Saúde

Por uma boa audição: as consequência do tímpano perfurado

Condição que afeta, em média, 150 mil pessoas por ano no Brasil, o perfuramento da membrana que protege o ouvido causa desconforto e até consequências mais graves

Amanda Silva*
postado em 02/05/2021 08:00
 (crédito: Valdo Virgo/CB/D.A.Press)
(crédito: Valdo Virgo/CB/D.A.Press)

O tímpano é uma membrana formada por três camadas que separam, anatomicamente, a orelha interna, a média e a externa. A orelha média protege a interna de possíveis agressões no ambiente externo. Não raramente, pode acontecer de as três camadas sofrerem uma perfuração. É o chamado tímpano perfurado.

Larissa Vilela, otorrinolaringologista do Hospital Anchieta, explica que as principais causas são infecções de repetição, como as otites, e perfuração por trauma. “Por exemplo, o uso de cotonete ou de qualquer outro objeto no ouvido pode perfurar o tímpano, porque é uma membrana com cerca de um milímetro”, conta.

O otorrinolaringologista Lucas Moura Viana, professor da Uniceplac, explica que as otites são as principais causas de perfuração da membrana timpânica. “Podem ser desde as infecções médias, agudas, simples ou recorrentes. Elas podem evoluir até para uma otite média crônica”, detalha o professor.

Os principais sintomas da perfuração, destacados por Lucas, são dor de ouvido, otorreia (secreção com pus), otorragia (saída de sangue) e, principalmente, a sensação de ouvido tampado. “A pessoa fica com essa sensação de diminuição da audição, de surdez”, relata o médico.

Em casos raros, ele conta que a perfuração do tímpano pode ter ligação com tumores benignos, como o colesteatoma. Essa condição afeta o ouvido médio e pode levar à perda parcial ou total da audição. É caracterizada pelo acúmulo de camadas de pele por trás do tímpano.

Os casos mais comuns de perfuração do tímpano acontecem em crianças. Lucas explica que elas são mais suscetíveis a apresentar otites médias ou agudas de repetição. “Se, depois de um tempo, houver um outro episódio de otite, pode perfurar novamente. Lembrando que nem toda otite evolui como perfuração de membrana timpânica.”

Como evitar possíveis perfurações

Em primeiro lugar, a otorrinolaringologista Larissa Vilela destaca que o mais importante é tratar as otites adequadamente e de forma precoce. No primeiro sinal de dor, de secreção, procure um otorrino.

O segundo ponto é não colocar objetos no ouvido, principalmente cotonetes. “Eu já perdi as contas de quantos pacientes adultos já vieram até mim por causa de trauma com cotonete”, diz a médica.

A terceira dica de Larissa é para um público mais específico: os mergulhadores. “Se eles não tiverem um treinamento adequado, é muito comum acontecer o barotrauma”, explica.

Por fim, o quarto ponto é evitar viagens de avião quando estiver com inflamações respiratórias, por exemplo, quando o nariz estiver muito congestionado, ou com alguma otite ou inflamação no ouvido.

Meu tímpano está perfurado, o que não devo fazer?

De acordo com o otorrinolaringologista Lucas Moura Viana, quando a pessoa apresenta a perfuração na membrana timpânica, ela não pode, de forma alguma, deixar cair água dentro do ouvido. “A gente orienta que, toda vez que for tomar banho, use um chumaço de algodão embebido em vaselina ou qualquer óleo que não deixe o algodão encharcar com água e penetrar no ouvido”, explica.

Quando entra água no ouvido, é possível evoluir para outro episódio de otite e dificultar o fechamento da membrana timpânica. “Também evite ambientes muito barulhentos porque, com a perde da proteção da membrana timpânica, pode haver um tipo de perda auditiva que é causado por agressão direta às estruturas da orelha interna.”

Causas

Traumas por objetos colocados dentro do ouvido como cotonete, tampas de caneta e clipes para “coçar” a região

Trauma por queda, acidentes automobilísticos e por barotrauma (lesão causada pela má equalização da pressão)

Otites de repetição

Sintomas

Dor intensa

Sensação de “ouvido tampado”

Zumbido

Chiados

Secreção de pus ou de sangue

Faixa etária

As crianças são mais propensas a ter o tímpano perfurado por otites recorrentes. Já os adultos, por trauma.

Tratamentos

O tratamento é realizado de acordo com a causa da perfuração. Se for otite, é necessário tratá-la. Por isso, é comum que seja recomendado pelo médico especialista o uso de antibióticos.

Dentro de três meses, após o tratamento das infecções no ouvido, ele já estará totalmente recuperado.

Caso o tímpano não se recupere, é necessário passar por cirurgia.

Em alguns casos, com a recomendação do otorrinolaringologista, é indicado pingar gotas no ouvido

Palavra do especialista

A perfuração do tímpano pode levar à surdez?

É considerada surdez qualquer perda de audição — desde perdas leves até totais. Por isso, é provável que a pessoa que sofreu perfuração do tímpano tenha algum grau de surdez. Mas, no geral, uma perfuração do tímpano não leva a uma perda total da audição.

A pressão no ouvido ao andar de avião pode afetar o tímpano?

Aquela pressãozinha é sinal que não houve uma equalização adequada da pressão no ouvido. Se o ouvido já estiver inflamado, ou com alguma infecção, ele não vai conseguir fazer a equalização da pressão e pode até perfurar o tímpano durante o voo. Por isso, é recomendado que quando o paciente estiver com alguma inflamação no ouvido não ande de avião. São casos raros, mas pode acontecer.

Existe a possibilidade de uma pessoa perfurar o tímpano mais de uma vez?

Sim. É muito comum ver isso, principalmente com quem tem muitas infecções no ouvido. O que ocorre é que, muitas vezes, acontece uma infecção muito séria e o tímpano é perfurado para ajudar na drenagem da secreção que fica lá dentro do ouvido. A pessoa se recupera da infecção e o tímpano também se recupera e fecha sozinho. Depois, em uma outra infecção, aquele localzinho onde teve a perfuração central fica vulnerável a sofrer uma nova perfuração, porque a membrana está mais fininha. Isso deixa o ouvido mais predisposto a perfurar novamente naquele mesmo lugar.

Larissa Vilela é otorrinolaringologista do Hospital Anchieta

*Estagiária sob a supervisão de Sibele Negromonte

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE