto um batom vermelho poderoso. Existem os clássicos, conhecidos de toda entusiasta de beauté, como o icônico Gabrielle, da Chanel, que leva o nome da fundadora da grife; e o Ruby Woo, da MAC, que inicialmente seria uma edição limitada, de 1999, e hoje vende sete unidade por minuto no mundo. Há, também, as novidades, que chegam cheias de cor e texturas, deixando o vermelho sempre na vanguarda.

Rouge 999, da Dior (preço sob consulta)
Rouge 999, da Dior (preço sob consulta) (foto: Dior/Divulgação)

Entre os clássicos existem aqueles que se tornaram tendência nos lábios de estrelas e os que têm histórias inusitadas. O famoso Benetint, da Benefit, por exemplo, surgiu do pedido incomum de uma dançarina. Em 1977, ela entrou na loja das irmãs Ford, criadoras da marca, e pediu um corante para os mamilos, para deixá-los mais rosados e atraentes. Após o pedido exótico, nasceu o corante avermelhado que, hoje, é conhecido como Benetint e amado pelas brasileiras para colorir lábios e bochechas.

Rouge Coco, 444 Gabrielle, da Chanel (R$ 300)
Rouge Coco, 444 Gabrielle, da Chanel (R$ 300) (foto: Chanel/Divulgação)

O Rouge 999, da Dior, tornou-se um dos mais vendidos do mundo depois de ter enfeitado os lábios das modelos em um desfile da maison, em 1953. O vermelho icônico de Giorgio Armani, Maestro 400, nasceu depois de 96 visitas do estilista ao laboratório cosmético e da combinação de cores das pétalas internas de uma rosa.

Benetint, da Benefit (R$ 109)
Benetint, da Benefit (R$ 109) (foto: Benefit/Divulgação)

Entre os nacionais, destacam-se o 300 Intense, de O Boticário — chamado de Ruby Woo brasileiro e que ficou entre os melhores batons de 2020 em um ranking do My best, site de recomendações. O Bordô Matte Tint, linha Glam, da Eudora, também não faz feio. Lançado em 2019 em uma campanha com Xuxa, Eliana, Angélica e Mara Maravilha, no Dia do Batom, chegou a ser vendido 20 vezes por minuto.

Um pouco de história

Ruby Woo, da MAC (R$ 94)
Ruby Woo, da MAC (R$ 94) (foto: MAC/Divulgação)

As bocas avermelhadas não são novidades. Os antigos egípcios coloriam os lábios com ocre vermelho e carmim há milhares de anos. Os vermelhos já foram associados a prostitutas, como na Grécia Antiga, quando somente as trabalhadoras sexuais podiam estampar a cor nos lábios e já foram marcadores de classe social na Roma Antiga.

Um dos momentos históricos nos quais o batom vermelho apareceu com destaque foi na manifestação sufragista que tomou as ruas de Nova York em 1912. No livro Compacts and Cosmetics, Madeleine Marsh ressalta que o produto se tornou um símbolo contra a dominação masculina.

E, desde a Antiguidade até os tempos modernos, passando por todos os momentos, o batom vermelho é um dos preferidos das mulheres do mundo inteiro. Em 2020, a pandemia do novo coronavírus fez com que o uso de máscaras se tornasse um dos cuidados mais essenciais com a vida — a nossa e a do próximo — e as cores dos lábios passaram a ficar escondidas.

Batom CC Hidratante Una, cor Rouge 8c, da Natura (R$ 46,90)
Batom CC Hidratante Una, cor Rouge 8c, da Natura (R$ 46,90) (foto: Natura/Divulgação)

Mas, dentro de casa, a boca colorida está mais do que liberada. Segundo Marcos Costa, maquiador oficial da Natura, as pessoas querem sonhar e começaram a se arrumar em casa, para si mesmas. E os vermelhos são símbolo de poder e alegria em meio a tudo que vivemos: o simples ato de passar um batom vermelho pode mudar todo o astral e a aparência.

Matte Tint Glam, Bordô Intenso, da Eudora (R$ 27,99)
Matte Tint Glam, Bordô Intenso, da Eudora (R$ 27,99) (foto: Eudora/Divulgação)

Não é à toa que a marca criou o movimento #meuvermelho, que incentiva as pessoas a buscarem e compartilharem tons, texturas e acabamentos de vermelhos que mais expressam sua personalidade. “Ele pode ser um clássico e, ao mesmo tempo, supermoderno. Se você combina aquele mesmo tom com uma roupa pink e um delineador colorido, já é moderno. Se usa com uma camiseta branca e calça jeans, está casual. E, se prende o cabelo em um coque e coloca um vestido, é o clássico”, exemplifica Marcos.

O maquiador advoga ainda em favor dos multifuncionais, como o Rouge, da Natura, que pode ser usado como blush, iluminador e sombra. “É um momento de reaproveitar e economizar”, completa.

  • Benetint, da Benefit (R$ 109)
    Benetint, da Benefit (R$ 109) Foto: Benefit/Divulgação
  • Ruby Woo, da MAC (R$ 94)
    Ruby Woo, da MAC (R$ 94) Foto: MAC/Divulgação
  • Rouge 999, da Dior (preço sob consulta)
    Rouge 999, da Dior (preço sob consulta) Foto: Dior/Divulgação
  • Rouge Coco, 444 Gabrielle, da Chanel (R$ 300)
    Rouge Coco, 444 Gabrielle, da Chanel (R$ 300) Foto: Chanel/Divulgação
  • Matte Tint Glam, Bordô Intenso, da Eudora (R$ 27,99)
    Matte Tint Glam, Bordô Intenso, da Eudora (R$ 27,99) Foto: Eudora/Divulgação
  • Batom CC Hidratante Una, cor Rouge 8c, da Natura (R$ 46,90)
    Batom CC Hidratante Una, cor Rouge 8c, da Natura (R$ 46,90) Foto: Natura/Divulgação
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE