Comportamento

Quem ama acolhe! O difícil processo de assumir a homossexualidade

No mês em que é celebrado o orgulho LGBTQIA+, especialistas falam das dificuldades que ainda envolvem o processo de os filhos assumirem a própria sexualidade para os pais. Mas é possível superá-las

Bruna Yamaguti*
postado em 13/06/2021 08:00
 (crédito: Zuleika de Souza/CB)
(crédito: Zuleika de Souza/CB)

Desde que o mundo é mundo, pais criam expectativas sobre os filhos. Basta observar os preparativos para o nascimento de um bebê. No enxoval, vestidinhos e bonecas, se for menina; carros e bonés, se for menino. A questão é que a vida e a individualidade dos filhos são muito mais amplas e complexas do que roupinhas rosa ou azul. A maioria dos pais, porém, não se sentem prontos para terem essa conversa. É aí que as relações podem se complicar.

Quando um filho ou filha demonstra não ter uma orientação heterossexual, em algumas famílias, conflitos começam a surgir. Muitos pais e mães querem ajudar, mas, na maioria das vezes, não sabem como. Outros, por terem suas expectativas frustradas, não aceitam e podem desencadear sucessivos problemas de autoestima e insegurança nos filhos. “A melhor forma de agir é sempre escutar e acolher. É muito importante que o adolescente se sinta ouvido e respeitado em suas questões e descobertas”, recomenda a psicóloga Stephanie Gutierres.

“Na nossa sociedade existe o que chamamos de sistema heteronormativo, ou seja, o padrão considerado ‘normal’ ou ‘esperado’ é o de orientação sexual hétero. É interessante pontuar que esse padrão é imposto e reforçado ao longo dos anos, por meio de falas e condutas que colocam o que está fora do padrão como algo marginalizado ou malvisto. E isso é herança de um longo histórico de preconceito e homofobia”, explica a profissional.

Para a aposentada Roberta*, receber da filha a notícia de que ela era homossexual não causou espanto, mas o processo até a revelação foi longo e complicado. Ela conta que já desconfiava da orientação sexual de Gabriela*, porém, não tomava a iniciativa de perguntar, e a jovem não se abria. “Desde a adolescência, percebia alguns comportamentos que demonstravam que ela era homoafetiva, mas como era uma menina muito rebelde, muito geniosa, achava que aquilo era para me atacar. Pensava que era rebeldia de adolescente ou que, talvez, fossem as companhias”, lembra a mãe.

“É engraçado como são as coisas, eu fui criada desde que nasci na igreja evangélica, tenho meus princípios evangélicos, mas, naquele momento, o que me machucava não era o fato de ela ser homoafetiva, e sim a forma agressiva como ela trouxe isso para mim”, conta. Gabriela diz que suas impressões sobre o que os outros achariam sobre sua orientação sexual, no final das contas, estavam erradas: “Achava que as pessoas me tratariam diferente, mas isso não aconteceu”.

Com o tempo, à medida que Gabriela crescia e amadurecia, Roberta também mudava a atitude em relação à filha, que não demonstrava mais comportamentos defensivos. Os atritos diminuíram e, quando a jovem se assumiu, foi acolhida com naturalidade. A tensão inicial causada pelo conflito de opiniões deu lugar a um novo sentimento: o medo de a filha sofrer algum tipo de preconceito.

“Tinha muito receio de ela ser discriminada, atacada, ficar sozinha e deprimida por conta disso. Mas, hoje, vejo que o meio dela a aceitou muito bem, porque a geração atual tem outra cabeça. Ela foi muito bem acolhida nos ciclos de amizade e, no emprego, é superbem sucedida”, alegra-se a mãe.

Escutar e entender

Uma das questões que podem ser vivenciadas no ambiente familiar, envolvendo pais e filhos homossexuais, é quando o pai e a mãe divergem em relação à aceitação do(a) filho(a). A psicóloga Thaís Christinne dos Santos Ventura, especialista em psicoterapia para população LGBTQIA+, explica que o fato de ter uma das figuras compreendendo e acolhendo já ajuda muito. Segundo ela, estudos apontam que quando um jovem LGBTQIA+ é acolhido por um adulto, o risco de suicídio cai em 40%. Ou seja, ter alguém que o ame e o aceite contribui muito para a sensação de bem-estar desta pessoa.

“A psicoterapia pode também ser um caminho para os pais entenderem seus filhos, e os filhos conseguirem lidar melhor com esse momento”, sugere a profissional. “Buscar o processo psicoterapêutico é um caminho importantíssimo, por ser um ambiente de escuta, autoconhecimento e reflexão. É possível entender os sentimentos que emergem diante da orientação ou identidade do filho, e melhor trabalhá-los”, ressalta.

A psicóloga também alerta para um erro comum de alguns pais, de acreditarem que há algum tipo de “reversão” para a homossexualidade, ou que tratam os filhos de forma ofensiva, na tentativa de “corrigi-los”. “Muitos estudos já foram feitos, e sabemos que não há ‘reversão’ ou ‘cura’ para a homossexualidade, pois não se trata de escolha ou opção. A agressividade denota a ideia de punição. E por qual motivo uma pessoa homossexual merece ser punida? Acredito que o conhecimento pode tirar as pessoas dessa zona obscura e agressiva”, pontua Thaís Christinne.

Liberdade para ser quem é

Rhanna Lima (de jaqueta) com os pais e o irmão: início difícil, mas, hoje, total apoio da família
Rhanna Lima (de jaqueta) com os pais e o irmão: início difícil, mas, hoje, total apoio da família (foto: Arquivo pessoal)

A estudante Rhanna Lima, 21 anos, assumiu-se para os pais aos 15, apesar de já ter certeza sobre a própria orientação sexual desde os 13. Ela conta que, no início, tudo foi muito difícil e conturbado. Com a mãe, ela teve mais liberdade para conversar, mas diz que ficou tão nervosa que não conseguiu se expressar direito. Já o pai a viu de mãos dadas com a namorada da época e fez uma reunião de família para perguntar para a filha sobre sua sexualidade. “Falei que era isso mesmo, mas eu estava muito nervosa e só conseguia chorar”, lembra.

A jovem desabafa que, no início, os pais erraram bastante na forma como a trataram e lidaram com a situação, mas que, aos poucos, eles foram entendendo, e a relação familiar melhorou muito. “Eu estava muito feliz individualmente, porque nunca tive problemas em me aceitar. Foi um processo de alívio e libertação, porque poder amar quem eu queria amar, sem precisar esconder isso dos meus pais, era uma coisa maravilhosa. Foi uma sensação muito boa poder ser quem realmente eu era, mas, ao mesmo tempo, percebia que eles estavam em muito conflito”, afirma Rhanna.

A estudante recorda que sentia que precisava trazer a segurança que eles não podiam lhe dar, e respondeu a isso sendo segura de quem é — o que deu aos pais um pouco mais de calma. “Eles só precisavam de tempo. Hoje, a gente tem uma relação muito boa, eles adoram a minha namorada e são amigos dos meus sogros”, diz.

A jovem ressalta ainda a importância do diálogo e do acolhimento das famílias com pessoas LGBTQIA+: “A gente precisa se sentir seguro nos lugares e nada melhor do que se sentir seguro dentro de casa. Eu acho que é isso que falta, os pais perceberem que, na verdade, você não tem que mudar seu filho para o mundo não machucá-lo, e sim dar segurança suficiente para ele poder enfrentar as coisas no mundo”.

*Nomes fictícios a pedido das entrevistadas

Como lidar com a orientação sexual

Para os pais
Estude: busque saber mais sobre o assunto por meio de leituras e filmes, por exemplo.
Dialogue: procure estar aberto para ouvir, entender e compreender.
Ame: o mundo fora de casa já é violento demais para pessoas LGBTQIA +. Faça com que, ao menos dentro de casa, elas possam ser amadas, acolhidas e protegidas por quem amam.

Para os filhos
É importante se fortalecer para enfrentar não apenas os empecilhos que podem surgir dentro da família, mas também fora dela.
Tenha uma rede de proteção segura com amigos, parentes, professores, pessoas nas quais confia e possa se abrir em momentos muito difíceis.
Esteja sempre seguro de si mesmo, de quem é e de seus valores. Procure não se perder em meio a sentimentos ruins.
Procure fazer psicoterapia e ter momentos de autocuidado. É fundamental passar por um processo de autoconhecimento e atenção emocional, principalmente por estar constantemente vivendo o “estresse de minorias”, ou seja, fatores estressantes específicos adicionados ao estresse cotidiano que toda população vive.

Fonte: psicóloga Thaís Christinne dos Santos Ventura

*Estagiária sob a supervisão de Sibele Negromonte

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE