Fitness & nutrição

Noites maldormidas é um dos fatores que ajudam a engordar

O sono é essencial para o bom humor e a memória. Também é vital para manter o peso e os hormônios regulados

Carolina Marcusse*
postado em 03/10/2021 08:00
 (crédito: Maurenilson Freire/CB/D.A.Press)
(crédito: Maurenilson Freire/CB/D.A.Press)

Nos dias atuais, com a rotina acelerada e a presença intensa das luzes artificiais, dormir pouco tem sido cada vez mais normalizado. Segundo estimativa da Associação Brasileira de Sono (ABS), em média, o brasileiro dorme pouco mais de seis horas por dia, o que pode ser insuficiente para o descanso completo. Muitos são os impactos diretos na saúde das pessoas, entre eles, acreditem, o ganho de peso. Esse pode ser um dos reflexos de uma vida em desequilíbrio, que vai muito além de uma mera preocupação de estar dentro de padrões de beleza.

Dormir menos horas por noite pode levar a um aumento do apetite pelo simples fato de passar mais tempo ativo, além das horas habituais que a pessoa está acostumada. Esse hábito interfere no relógio biológico e causa consequências em vários sistemas do corpo e na fome. A nutricionista Mariana Mello explica que existe uma tendência de maior consumo calórico devido a essa privação de sono, afinal, é normal que, quanto mais tempo acordado, mais fome acabe sendo sentida ao longo do período.

Também há uma propensão a escolhas não saudáveis, como os fast foods e os salgadinhos ultraprocessados. A nutricionista explica que existem estudos que atestam que esse pouco descanso pode levar a uma preferência por produtos ricos em carboidratos e gorduras saturadas e a uma falta de interesse em alimentos como frutas, verduras e folhas, menos calóricos e gordurosos, mas essenciais para dietas balanceadas e saudáveis.

O sistema de recompensas do cérebro também é afetado pela limitação do sono, fazendo com que exista uma sensação ainda maior de prazer ao comer, compensando outras faltas. Esse consumo como escape pode ser um fator ainda mais perigoso para pessoas com histórico de compulsão alimentar e que apresentem quadros de ansiedade, depressão ou outros transtornos. Portanto, essa insônia deve ser avaliada e acompanhada de perto por profissionais, pois pode ser apenas um indício de outras questões.

Metabolismo e hormônios

A privação de sono pode causar, ainda, desregulação metabólica e hormonal, que é muito prejudicial para pessoas que estejam em um processo de perda de peso ou que desejam mantê-lo estável. A médica endocrinologista Daniela Gebrim, do Hospital Brasília, esclarece que os hormônios leptina e grelina, responsáveis por reduzir e aumentar o apetite, respectivamente, podem ficar desregulados nesse contexto de falta de descanso. Assim, acentuará a fome sem uma necessidade fisiológica real de ingestão alimentar.

A médica faz o alerta de que, além do ganho progressivo do peso, há o perigo do aumento da glicemia do sangue, já que é durante o sono que o corpo faz a regulação de glicose, responsável por níveis saudáveis, assim evitando doenças como a diabetes. Outros problemas associados são a fadiga, a sonolência e a redução da qualidade de vida, com risco aumentado de desordens motoras e mentais.

Particularidades e demandas

Para os atletas e pessoas que realizam atividades físicas com frequência, um repouso não reparador pode ocasionar diminuição da performance física, além dos desequilíbrios no metabolismo alertados pelas profissionais. Pode ser ainda mais desafiador para aqueles que praticam esportes que exigem pesagem específica para competir nas categorias, como ocorre nas modalidades de luta, como judô e jiu-jitsu.

Para crianças e adolescentes, o efeito do ganho de peso pode acontecer do mesmo modo, mas, durante o período de crescimento, o cuidado e a atenção devem ser redobrados. Durante a infância, há uma maior necessidade de sono do que na fase adulta, portanto os pequenos devem dormir mais cedo e por mais tempo, assim permitindo que cresçam com hábitos de vida saudáveis e tenham hormônios e metabolismo regulados.

De forma geral, para adultos, de sete a oito horas de sono por noite serão suficientes para não causar esse ganho extra de peso. Contudo, não existe apenas um meio para garantir bem-estar e saúde, e, sim, diversas estratégias associadas, que devem ser acompanhadas por profissionais adequados. São diversas as causas que podem levar o indivíduo a não ter noites de sono de qualidade ou horas suficientes. Para isso, deve haver uma assistência para elaborar estratégias e analisar de forma individualizada caso a caso.

Para manter a boa forma física e a saúde mental

Faça atividade física de forma frequente.
Reduza as horas utilizando telas.
Use filtros de luz azul em aparelhos eletrônicos.
Procure local escuro e silencioso para o repouso.

Efeitos possíveis das noites insones

Fadiga
Sonolência
Redução da cognição
Impulsividade
Maior risco de desordens motoras
Alterações emocionais
Aumento dos níveis de colesterol
Maior risco de obesidade
Redução da qualidade de vida
Apneia do sono

Fonte: Daniela Gebrim, médica endocrinologista do Hospital Brasília

*Estagiária sob a supervisão de Sibele Negromonte

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE