PF faz duas operações contra fraudadores do Enem e de outros vestibulares

Segundo a investigação, os suspeitos já teriam neste ano fraudado ao menos dois processos seletivos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/11/2016 16:31 / atualizado em 06/11/2016 19:08

Divulgação/Policia Federal
 

 

A Polícia Federal deflagrou, neste domingo (6/11), duas operações contra fraudes no Enem e em outros vestibulares. A Operação Jogo Limpo cumpriu 22 mandados de busca e apreensão em sete estados brasileiros. Já a Operação Embuste, com o auxílio do Ministério Público Federal (MPF) e do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), desarticulou uma organização criminosa especializada em burlar processos seletivos para ingresso no ensino superior. Um dos presos é o secretário de Saúde de uma cidade do Ceará, que ainda não teve o nome divulgado pela PF. 

 

Leia mais notícias em Brasil 

 

Na Operação Jogo Limpo, foram detidas 22 pessoas no Maranhão, no Piauí, no Ceará, na Paraíba, em Tocantins, no Amapá e no Pará. São pessoas que tinham sido identificadas a partir de uma análise de gabaritos do Enem de anos anteriores e que voltaram a se increver no exame este ano.

 

Fraude também em vestibulares

 

Já a Operação Embuste prendeu também um grupo que queria fraudar o Enem e permitia que pessoas não efetivamente aptas pudessem ter acesso aos cursos, mediante uma compra de vaga, especialmente no curso de Medicina.

 

Segundo a PF, os envolvidos já teriam neste ano fraudado ao menos dois processos seletivos: o vestibular realizado na cidade de Mineiros, em Goiás, e o vestibular para Medicina, realizado em Vitória da Conquista, na Bahia.

 

A operação cumpre 28 mandados judiciais, sendo quatro de prisão temporária, quatro de condução coercitiva, 15 de busca e apreensão e cinco mandados de sequestro de bens, todos expedidos pela Justiça Federal de Montes Claros, em Minas Gerais. Eles poderão responder por crimes contra a fé pública, o patrimônio, a paz pública, entre outros delitos.

 

Por Agência Estado

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.