Encontro com o Chef

Amor e saúde: os ingredientes principais da chef paranaense Karin Schneider

De uma família de cozinheiros, paranaense larga a carreira de professora de educação física para se dedicar às panelas e ao estudo das sementes funcionais

Sibele Negromonte
postado em 04/04/2021 09:08 / atualizado em 04/04/2021 09:08
 (crédito: Arquivo Pessoal)
(crédito: Arquivo Pessoal)

Karin Schneider costuma dizer que a gastronomia está no seu DNA. Filha de cozinheira, ela e os irmãos, literalmente, cresceram dentro de uma cozinha, já que a mãe foi dona de diversos restaurantes em sua cidade natal, União da Vitória, no Paraná. “Aos 8 anos de idade, eu abria as massinhas de capelete que minha mãe recheava”, lembra. Karin e a irmã seguiram os passos da matriarca e, hoje, também têm os próprios restaurantes. Mas nem sempre foi assim.

A paranaense chegou a seguir uma bem-sucedida carreira como professora de educação física — faculdade que cursou após concluir o ensino médio. Atuou na área por mais de 15 anos, porém não estava feliz. “Eu via minha mãe trabalhando muito, então decidi seguir outra profissão. Mas Deus me deu o dom de saber cozinhar, eu me sinto feliz na cozinha, é isso que me motiva”, resume.

Em 2011, depois de fazer um curso no Sebrae, decidiu, com o apoio do marido, Victor de Oliveira Lima, seguir seu sonho. “O importante é fazer o que a gente ama.” Assim, em outubro daquele ano, o casal abriu, no Sudoeste, as portas do Venite, um self service com uma proposta gourmet. “Não queríamos ser mais um self service. Queríamos oferecer, sim, comida caseira bem-feita, com gosto de casa de vó, mas, também, queríamos oferecer algo diferenciado, mais gourmet”, pontua.

De início, Karin decidiu não assumir a cozinha. Um tio ficou como chef responsável da casa, mas ela estava sempre presente. Com a morte do parente, quatro anos depois, viu que estava pronta para comandar a equipe de cozinheiros. E assim tem sido desde então: ela cria as delícias culinárias e o marido cuida da parte administrativa do restaurante.

Sementes funcionais


Curiosa, Karin sempre esteve antenada com tudo o que envolve a gastronomia. “Há pouco mais de dois anos, vi uma reportagem sobre sementes funcionais. Achei interessante e fui estudar mais sobre o assunto e descobri um novo mundo”, conta. Ela viu como era possível, além de amor e sabor, levar saúde para os clientes.

Foi aí que a chef descobriu, também, o universo vegano. “Vi que era uma tendência, que as pessoas estavam buscando uma alimentação mais saudável. Fui para São Paulo fazer cursos que me ajudassem a criar pratos que suprissem a necessidade diária de proteína do vegano. Descobri que é preciso buscar o equilíbrio entre os alimentos verdes e as sementes funcionais.”

Nessa época, Karin criou o seu primeiro prato vegano, uma torta de quinoa, rica em ômega 3, com castanha-do-pará e raspas de limão siciliano. Em pouco tempo, ela já tinha uma área no restaurante só voltada para o veganismo. E surgiram novos pratos que passaram a fazer muito sucesso entre os clientes, inclusive os não veganos, como o hambúrguer à base de shitake, shimeji e grão-de-bico, o arroz integral com chia e linhaça e o famoso molho saudável, cujos ingredientes ela guarda em segredo.

Karin garante que, além de saudáveis, os pratos são deliciosos. “Percebi que muitos veganos sentiam falta de encontrar comidas com sabor. Apesar de não ser um restaurante exclusivamente vegano, hoje, recebo gente de todo o DF para comer o meu cardápio vegano. O principal objetivo do Venite é colocar no organismo dos clientes algo que lhe dê saúde. Sobretudo, neste período de pandemia, em que precisamos estar com nosso sistema imunológico forte.”

E ela procura fazer isso, inclusive, nos pratos que não são veganos. “Uso apenas produtos frescos, de bons fornecedores. Faço questão de ir pessoalmente à Ceasa fazer a feira.” Além da estação vegana, o Venite mantém uma tradicional, uma vegetariana e outra fit saudável. Tanto ecletismo foi o diferencial da casa durante a pandemia, quando Karin precisou se reinventar. “Nós não trabalhávamos com delivery, mas tivemos que entrar nesse mundo, e tem dado muito certo.”

Além das refeições diárias, a casa oferece um cardápio variado, que vai desde a famosa feijoada às sextas e aos sábados, até a cueca virada, que remete à infância, o doce de leite — receita da avó da chef — e as rabanadas. “No dia 24 de dezembro, eu preparei 1.471 rabanadas”, orgulha-se. Os caldos, as massas frescas, as quiches e os pratos tradicionais, como galinhada, polpetone, fígado acebolado, filé à parmegiana, língua bovina, entre tantos outros, também têm seus dias específicos no cardápio. “Mas há pratos que preciso fazer todo dia, como a farofa de bacon, se não o cliente briga”, diverte-se.

Para o futuro, Karin planeja estudar nutrição para se aprofundar, ainda mais, neste universo da alimentação saudável e, principalmente, continuar a fazer o que mais ama: cozinhar. “O meu lema é levar até os clientes tempero com amor.”


Kafta de lentilha e castanha-do-pará

 Prato de Kafta de lentilha e castanha-do-pará do Restaurante Venite
Prato de Kafta de lentilha e castanha-do-pará do Restaurante Venite (foto: Arquivo Pessoal)

Ingredientes
* 500g de lentilhas cozinhadas al dente
* 300g de mandioca cozida
* 100g de castanhas-do-pará trituradas
* 2 colheres de sopa de tomates secos picados
* 1 colher de chá de páprica defumada
* 1 colher de sopa de sementes de gergelim
* 1 colher de sopa de linhaça dourada
* 2 dentes de alho frescos picados
* 2 colheres de sopa de óleo de gergelim
* 3 colheres de sopa de hortelã fresca picada
* Folhas de manjericão fresco a gosto
* 1 pitada de pimenta-branca moída
* 1 colher de chá de orégano
* Sal a gosto com moderação

Modo de fazer
Bata no triturador de alimentos a lentilha e a mandioca. Transfira a massa para uma vasilha, acrescente o restante dos ingredientes e mexa até ficar uma base dura. Modele em formato de uma kafta, apertando bem a massa com as mãos. Unte uma frigideira com óleo de gergelim e, em fogo baixo, vá dourando as kaftas até ficarem crocantes por fora.


Serviço


Instagram: @venite_gourmet e @karinschneider79
Telefone: (61) 4103-3299

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE