Saúde

Aumento da ansiedade durante a pandemia faz crescer casos de bruxismo

Doença diretamente ligada à ansiedade e ao estresse, o bruxismo pode ocasionar dores e até levar à quebra dos dentes. Saiba como identificar o problema e veja os tratamentos disponíveis

por Iara Pereira*
postado em 21/11/2021 08:00
 (crédito: Valdo Virgo/CB/D.A.Press)
(crédito: Valdo Virgo/CB/D.A.Press)

Nos últimos dois anos, os problemas de ansiedade, estresse e má qualidade do sono cresceram exponencialmente devido à pandemia de covid-19. E os especialistas indicam que essa sobrecarga emocional pode ter feito aumentar os casos de bruxismo, uma condição em que o paciente tende a ranger ou apertar os dentes.

O problema ocorre de forma inconsciente, geralmente durante o sono. Apesar de começar de maneira imperceptível, a condição pode se intensificar, causando dores de cabeça, nos ouvidos e em todo o rosto. Em casos mais graves, os dentes chegam a quebrar devido ao desgaste provocado pelo atrito.

Luis Eduardo Marques é odontólogo e comenta o aumento dos casos nos últimos dois anos. "O bruxismo já acomete 30% da população mundial. Mas, com o advento da pandemia, esse aumento da ansiedade e de todo um turbilhão de outras emoções, mais pessoas estão adquirindo essa disfunção", alerta.

O odontólogo afirma que, geralmente, os pacientes demoram a perceber a disfunção. "O mais comum é que as pessoas fiquem se automedicando, achando que é dor de cabeça simples, enxaqueca. Porém, se não tiverem um acompanhamento adequado, podem não descobrir que existe solução para o problema. Em alguns casos, o indivíduo tem um parceiro que escuta o barulho dos dentes rangendo e avisa."

Sintomas

Os sintomas mais comuns de bruxismo são dor facial, devido à força com que os músculos maxilares são pressionados, dor de cabeça, fadiga facial geral e dor na articulação temporomandibular, que fica próxima à orelha.

O odontólogo Luis Eduardo Marques ressalta que, apesar de não ter uma cura definitiva, é muito fácil identificar as causas do bruxismo. Por isso, é importante se manter atento aos sinais de depressão, estresse e ansiedade que podem gerar a disfunção.

Consequências

Além dos incômodo das dores, esse movimento contínuo de ranger e apertar os dentes pode causar desgaste do esmalte dentário, quebra dos dentes e próteses, sensibilidade, e afetar mobilidade dos dentes.

Devido à proximidade entre a articulação temporomandibular e a orelha, muitas pessoas que sofrem de bruxismo buscam ajuda de um médico, alegando dores de ouvido. Mas, na consulta, atesta-se o desgaste da articulação.

Em casos mais extremos o paciente com bruxismo busca um profissional somente quando ocorre a fratura do dente.

Só durante a noite?

Pessoas com bruxismo não apertam os dentes ou cerram a mandíbula em excesso somente durante a noite. No chamado bruxismo de vigília, esses movimentos acontecem também ao longo do dia.

Como prevenir

Criar rotinas para ter uma melhor noite de sono pode evitar casos de bruxismo.

Evitar telas por algumas horas antes de deitar diminui a quantidade de informação recebida e alivia o estresse.

Tratamentos

O principal tratamento disponível é fazer uma placa de acetato, sob medida, que o paciente usa para dormir. Essa plaquinha serve para proteger os dentes dos desgaste. Ao mesmo tempo, quando a pessoa morde involuntariamente a placa, a musculatura do rosto automaticamente relaxa.

Outro tratamento mais recente envolve a aplicação de botox na musculatura da mandíbula. Como as aplicações de botox enrijecem o músculo, a mordida do paciente perde um pouco da intensidade e isso minimiza os danos.

Também são válidos os tratamentos com outros especialistas para aliviar o estresse e a dor. Fisioterapia, acompanhamento psicológico e acupuntura são muito úteis para pacientes com bruxismo.

Palavra do especialista

Quais os principais sintomas aos quais precisamos estar atentos para identificar o bruxismo?

Os principais sintomas são dores de cabeça, dores na nuca, na articulação mais próxima ao ouvido e também na musculatura facial, porque ocorre uma tensão muito forte. Então, ao abrir e fechar a boca, o paciente sente essas dores acentuadas no rosto.

Acho que tenho bruxismo. O que devo fazer?

Marcar uma consulta com um dentista. Quando se identifica um possível caso de bruxismo, o primeiro passo é realizar exames avaliativos para ter o diagnóstico correto. Nessa avaliação, são feitas radiografias ou tomografias para indicar o melhor tratamento.

Se o bruxismo não for tratado, quais são as possíveis consequências?

A consequência principal é o desgaste dentário. Por ser uma condição em que a pessoa range muito os dentes, ocorre um desgaste que pode levar à fratura dentária. Além disso, o desconforto causado pelas dores podem causar insônia e outros estresses psicológicos, que pioram o caso de bruxismo. É como um ciclo.

O bruxismo pode afetar pessoas de qualquer idade?

A faixa etária em que esses traumas aparecem com mais frequência é a dos adultos. Mas, como trabalho com ortodontia preventiva em adolescentes, tenho percebido vários casos de bruxismo em pessoas mais jovens. Já nas crianças, os casos existem, mas são raros. E, geralmente, não têm a mesma intensidade do bruxismo em adultos. Os números também são menores para crianças porque, nos últimos anos, a condição tem sido adquirida por questões de estresse psicológico como ansiedade e depressão.

Maurício de Paula é cirurgião-dentista e ortodontista

*Estagiária sob a supervisão de Sibele Negromonte

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE