relacionamentos

Convivência excessiva e estresse durante pandemia coloca relacionamentos em xeque

Problemas financeiros, estresse durante a pandemia têm se refletido nas relações. Nunca houve tanto divórcio no Brasil quanto em 2020, mas há, também, casais que buscam resolver os conflitos

Correio Braziliense
postado em 21/02/2021 07:00
 (crédito: Kleber Sales)
(crédito: Kleber Sales)

 

Na ca­pi­tal do país e em di­ver­sos es­ta­dos do Bra­sil, 2020 te­ve a maior quan­ti­da­de de di­vór­cios des­de 2007, quan­do o Co­lé­gio No­ta­rial do Bra­sil co­me­çou a fa­zer le­van­ta­men­to. No úl­ti­mo ano, hou­ve, na ca­pi­tal fe­de­ral, 1.833 se­pa­ra­ções, ul­tra­pas­san­do o re­cor­de de 2012, quan­do ha­viam si­do re­gis­tra­dos 1.755. De­zem­bro foi o mês mais crí­ti­co: com 203 di­vór­cios de­fi­ni­dos.


Os nú­me­ros es­tão au­men­tan­do des­de 2016, mas mui­tos atri­buem o re­cor­de à pan­de­mia, que co­lo­cou os ca­sais pa­ra con­vi­ver mais in­ten­sa­men­te jun­tos, com pou­cas dis­tra­ções, me­nos con­ví­vio com ami­gos e fa­mi­lia­res e mui­tas preo­cu­pa­ções. Os maio­res vo­lu­mes fo­ram re­gis­tra­dos jus­ta­men­te en­tre maio e de­zem­bro, quan­do os con­tá­gios pe­la co­vid-19 es­ta­vam em ace­le­ra­ção e ha­via me­di­das mais res­tri­ti­vas em vi­gor.


Pa­ra a ad­vo­ga­da de di­rei­to ci­vil Aman­da Ca­ro­li­ne da Sil­va, a quan­ti­da­de de tem­po jun­tos fez com que as in­com­pa­ti­bi­li­da­des dos ca­sais fi­cas­sem mais evi­den­tes. “A gen­te co­men­ta que a pan­de­mia trou­xe di­fi­cul­da­de psi­co­ló­gi­ca pa­ra to­do mun­do e, no di­rei­to de fa­mí­lia, as má­goas fo­ram au­men­ta­das, o des­gas­te emo­cio­nal foi mui­to gran­de”, afir­ma. Se an­tes ela via a pos­si­bi­li­da­de de re­con­ci­lia­ção en­tre mui­tos clien­tes, no ano pas­sa­do, ela per­ce­beu pes­soas mais re­sis­ten­tes a mu­dar de ideia, mais de­ci­di­das.


Aman­da sa­lien­ta as pes­qui­sas na in­ter­net re­la­cio­na­das a “di­vór­cio”, que tam­bém au­men­ta­ram em 2020. Se­gun­do da­dos do Goo­gle, as bus­cas pe­la ex­pres­são “co­mo dar en­tra­da no di­vór­cio” cres­ce­ram 127% em maio do ano pas­sa­do, com­pa­ra­das ao mês an­te­rior. “O di­vór­cio, em si, não acon­te­ce em um mo­men­to só, mas os pro­ble­mas, com os ca­sais mui­to tem­po jun­tos, fi­ca­ram la­ten­tes. O iso­la­men­to so­cial fez com que as pes­soas con­vi­ves­sem mais com as fa­lhas dos ou­tros”, acre­di­ta.


Res­ga­te da re­la­ção

Ma­ria­na Via­na Bor­ges, juí­za de paz e ad­vo­ga­da de fa­mí­lia, sen­tiu na pe­le o que mui­tos clien­tes es­ta­vam vi­ven­do. A pan­de­mia ti­rou o fi­lho de 2 anos da cre­che e a co­lo­cou pa­ra tra­ba­lhar em ca­sa, ao mes­mo tem­po em que cui­da­va da ca­sa, da ali­men­ta­ção da fa­mí­lia e do pe­que­no. En­quan­to is­so, o ma­ri­do, Mar­ce­lo Bor­ges, em­pre­sá­rio, pre­ci­sou con­ti­nuar tra­ba­lhan­do fo­ra e, no ra­mo da cons­tru­ção, ain­da viu a de­man­da de ser­vi­ço cres­cer.


O ca­sal foi co­lo­ca­do sob um gran­de es­tres­se: so­bre­car­ga de tra­ba­lho, me­do de in­fec­ção pe­lo no­vo co­ro­na­ví­rus, ne­ces­si­da­de de dis­trair a crian­ça. Mar­ce­lo che­ga­va em ca­sa can­sa­do, en­con­tra­va a mu­lher exaus­ta e o fi­lho cheio de ener­gia, agi­ta­do, que­ren­do brin­car. Os con­fli­tos co­me­ça­ram a apa­re­cer e dei­xa­vam os dois ain­da mais sen­sí­veis e ner­vo­sos. Até a si­tua­ção po­lí­ti­ca do país cau­sou des­gas­tes, já que ha­via fa­mi­lia­res que não acre­di­ta­vam na gra­vi­da­de da co­vid-19, o que des­gas­ta­va as re­la­ções.


Ma­ria­na e Mar­ce­lo che­ga­ram a pas­sar uma se­ma­na se­pa­ra­dos, mas de­ci­di­ram que va­lia a pe­na res­ga­tar o re­la­cio­na­men­to. “Por eu ser juí­za de paz e tam­bém fa­zer di­vór­cios, co­mo ad­vo­ga­da, acha­va que já sa­bia mui­to so­bre re­la­cio­na­men­to, mas co­me­ça­mos a te­ra­pia de ca­sal e des­co­bri que ain­da ti­nha mui­to a apren­der”, con­ta. Uma das con­clu­sões à qual che­ga­ram era de que Ma­ria­na pre­ci­sa­va de uma fun­cio­ná­ria pa­ra per­mi­tir que ela fo­cas­se no tra­ba­lho.


A prin­cí­pio, Mar­ce­lo não per­ce­bia tal ne­ces­si­da­de. “A te­ra­peu­ta nos ins­truiu a co­mo con­ver­sar, com os prin­cí­pios do diá­lo­go con­clu­si­vo e da re­so­lu­ção de pro­ble­mas. Ela pas­sa­va téc­ni­cas e, ali, a gen­te não fi­ca­va com rai­va, não ex­plo­dia”, re­la­ta o ma­ri­do. Ele ad­mi­te que ti­nha re­sis­tên­cia ao tra­ta­men­to, mas a aban­do­nou quan­do viu que era o ca­sa­men­to de­le que es­ta­va em jo­go. “Deu um alí­vio mui­to gran­de pa­ra nós, e acho que a gen­te es­tá num re­la­cio­na­men­to bem mais sau­dá­vel ago­ra”, acre­di­ta.

Ou­tra via de con­ver­sa

Além da te­ra­pia de ca­sal, há ou­tras for­mas de ten­tar ter uma con­ver­sa mais sau­dá­vel com o par­cei­ro, sem bri­gas, acu­sa­ções, ofen­sas. In­de­pen­den­te­men­te de se op­tar pe­lo di­vór­cio ou por rea­tar, a me­dia­ção fa­mi­liar po­de au­xi­liar. “É usa­da na área em­pre­sa­rial, no di­rei­to do con­su­mi­dor e mui­to na área de fa­mí­lia”, ex­pli­ca Ma­ria An­to­nie­ta de Mo­rais Pra­do, me­dia­do­ra da Câ­ma­ra de Me­dia­ção e Ar­bi­tra­gem Es­pe­cializa­da.


Além de uma via que pro­mo­ve o diá­lo­go, é uma al­ter­na­ti­va à Jus­ti­ça, em­bo­ra pos­sa acon­te­cer com um pro­ces­so ju­di­cial em cur­so. Ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca fun­da­men­tal da me­dia­ção é que ela vi­sa pre­ser­var a re­la­ção en­tre as par­tes, o que é ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te, prin­ci­pal­men­te quan­do en­vol­ve a guar­da de fi­lhos.


Ma­ria An­to­nie­ta ex­pli­ca que a me­dia­ção, em es­sên­cia, é uma ne­go­cia­ção, e o me­dia­dor é al­guém que vai fa­ci­li­tá-la, sen­do uma ter­cei­ra pes­soa, neu­tra. “Um ca­sal em con­fli­to cos­tu­ma, pri­mei­ro, ten­tar ne­go­ciar en­tre eles; mas, às ve­zes, não con­se­gue, por­que en­vol­ve com­preen­são do pon­to de vis­ta do ou­tro”, afir­ma.


Ela exem­pli­fi­ca com um ca­sal que es­te­ja bri­gan­do de­mais, por con­ta da so­bre­car­ga de tra­ba­lho. “A me­dia­ção evi­ta a es­pi­ral do con­fli­to: os dois se veem em con­fli­to, ten­tam con­ver­sar en­tre eles, vi­ra um de­ba­te, uma po­lê­mi­ca, e po­de che­gar num pon­to de acha­rem que não te­rão re­sul­ta­do. A ten­dên­cia é is­so se in­ten­si­fi­car e as pes­soas se ve­rem co­mo uma es­pé­cie de ini­mi­go em ca­sa”, la­men­ta.


Sem di­re­cio­nar a so­lu­ção, mas fa­ci­li­tan­do que os en­vol­vi­dos a en­con­trem, o me­dia­dor vem pa­ra en­ten­der o con­fli­to, o que es­tá le­van­do as duas pes­soas até lá, e fa­zer com que um en­ten­da o ou­tro. “O pu­lo do ga­to é um en­ten­der o pon­to de vis­ta do ou­tro. Às ve­zes, as pes­soas acham que os in­te­res­ses de am­bos são in­com­pa­tí­veis, mas es­sa in­com­pa­ti­bi­li­da­de é só apa­ren­te e é pos­sí­vel en­con­trar uma so­lu­ção que aten­da a to­dos”, ga­ran­te.

Recuperando o casamento

Para o psiquiatra especializado em terapia interpessoal Luan Diego Marques, todo relacionamento com conflitos pode ser salvo, mas isso depende do compromisso das duas partes. Ele recomenda:

  1. Observe se, de fato, existe interesse mútuo de cuidar da relação.
  2. Perceba se o relacionamento causa muitos sofrimentos, muitos sentimentos disfuncionais, para saber se vale a pena tentar resgatá-lo.
  3. Valide a emoção do outro.
  4. Permita um ambiente sem agressões.
  5. Evite conversas nos momentos de emoções muito intensas.
  6. Se for possível, faça terapia de casal.

Um processo desgastante

A em­pre­sá­ria e con­fei­tei­ra Ca­rol Sil­va*, 43, é ca­sa­da há 25 anos e la­men­ta a si­tua­ção em que se en­con­tra com o ma­ri­do, atual­men­te. Nun­ca pas­sa­ram um pe­río­do de tan­tas dis­cus­sões quan­to no úl­ti­mo ano, até ho­je. An­tes, se ha­via al­gum de­sen­ten­di­men­to, não du­ra­va mais do que uma noi­te. Dor­miam e, quan­do acor­da­vam, es­ta­va tu­do bem no­va­men­te. “Éra­mos um ca­sal fe­liz e, às ve­zes, as bri­gas eram por ele não ter fol­ga”, con­ta.


En­quan­to ela sem­pre atuou de ca­sa, fa­zen­do do­ces, ele tra­ba­lha­va fo­ra, seis ve­zes na se­ma­na, no ra­mo de sho­ws — um dos pri­mei­ros a se­rem sus­pen­sos por con­ta da pan­de­mia e que, até ho­je, não re­tor­nou. “É di­fí­cil pas­sar o ano com a pes­soa 24 ho­ras por dia. Ago­ra, até uma co­lher é mo­ti­vo de bri­ga. Se eu co­lo­co em um lu­gar, ele quer em ou­tro”, re­cla­ma.


Ca­rol acre­di­ta que os dois fo­ram cria­dos pa­ra só en­con­trar o com­pa­nhei­ro à noi­te, de­pois de um dia de tra­ba­lho. E es­ta­vam acos­tu­ma­dos com es­sa di­nâ­mi­ca. “Mas a pan­de­mia ti­rou a ro­ti­na da nos­sa vi­da, aque­la que já es­tá­va­mos pre­pa­ra­dos pa­ra vi­ver.” Ela se­gue, pa­ra ver até on­de os dois aguen­tam, mas tor­ce pa­ra que ele vol­te a ter ser­vi­ços lo­go. Pro­ble­mas fi­nan­cei­ros e frus­tra­ção por não tra­ba­lhar são ques­tões que, aos pou­cos, mi­nam as re­la­ções.

A im­por­tân­cia do diá­lo­go

Pa­ra o psi­quia­tra es­pe­cializa­do em te­ra­pia in­ter­pes­soal Luan Die­go Mar­ques, foi co­mum, de fa­to, os con­fli­tos au­men­ta­rem en­tre pes­soas que tra­ba­lha­vam o dia to­do e que pas­sa­ram a fi­car jun­tos por mui­to mais tem­po. “O nú­cleo fa­mi­liar traz in­ti­mi­da­de, o que ge­ra uma pro­xi­mi­da­de boa em al­guns as­pec­tos, mas ruins em ou­tras. Nas re­la­ções de tra­ba­lho, por mais que ha­ja um con­fli­to, o cam­po de ne­go­cia­ção é mais res­tri­to. No fa­mi­liar, há mais es­pa­ço pa­ra fa­lar, uma aber­tu­ra maior, e, quan­do is­so não é bem co­lo­ca­do, de for­ma ma­du­ra, ge­ra bri­gas”, ex­pli­ca.


Por­tan­to, ele re­co­men­da mui­to cui­da­do ao con­ver­sar so­bre os pro­ble­mas e ao se quei­xar do com­por­ta­men­to do ou­tro. “O pon­to não é fa­lar, é co­mo fa­lar. O de­sa­fio de to­da co­mu­ni­ca­ção é co­mo é co­lo­ca­do o con­teú­do. Não dá pra co­lo­car nem 100% de emo­ção nem 100% de ra­zão. Com emo­ção de­mais, vem a rai­va, o ódio, a ira, e a pes­soa nem re­ce­be o con­teú­do. Ima­gi­na que aqui­lo não é real, é só rai­va”, ex­pli­ca.


Luan orien­ta cui­dar, an­tes, da­que­la emo­ção e, só de­pois, con­ver­sar. Além dis­so, re­co­men­da sem­pre fa­lar na pri­mei­ra pes­soa, con­tan­do o que sen­tiu, o que pen­sou, em vez de fi­car usan­do o “vo­cê” em tom de acu­sa­ção. “Em vez de di­zer vo­cê foi ar­ro­gan­te, mal-edu­ca­do, é me­lhor di­zer: eu não sei se foi sua in­ten­ção, mas me sen­ti agre­di­do, ofen­di­do. As­sim, vo­cê não fa­la so­bre o ou­tro, fa­la so­bre vo­cê mes­mo”, exem­pli­fi­ca.

* No­me fic­tí­cio pa­ra pre­ser­var a in­ti­mi­da­de do ca­sal

 
Divórcio on-line

Em junho do ano passado, um cartório do DF foi o primeiro a lavrar um divórcio inteiramente por meio da internet. Em março do ano passado, um provimento do Conselho Nacional de Justiça dispôs sobre o divórcio on-line. “Para isso, o processo precisa ser consensual e não pode ter filhos menores de 18 anos. Com um certificado digital, as partes recebem o link e participam, com o tabelião, de uma audiência virtual, na qual ele pega o consentimento de ambos. Mesmo assim precisa de advogado”, explica a advogada Amanda Caroline da Silva.


Ca­so de po­lí­cia

Que os con­fli­tos den­tro de ca­sa au­men­ta­ram é qua­se um con­sen­so, se­ja en­tre pais e fi­lhos, se­ja en­tre ir­mãos ou ca­sais. É, no en­tan­to, im­por­tan­te aler­tar que al­guns ca­sos não são sim­ples bri­gas en­tre pes­soas com mui­ta in­ti­mi­da­de e que es­tão for­ça­da­men­te con­vi­ven­do por mui­to tem­po, mas, sim, ques­tões gra­ves de vio­lên­cia.


De acor­do com da­dos di­vul­ga­dos pe­lo Mi­nis­té­rio da Mu­lher, da Fa­mí­lia e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, em abril de 2020, pri­mei­ro mês da qua­ren­te­na, as de­nún­cias de vio­lên­cia con­tra a mu­lher re­ce­bi­das pe­lo nú­me­ro 180 au­men­ta­ram qua­se 40% em re­la­ção ao mes­mo pe­río­do an­te­rior. Le­van­ta­men­to do Fó­rum Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca (FBSP) mos­tra que os ca­sos de fe­mi­ni­cí­dio ti­ve­ram al­ta de 22% du­ran­te a qua­ren­te­na.


Se­gun­do Sa­mi­ra Bue­no, di­re­to­ra-exe­cu­ti­va do FBSP, a pan­de­mia acen­tuou a vio­lên­cia do­més­ti­ca, na me­di­da que ex­pôs as mu­lhe­res que vi­viam em vul­ne­ra­bi­li­da­de. Elas pas­sa­ram a fi­car ain­da mais tem­po com seus agres­so­res, se­ja por co­me­ça­rem a tra­ba­lhar re­mo­ta­men­te, se­ja por te­rem per­di­do seus em­pre­gos.

Confinamento em casal

A jornalista e apresentadora Fernanda Gentil é casada com a também jornalista Priscila Montandon e, quando a pandemia começou, o casal lançou uma série de vídeos chamada Confinamento em casal. Neles, elas contam sobre a experiência de passarem 24 horas por dia juntas, trabalhando, cuidando da casa, se entretendo. Publicados toda terça-feira, chegaram a brincar que o título poderia ser “treta-feira”.


As duas tiveram conflitos que foram resolvendo aos poucos. Um deles dizia respeito ao “parcelamento da louça”, técnica usada por Fernanda e detestada por Priscila. “Se eu pego uma louça para lavar, eu vou lavar até o último pontinho da bancada. Eu gosto? Não. Mas faço. Já a Fernanda vai lavando em prestação”, comenta Priscila. Fernanda não limpa a pia, não bate o ralo.


Apesar dessas pequenas desavenças, Fernanda se orgulha, pois acredita que as duas estão valorizando mais o diálogo. “É conversar. Não tem jeito. Pode achar brega, clichê, chato, mas é muito importante. A gente só conseguiu uma harmonia de como seria a vida trancada em casa 24 horas por dia […], só chegamos no meio termo, no equilíbrio, conversando. Se formos brigar por cada ralo não batido, cada xixi do Romeu, não vai rolar”, sugere Fernanda.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE