bichos

Saiba quais pássaros podem ser criados em casa e os cuidados necessários

Donos de aves falam dos benefícios de ter esse animalzinho de estimação

Amanda Silva*
postado em 21/02/2021 11:00
 (crédito: Arquivo Pessoal)
(crédito: Arquivo Pessoal)

Os pás­sa­ros atraem por sua be­le­za, pe­las can­to­rias e por to­do o ca­ri­nho que gos­tam de re­ce­ber. Mas é im­por­tan­te co­nhe­cer as es­pé­cies que po­dem ser cria­das em ca­sa, os cui­da­dos que pre­ci­sam ser to­ma­dos dia­ria­men­te e, prin­ci­pal­men­te, os be­ne­fí­cios que o pet po­de tra­zer pa­ra a sua vi­da. Ra­quel Sa­bai­ni, coor­de­na­do­ra de ges­tão, des­ti­na­ção e ma­ne­jo da bio­di­ver­si­da­de do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro do Meio Am­bien­te e dos Re­cur­sos Na­tu­rais Re­no­vá­veis (Iba­ma), ex­pli­ca que é ne­ces­sá­rio dis­tin­guir es­pé­cies na­ti­vas das exó­ti­cas.


As do pri­mei­ro gru­po não po­dem ser cria­das e de­vem per­ma­ne­cer sol­tas na na­tu­re­za, co­mo as aves ca­no­ras, os pa­pa­gaios e as ara­ras. “A ex­ce­ção são os pás­sa­ros pro­ve­nien­tes de cria­dou­ros au­to­ri­za­dos pe­los ór­gãos es­ta­duais/dis­tri­tais de meio am­bien­te — pois nas­ce­ram em ca­ti­vei­ro e não são re­ti­ra­dos da na­tu­re­za”, ex­pli­ca a coor­de­na­do­ra.


Já as aves exó­ti­cas são pás­sa­ros não na­tu­rais do Bra­sil. Por is­so, exis­te uma cria­ção con­tro­la­da e é ne­ces­sá­ria a au­to­ri­za­ção do ór­gão am­bien­tal, a exem­plo da ca­ca­tua. Já o ca­ná­rio-bel­ga, o pe­ri­qui­to aus­tra­lia­no, a ca­lop­si­ta, a ga­li­nha e a co­dor­na são isen­tos de con­tro­le e po­dem ser cria­dos li­vre­men­te de for­ma do­més­ti­ca. Mas, cla­ro, com to­dos os cui­da­dos.


A coor­de­na­do­ra ex­pli­ca que al­gu­mas aves não se adap­tam ao ca­ti­vei­ro do­més­ti­co e exi­gem re­cin­tos e am­bien­tes que não con­di­zem com re­si­dên­cias. “Exis­tem ani­mais que vi­vem em ban­dos e ne­ces­si­tam do con­ví­vio de in­di­ví­duos da mes­ma es­pé­cie. Ou­tros po­dem de­sen­vol­ver doen­ças e vir a óbi­to de­vi­do ao ma­ne­jo in­cor­re­to e lo­cal ina­de­qua­do.”

Cui­da­dos ao ad­qui­rir uma ave

O pri­mei­ro pas­so no mo­men­to em que se de­ci­de criar uma ave é ter cer­te­za de que o ani­mal não é tra­fi­ca­do. A coor­de­na­do­ra ex­pli­ca que, quan­do o ani­mal é de cria­do­res ile­gais, ten­dem a ser mais man­sas. “Mui­tas es­tão acos­tu­ma­das com se­res hu­ma­nos des­de que nas­cem. Des­con­fie de aves que não são mui­to aris­cas — al­guns tra­fi­can­tes cos­tu­mam fu­rar os olhos de­las pa­ra fi­ca­rem man­sas — e sem­pre exi­ja o cer­ti­fi­ca­do de ori­gem e a no­ta fis­cal”, re­co­men­da Ra­quel.


A coor­de­na­do­ra res­sal­ta ou­tros pon­tos im­por­tan­tes que de­vem ser ob­ser­va­dos na ho­ra de ad­qui­rir um pás­sa­ro: “Bus­que in­for­ma­ções so­bre o cria­dou­ro jun­to ao ór­gão es­ta­dual/dis­tri­tal de meio am­bien­te, ob­ser­ve se a ani­lha (pe­que­no anel no me­ta­tar­so do ani­mal) es­tá fe­cha­da e não tem de­for­mi­da­des, e se os da­dos que cons­tam ne­la con­fe­rem com o que es­tá des­cri­to no cer­ti­fi­ca­do de ori­gem”.


