Especial

A voz da experiência

Iara Pereira*
Letícia Mouhamad*
postado em 03/04/2022 00:01
 (crédito: Reprodução: Vittor Sinistra)
(crédito: Reprodução: Vittor Sinistra)

Em 2008, Hosleni Costa foi convidada por outra costureira a trabalhar em uma Kombi que ficava estacionada em uma das quadras da Asa Sul. A oportunidade serviu para que ela conseguisse acessar mais clientes.

No ano seguinte, a costureira comprou a Kombi e, ali, criou o próprio ateliê de costura. "Trabalhei lá por 13 anos e foi uma ótima experiência. Eram muitos clientes e isso gerou uma boa renda, que ajudava tanto a mim quanto às duas costureiras que eu contratei para trabalhar comigo", conta Hosleni.

Hoje, aos 54 anos, a costureira já não está mais em seu ponto tradicional de trabalho, pois uma denúncia anônima resultou na remoção da Kombi da quadra onde estava estacionada. Agora, realiza os atendimentos em domicílio para não perder a clientela fiel.

Para ela, a melhor parte de trabalhar com costura é poder desenvolver os projetos em casa, perto da família. Hosleni afirma que o processo é quase terapêutico. Mas a costureira, que já conta com mais de 30 anos de experiência, deixa para as mais novas o lembrete: "É importante cuidar também da sua saúde. Você tem que ter tempo para fazer exercícios, uma caminhada, tirar um tempo para não ficar só sentada na máquina o dia inteiro. Isso pode causar vários males".

 

  • Hosleni Costa costurando
    Hosleni Costa costurando Foto: Fotos: Arquivo pessoal
  • Uma das produções da designer Neyde Zucolotto: inspiração vem no dia a dia
    Uma das produções da designer Neyde Zucolotto: inspiração vem no dia a dia Foto: Arquivo pessoal
  • Empresária e designer Neyde Zucolotto
    Empresária e designer Neyde Zucolotto Foto: Arquivo pessoal

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE