Presidente Dilma assina decreto que concede indulto de Natal

Decreto foi publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira (24/12). José Genoíno pode ser um dos beneficiados pelo indulto

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/12/2014 18:31 / atualizado em 24/12/2014 19:34

Agência Brasil

A presidente Dilma Rousseff assinou hoje (24) decreto concedendo indulto de Natal para brasileiros e estrangeiros condenados a pena privativa de liberdade não superior a oito anos e que tenham cumprido um terço da pena, no caso de presos não reincidentes. A medida pode beneficiar também reincidentes, desde que já tenham cumprido metade da pena.

O decreto, publicado em edição extra do Diário Oficial da União, detalha as situações em que o preso poderá ter esse benefício, bem como as situações em que ele não poderá ser aplicado.

Leia mais notícias em Brasil 

Diferentemente do saidão, que beneficia detentos para passar feriados com familiares, o indulto significa o perdão da pena, com sua conseqüente extinção, tendo em vista o cumprimento de alguns requisitos. Ele é regulado por um decreto do Presidenta da República.

Genoíno pode ser beneficiado pelo indulto

Um dos advogados responsáveis pela defesa do ex-presidente do PT, José Genoíno, disse que a defesa dele estuda pedir na Justiça o perdão da pena de Genoíno, com base no decreto de indulto. "Vamos analisar o texto do decreto. Se ele preencher os requisitos, faremos o pedido para o juiz de execuções penais", disse advogado Cláudio Alencar ao Portal G1. Em 2013, Genoíno foi condenado pelo STF por corrupção ativa no processo do mensalão.

De acordo com o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), Genoíno cumpriu até o momento um ano, um mês e dez dias da pena, que é de 4 anos e oito meses. Pelas regras do decreto, genoíno deveria ter cumprido um ano e dois meses de pena até esta quinta-feira (25). A defesa do ex-deputado pleiteia na Justiça o desconto de mais 45 dias. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.