"Após 23 anos, mereço isso?", diz professora ferida a bomba em protesto

Ao menos 170 manifestantes ficaram feridos, segundo a prefeitura de Curitiba

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/04/2015 21:17 / atualizado em 29/04/2015 22:10

Gabriela Vinhal , Agência Brasil

 

"Depois de 23 anos sendo professora, é isso que eu mereço: uma bomba na cara". O desabafo emocionado, em vídeo, é de uma professora da Secretaria de Estado da Educação do Paraná, que ficou com o rosto ferido após confronto entre policiais militares e educadores em manifestação repreendida violentamente nesta quarta-feira (24/9), em Curitiba. 


A direção do Sindicato dos Professores do Paraná (APP-Sindicato) classificou como “truculenta” a ação da Polícia Militar (PR) do estado durante protesto da categoria e de outros servidores estaduais contra o projeto de lei que altera a previdência do estado. Segundo o sindicato, participaram do protesto 20 mil pessoas. A PM não divulgou o número de manifestantes.

Em greve desde segunda-feira, os professores da rede estadual de ensino e de universidades estaduais estão acampados em frente à Assembleia Legislativa do Paraná. A Polícia Militar traçou um perímetro de isolamento, com grades e policiais, em torno da Assembleia Legislativa. Outras categorias também protestaram, mas os professores representam 70% do funcionalismo estadual.

De acordo com Luiz Fernando Rodrigues, da direção do sindicato, tudo começou quando os deputados estaduais decidiram seguir com a votação do projeto. “Quando nós anunciamos que o governo não havia aceitado tirar o projeto, houve uma revolta muito grande, e [os manifestantes] tentaram avançar sobre a cerca. Imediatamente, o batalhão de choque, a mando do secretário [de Secretário do Paraná, Fernando Francischini] veio com todo seu armamento para cima das pessoas”, disse.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, 1,6 mil policiais participaram da ação. “A ação foi contra os educadores que estavam na praça. Foi abuso da PM. Jogaram bombas de gás, spray de pimenta, jatos de água contra os trabalhadores. A polícia não parou de jogar bomba na gente mesmo depois de uma hora. Foi uma barbárie o que aconteceu hoje em praça pública”, disse Rodrigues.

Pelo menos 170 manifestantes ficaram feridos, segundo a prefeitura de Curitiba e o Tribunal de Justiça do Paraná, onde ocorreram os primeiros atendimentos. Dentre eles, 45 foram levados para unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e hospitais da região.

O governador do Paraná, Beto Richa, disse em entrevista coletiva, que os policiais reagiram a provocações de algumas pessoas que estavam na praça. “Sete black blocks foram presos. Os policiais, ao serem afrontados por esses bardeneiros e black blocks, reagiram, em uma proteção natural de sua integridade física”, disse Richa.

A Secretaria de Segurança Pública do Paraná diz que 20 policiais ficaram feridos. “A reação, a agressão, não partiu dos policiais. Os policiais ficaram parados para proteger o prédio da Assembleia Legislativa. Na medida que eram impedidos, reagiram. A polícia não partiu para cima dos manifestantes uma única vez. Tem filmes que comprovam o que estou dizendo”, disse.

Segundo a Secretaria de Segurança será aberto Inquérito Policial Militar, com participação do Ministério Público, para apurar as ações durante a confusão.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
batista
batista - 30 de Abril às 11:55
Sabe seria bom se um comandante da tropa do exercito tomasse as dores dos professores(povo) e peitasse os PMs com uma tropa igual, para ver como os PMs reagiriam, pois os mesmos teriam cassetetes e bombas também só para ver se eles seriam tão machos assim.
 
Carla
Carla - 30 de Abril às 11:54
Como educadora estou chocada com as cenas de horror que assisti...
 
Flavio
Flavio - 30 de Abril às 08:45
Quem se der ao trabalho de buscar e analisar os vídeos do confronto, verá que foram os professores (ou seus aliados) que partiram pra cima dos policiais, acuando-os. A reação, a seguir, era presumível. Não se trata, portanto, uma questão de merecer ou não bala na cara, mas de afrontar a força policial e assumir os efeitos de sua atitude.
 
Frederico
Frederico - 30 de Abril às 08:36
Parabéns à "polícia" do Paraná! Exemplo de ignorância e truculência.
 
José
José - 30 de Abril às 06:59
a policia age com ordem de algum superior, então não culpe só a policia, culpem também o governo deste estado, governo é culpado, a policia age a mando, os brasileiros estão desgastado com tanta corrupção, e falta de respeito com os trabalhadores.
 
antonio
antonio - 30 de Abril às 05:11
desmilitarização da polícia já!!