Ma­ria­na Pes­te­lli, mé­di­ca ve­te­ri­ná­ria for­ma­da pe­la Uni­ver­si­da­de Es­ta­dual Pau­lis­ta (Unesp) e fun­cio­ná­ria da Petz, con­ta que, co­mo a fau­na bra­si­lei­ra é mui­to ri­ca, exis­tem al­gu­mas aves sil­ves­tres que po­dem ser cria­das co­mo pets — mas só se fo­rem pro­ce­den­tes de cria­dou­ros le­ga­li­za­dos. Pa­ra ou­tros pás­sa­ros, real­men­te não há es­sa pos­si­bi­li­da­de. “O con­se­lho mais im­por­tan­te em re­la­ção a es­ta in­for­ma­ção é que não de­ve­mos pe­gar uma ave da na­tu­re­za e co­lo­cá-la em uma gaio­la, in­de­pen­den­te­men­te da es­pé­cie em ques­tão.”


A coor­de­na­do­ra do Iba­ma acres­cen­ta que, pa­ra ter um ani­mal sil­ves­tre, é ne­ces­sá­rio que ele te­nha ori­gem le­gal. “No ca­so de pas­se­ri­for­mes (aves ca­no­ras e ou­tras da mes­ma fa­mí­lia), tam­bém é pos­sí­vel se ca­das­trar co­mo cria­dor ama­do­ris­ta e ad­qui­rir ani­mais de ou­tros cria­dou­ros. O re­gis­tro é fei­to jun­to aos ór­gãos es­ta­duais ou dis­tri­tal de meio am­bien­te”, es­cla­re­ce Ra­quel.


Além des­ses cui­da­dos, pes­qui­se so­bre a es­pé­cie que vo­cê tem in­te­res­se, ana­li­se os há­bi­tos do ani­mal e ve­ja se vo­cê tem con­di­ções de man­ter o que o ele ne­ces­si­ta. “Por exem­plo, um pa­pa­gaio é ba­ru­lhen­to, faz su­jei­ra. Vo­cê e sua fa­mí­lia es­tão dis­pos­tos? Seu con­do­mí­nio per­mi­te? Uma ara­ra ocu­pa es­pa­ço, não tem co­mo ter em um apar­ta­men­to, é ne­ces­sá­rio ter uma ca­sa. E, sim, o ani­mal faz ba­ru­lho o dia in­tei­ro. O que seus vi­zi­nhos vão achar?”, in­da­ga a coor­de­na­do­ra do Iba­ma.


Fei­ta es­sa aná­li­se, é ho­ra de bus­car um ani­mal que te­nha ori­gem le­gal. Pro­cu­re o ór­gão am­bien­tal es­ta­dual/dis­tri­tal, pe­ça o cer­ti­fi­ca­do de ori­gem e so­li­ci­te ao ven­de­dor as in­for­ma­ções quan­to ao ma­ne­jo ali­men­tar e hi­gie­ne do ani­mal. “Ad­qui­ra a gaio­la e, no ca­so de psi­ta­cí­deos, al­guns brin­que­dos. Lem­bre-se que al­gu­mas aves vi­vem mui­tos anos”, diz Ra­quel.
Cui­da­dos re­co­men­da­dos

A mé­di­ca ve­te­ri­ná­ria diz que os pás­sa­ros de vi­da li­vre se ali­men­tam do que o ha­bi­tat ofe­re­ce. “Po­rém, pa­ra aves pets, em nos­sas ca­sas, já exis­tem ra­ções ex­tru­sa­das de boa qua­li­da­de, que são a me­lhor op­ção pa­ra uma ave que não voa o tem­po to­do e que vi­ve na for­ma do­mes­ti­ca­da”, ex­pli­ca Ma­ria­na.


Ra­quel con­ta que ca­da es­pé­cie tem uma die­ta es­pe­cí­fi­ca e de­ve ser va­ria­da, de­ven­do o res­pon­sá­vel pe­lo ani­mal pro­cu­rar se in­for­mar so­bre o car­dá­pio que de­ve ofe­re­cer ao ani­mal. “Ali­men­tos pro­ces­sa­dos, co­mo bis­coi­tos, ma­car­rão, pão, cho­co­la­te, ca­fé e lei­te, nun­ca de­vem ser da­dos aos ani­mais. E sem­pre de­ve ser ofer­ta­da água ao ani­mal”, acon­se­lha a coor­de­na­do­ra.


Os pás­sa­ros de­vem ter um es­pa­ço só de­les. Ma­ria­na acon­se­lha que, quan­to maior a gaio­la, me­lhor pa­ra o ani­mal. “Va­le aten­tar pa­ra a qua­li­da­de das gaio­las e o es­pa­ça­men­to das gra­des. Exis­tem as com ma­lha fi­na (pa­ra aves me­no­res) e com ma­lha gros­sa (aves maio­res).”


Ela ex­pli­ca tam­bém que al­gu­mas es­pé­cies de psi­ta­cí­deos (aves de bi­co tor­to) são man­si­nhas e po­dem fi­car pe­río­dos fo­ra da gaio­la, po­rém sem­pre com su­per­vi­são de al­guém, pa­ra evi­tar aci­den­tes. E pa­ra quem mo­ra em apar­ta­men­to, co­lo­car re­des nas ja­ne­las é a re­co­men­da­ção mais se­gu­ra.


Ma­ria­na re­co­men­da fi­car aten­to ao ani­mal e não ne­gli­gen­ciar cui­da­dos bá­si­cos, co­mo qual­quer ou­tro pet de es­ti­ma­ção. “Não es­que­ça de ofer­tar ali­men­ta­ção es­pe­cí­fi­ca, água fil­tra­da e fa­zer lim­pe­za das gaio­las. Aten­ção, in­te­ra­ção e ba­nhos de sol tam­bém são re­co­men­da­dos.”


As aves apre­sen­tam com­por­ta­men­to mais “man­so” ca­so te­nham in­te­ra­ção com hu­ma­nos des­de fi­lho­tes. “Di­fi­cil­men­te con­se­gui­mos is­so com pás­sa­ros já adul­tos ou que não fo­ram cria­dos ‘na mão’ des­de fi­lho­tes”, ex­pli­ca Ma­ria­na.

Pai­xão pe­las aves

A fa­mí­lia de Lui­za Dan­tas, 20 anos, es­tu­dan­te de co­mu­ni­ca­ção or­ga­ni­za­cio­nal, de­ci­diu ado­tar uma ca­lop­si­ta du­ran­te o iso­la­men­to so­cial. Co­mo mo­ra em apar­ta­men­to, não tem mui­to es­pa­ço pa­ra cães e par­te dos pa­ren­tes é alér­gi­ca a ga­tos, a ave foi a me­lhor es­co­lha. A jo­vem ga­ran­te que há, sim, tro­ca de ca­ri­nho e de in­te­ra­ção. “O que mais gos­to de fa­zer com o Thor é ca­ri­nho na bo­che­cha. Ele fi­ca pian­do bai­xi­nho, pe­din­do mais.”


Mas nem sem­pre foi fá­cil. Lui­za lem­bra que o pro­ces­so de adap­ta­ção é di­fí­cil, por­que ter um pás­sa­ro é si­nô­ni­mo de pa­ciên­cia. “Es­tá­va­mos lou­cos pa­ra ele vir pa­ra ci­ma da gen­te, an­dar pe­la ca­sa, fi­car can­tan­do e in­te­ra­gin­do, mas is­so re­quer tem­po e se­gu­ran­ça”, re­la­ta. “É um pas­so de ca­da vez. É o jei­ti­nho da ave e é pre­ci­so apren­der a res­pei­tar e con­vi­ver.”


Thor se ali­men­ta com um mix de se­men­te e to­ma vi­ta­mi­na na água. “Ele é bem se­le­ti­vo e dei­xa de co­mer vá­rias se­men­tes — ele não co­me a de gi­ras­sol, al­go mui­to ra­ro em ca­lop­si­tas. É le­gal dar ou­tras fru­tas e ver­du­ras que são be­né­fi­cas pa­ra a ave, mas re­quer bas­tan­te pa­ciên­cia e ro­ti­na pa­ra in­tro­du­zi-las na ali­men­ta­ção”, de­ta­lha Lui­za.


É pre­ci­so fi­car aten­to tam­bém às asas e às unhas. “Até ho­je, nós o le­va­mos uma vez por mês na pet shop pa­ra cor­tar as unhas e as asas. No ca­so das unhas, elas nos ma­chu­cam e po­dem atra­pa­lhá-los. Op­ta­mos pe­lo cor­te das asas por­que mo­ra­mos em apar­ta­men­to com mó­veis e ja­ne­la, aca­ba sen­do uma ques­tão de se­gu­ran­ça.”

O cui­da­do e a pre­ser­va­ção

Mar­lon Oli­vei­ra, pro­prie­tá­rio de um ca­na­ril com per­mis­são da Fe­de­ra­ção Or­ni­to­ló­gi­ca do Bra­sil (FOB), co­me­çou a criar ca­ná­rios de­pois de pro­cu­rar cria­do­res que pu­des­sem ofe­re­cer aves em boas con­di­ções e in­for­ma­ções im­por­tan­tes so­bre ma­ne­jo e cui­da­dos. “A par­tir de en­tão, pas­sei a cui­dar com amor e de­di­ca­ção até che­ga­rem à fa­se adul­ta. E te­nho des­fru­ta­do de um óti­mo re­tor­no na épo­ca de re­pro­du­ção.”


Ele re­co­men­da que, an­tes da com­pra, ana­li­se com cui­da­do a es­pé­cie. “Es­tu­de o ti­po de ave que lhe in­te­res­sa, ad­qui­ra os ani­mais no­vos de cria­do­res que real­men­te ga­ran­tam qua­li­da­de de vi­da. De­pois de ter o pás­sa­ro, de­di­que tem­po, amor e pa­ciên­cia, por­que ele de­pen­de so­men­te de nós. Mas tal es­for­ço é gra­ti­fi­can­te.”

* Es­ta­giá­ria sob a su­per­vi­são de Si­be­le Ne­gro­mon­te

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE