O cerrado está na moda e é inspiração para marcas de roupas

As estampas e cores marcantes do bioma brasileiro viram inspiração para estilistas. E a sustentabilidade se torna o foco em meio ao consumo desenfreado

Amanda Silva*
postado em 03/01/2021 08:00
 (crédito: Divulgação Água de Coco)
(crédito: Divulgação Água de Coco)

De uns anos para cá, a moda passou a dar palco para a sustentabilidade. Mais estilistas passaram a criar coleções inspiradas na natureza. O cerrado é o segundo maior bioma brasileiro e um dos mais ricos em biodiversidade, o que, por si só, atrai muita atenção e se torna fonte de inspiração. Assim, várias partes desse bioma adentraram o mundo da moda.

Nathália Dias, 26 anos, designer de moda formada pelo Instituto de Educação Superior de Brasília (Iesb) e dona do 261 Brechó, conta que o cerrado tem muitas características particulares de fauna, flora e vegetação, e é um dos biomas que mais sofrem com a devastação ambiental. “As pessoas estão dando mais valor ao simples e usando a biodiversidade do cerrado como forma de protesto e conscientização, também”, acredita Nathália.

Segundo a designer, a partir do momento em que o tema da coleção é escolhido, o processo de criação é totalmente inspirado nos detalhes. As formas que mais se destacam são as estampas, cores e texturas. “Escolher um tema inspirado no cerrado brasileiro faz com que as pessoas consigam enxergar a beleza e a importância do nosso bioma, como talvez nunca tivesse percebido antes”, explica.

De onde surgem as inspirações?

As peças inspiradas no cerrado têm cores marcantes e estampas que remetem ao bioma, como as flores, as plantas, os animais, a terra e o céu. A escolha de tecidos, recortes, texturas e modelagens também são itens fundamentais para o desenvolvimento de uma coleção.

Habacuque Miguel, 48, é formado em estilismo pelo Senac e, em 2013, começou a confeccionar roupas. Depois de participar de algumas oficinas de artesanato em Planaltina, passou a se interessar mais por uma moda mais sustentável. “A matéria-prima era coletada no próprio cerrado. Fiquei encantado com toda aquela produção, com a forma como as artesãs retiravam seu objeto de trabalho da natureza sem prejudicá-la”, conta o estilista.

Os itens presentes no cerrado que mais o inspiram são a diversidade de cores, texturas, formatos, a cartela de tons que se transformam ao longo das estações, as cores das plumagens das aves e os exóticos galhos retorcidos de árvores no outono. Os tons das folhas no inverno, a variedade de flores na primavera e os frutos que brotam na última estação do ano também chamam a atenção. “É um festival de formas e contrastes que inspiram os artistas”, comenta Habacuque.


Sustentabilidade e confecção

De acordo com Habacuque, o processo de criação no seu ateliê é baseado na reciclagem e customização de jeans, algodão cru e outras fibras naturais. Ele e sua equipe desenham os croquis (esboços feitos à mão) das peças ou dos bordados, modelam, costuram e fazem os acabamentos.

Os bordados são feitos à mão e não consomem energia elétrica. Procuram recriar detalhes dos temas escolhidos, como, por exemplo, flores. Também existem alguns tecidos que lembram a textura encontrada no bioma, como as cascas de árvores ou peles de animais.

Além disso, por todo o mundo, as marcas estão aderindo aos tingimentos naturais, que utilizam matéria-prima orgânica, extraída diretamente da natureza, como flores e cascas de árvores. A preferência por esses materiais se dá pelo fato de não serem maléficos ao meio ambiente após o descarte.


Como usar

Rosa Amaral, especialista em fashion styling pela Universidade de Artes de Londres (CSM/UAL), conta que, no Brasil, é muito comum existirem coleções voltadas para a biodiversidade. Principalmente, durante a primavera/verão. “As peças mais coloridas, alegres e descontraídas estão presentes na estação mais quente. O clima pede o uso de roupas leves”, explica a fashion styling.

Como costumam ter tonalidades vivas e estampas, muitas pessoas sentem dificuldade em usá-las. Ela recomenda começar com pequenos acessórios e, aos poucos, investir em peças para o guarda-roupa. “A questão é encontrar a medida certa do que orna com o seu gosto pessoal”, afirma Rosa.

Para a fashion styling, cada pessoa tem desejos e necessidades de imagem muito individuais. Por isso, muitas usam itens diferentes, o que se torna uma assinatura de estilo. “As peças com estampas muito grandes, formas exageradas e cores intensas e contrastantes inspiram mais criatividade, originalidade e uma vibe mais artística e teatral”, finaliza.


Memórias afetivas

A estudante de design de moda da Universidade Federal do Goiás Yasmin Matos fundou a Sarau, uma marca de moda praia ecológica em 2019. “A principal proposta é ressignificar a relação com a roupa e democratizar acessos por meio da moda, com alternativas mais sustentáveis para o meio social, ambiental e econômico”, conta a estudante.

A primeira coleção de biquínis e maiôs tem uma dinâmica bem diferente: a maneira como cada pessoa interpreta uma cor e a vinculação dela com uma memória afetiva que a mesma tem sobre o cerrado. Por exemplo, Yasmin usou o amarelo mostarda que remete ao clima quente do bioma. Já o coral lembra o bico do tucano e a casca da manga madura. E, por fim, o azul remete ao céu. As cores conversam entre si e vão de encontro às experiências vividas no bioma ao longo de toda a sua vida.

Yasmin diz que, por causa do clima quente de Goiânia, ela consegue usar os biquínis em looks no dia a dia. Dessa forma, pode ser aproveitada ao longo do ano em outras composições. Ela finaliza: “O importante é explorar nossa relação com as roupas e se jogar na criatividade”.


Do cerrado para o mar

Marca de moda praia nascida no Ceará, a Água de coco também inspirou-se no cerrado para criar a coleção de verão 2021. Frutas típicas, como cereja do cerrado, graviola, pera do campo e mangaba, além de animais nativos, estampam itens de beachwear e propostas urbanas. As peças trazem da exuberância da palmeira buriti a delicadeza da flor do cerrado e uma cartela de cores fortes: vermelho flamboyant, azul arara, rosa caliandra, verde mangada, entre outras.

  • Nathália Dias usa as características únicas do cerrado para criar suas peças
    Nathália Dias usa as características únicas do cerrado para criar suas peças Foto: Arquivo Pessoal
  • Coleção da Água de Coco inspirada no cerrado
    Coleção da Água de Coco inspirada no cerrado Foto: Divulgação Água de Coco
  • Habacuque confecciona as peças em seu ateliê: bordados feitos à mão e matéria-prima sustentável
    Habacuque confecciona as peças em seu ateliê: bordados feitos à mão e matéria-prima sustentável Foto: Kadomba Arte/Instagram
  • Yasmin Matos, estilista da marca Saura, criou coleção de biquínis que abrange todos os biotipos: peças em cores vivas que lembram o clima quente das regiões do cerrado
    Yasmin Matos, estilista da marca Saura, criou coleção de biquínis que abrange todos os biotipos: peças em cores vivas que lembram o clima quente das regiões do cerrado Foto: Divulgação Sarau
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE