Encontro com o Chef

Doces sem glúten nem lactose, mas cheios de sabor

Jornalista investe na confeitaria, cria receitas sem glúten, sem lactose e pouco açúcar e conquista público de celíacos, alérgicos e intolerantes

Sibele Negromonte
postado em 12/09/2021 08:00 / atualizado em 12/09/2021 16:44
 (crédito: Arquivo pessoal)
(crédito: Arquivo pessoal)

Quando descobriu, há seis anos, que tinha uma doença autoimune e que o consumo de lactose, açúcar e glúten piorava os sintomas da fibromialgia, Priscilla Klein ficou sem chão. Logo ela, que era doida por doces, estava condenada a abrir mão desse prazer. Mas a brasiliense logo tratou de dar um jeito. Foi para a cozinha e começou a fazer experimentos. “Eu pegava receitas tradicionais e substituía por ingredientes que podia comer.”

Além de fazer pesquisas na internet e em livros de gastronomia, Priscilla se inscreveu em alguns cursos, inclusive um sobre confeitaria sem glúten e sem lactose, com Isabella Akkari, famosa por trabalhar receitas low carb. “Há dois anos, fui a São Paulo e conheci a confeitaria dela. Vi que era possível preparar doces deliciosos, apesar das limitações, e tive a certeza que queria fazer produtos parecidos.” Ela passou a misturar referências e a fazer adaptações. Foram tantas tentativas, tantos erros e acertos, que, quando se deu conta, estava preparando ótimas sobremesas.

Formada em jornalismo, Priscilla trabalhava em uma assessoria de comunicação, mas andava em crise com a profissão. “Parece até clichê, mas, quando chegava a sexta-feira, eu era a pessoa mais feliz do mundo, e, no fim do domingo, já me batia a maior tristeza.” Veio a pandemia e a jornalista passou a se questionar mais ainda. “Eu não conseguia mais produzir, dar o meu melhor, mas faltava coragem de seguir outro caminho.”

O destino, porém, fez a sua parte. Em novembro de 2020, a empresa para a qual trabalhava encerrou o contrato com o ministério em que estava cedida e Priscilla acabou demitida. “Foi um dos dias mais felizes da minha vida, era o empurrãozinho que precisava para começar a empreender.”

E assim o fez. Comprou batedeira, forno profissional, formas e utensílios diversos e transformou uma sala comercial em um ateliê de confeitaria. O primeiro desafio veio logo nas festas de fim de ano. Priscilla adaptou uma receita de bolo de nozes, damascos e merengue de que gostava e o produziu sem leite e derivados. “Era uma torta bem natalina. E a a aprovação foi muito boa.”
Intolerantes e celíacos

De lá para cá, a confeiteira conquistou um público fiel. Ela ressalta a delicadeza de seus bolos e tortas, garante que não usa conservantes ou produtos químicos e, por isso, o prazo de validade deles é curto. Para driblar o que poderia ser um problema, Priscilla passou a comercializar unidades menores, com apenas 360g, o equivalente a três fatias, e, assim, evitar desperdício. “A minha maior preocupação é com a qualidade e a origem dos ingredientes.”

Ela garante que usa apenas ovos caipiras e leite vegetal orgânico, por exemplo. Em vez de farinha de trigo, a base dos bolos é feita com fécula de batata, de inhame, e farinhas de amêndoa, de coco ou arroz — às vezes, misturadas. “Procuro usar também frutas para dar mais umidade à massa.”

Já o leite animal é substituído pelo de amêndoas, de coco ou castanha-de-caju — tudo orgânico, faz questão de frisar. “Também trabalho com pouco açúcar e, quando uso, dou preferência ao de coco, o mascavo ou o demerara.” Com tamanho cuidado, Priscilla acabou atraindo, entre os clientes, muitos celíacos, alérgicos ou intolerantes à proteína do leite e pessoas preocupadas com um estilo de vida mais saudável.

A próxima etapa é investir em bolos veganos. “Hoje, quando me pedem, eu já uso manteiga vegana. Também tenho uma receita de brownie vegano, sem ovos. Mas a minha ideia é criar uma linha vegana.” Apesar de ter um cardápio fixo, que sempre tem procurado mexer, retirando ou acrescentando novos itens, nada impede que a confeiteira personalize alguns itens. Tudo ao gosto do cliente.

Hoje, entre os produtos que mais têm saída, Priscilla cita a torta brownie e a de nozes caramelizadas — uma adaptação daquela primeira, natalina. Recentemente, ela acrescentou ao cardápio o bolo de cenoura adoçado com eritritol. “Ente os adoçantes, acho que ele é o mais saudável.” A produção é sempre feita sob encomenda, via WhatsApp ou Instagram.

E, assim, a brasiliense vai fazendo experimentos, criando receitas e misturando sabores. E, hoje, pode dizer com certeza que é mais confeiteira do que jornalista.

Panqueca de banana

Receita de panqueca de banana de Priscilla Klein
Receita de panqueca de banana de Priscilla Klein (foto: Arquivo pessoal)

Ingredientes
1 banana-prata bem madura
2 ovos
1/2 colher de chá de extrato de baunilha
1 colher de sopa de farinha de coco
1 colher de sopa de farinha de aveia
1 colher de sopa de farinha de amêndoas
1 pitada de canela
1 pitada de sal
Óleo de coco para untar

Modo de fazer
Amasse a banana, junte os ovos e a baunilha e bata com um fouet.
Acrescente as farinhas, a canela e o sal.
Unte uma frigideira média com o óleo de coco.
Despeje a massa e, quando estiver firme, está pronta.

Serviço
WhatsApp: (61) 9 8170-1222
Instagram: @pk_cozinhaartesanal

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE