Bar­ra­gem de mi­ne­ra­ção aban­do­na­da ameaça água de Belo Horizonte

Re­pre­sa de re­jei­tos de mi­ne­ra­ção de ou­ro aban­do­na­da em Rio Aci­ma, com me­tais pe­sa­dos al­ta­men­te tó­xi­cos acu­mu­la­dos, po­de con­ta­mi­nar as águas que abas­te­cem 60% da ca­pi­tal

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/06/2017 10:37

Túlio Santos/EM/DA Press
Ita­bi­ri­to e Rio Aci­ma – A ame­a­ça de con­ta­mi­na­ção por re­jei­tos de ati­vi­da­des mi­ne­ra­do­ras é o pi­or im­pac­to a que o Rio das Ve­lhas es­tá su­jei­to na re­gi­ão de Rio Aci­ma, na Gran­de BH. São vá­ri­os em­pre­en­di­men­tos com bar­ra­gens que ame­a­çam che­gar ao rio di­re­ta­men­te ou por meio de tri­bu­tá­ri­os, se­gun­do de­nún­ci­as do Co­mi­tê da Ba­cia Hi­dro­grá­fi­ca do Rio das Ve­lhas (CBH-Ve­lhas), que on­tem, no quar­to dia da ex­pe­di­ção “Rio das Ve­lhas, te que­ro vi­vo”, vis­to­riou mi­nas que ame­a­çam con­ta­mi­nar as águas do manancial. A pi­or si­tu­a­ção é a da an­ti­ga Mun­do Mi­ne­ra­ção, uma mi­ne­ra­do­ra que ex­traía ou­ro e que en­cer­rou su­as ati­vi­da­des em 2011. A plan­ta foi com­ple­ta­men­te aban­do­na­da e o con­teú­do da bar­ra­gem, re­ple­ta de me­tais pe­sa­dos, tem es­cor­ri­do com as chu­vas e po­de atin­gir o lei­to, que cor­re a dois qui­lô­me­tros do lo­cal, jus­ta­men­te no pon­to on­de a Co­pa­sa cap­ta a água que abas­te­ce 60% de Be­lo Horizonte.

De acor­do com o pre­si­den­te do CBH-Ve­lhas, Mar­cus Vi­ní­cius Po­lig­na­no, a ame­a­ça é gra­vís­si­ma e na­da tem si­do fei­to pa­ra ga­ran­tir a es­ta­bi­li­da­de da bar­ra­gem des­de que foi abandonada. “Es­ta­mos de­nun­ci­an­do es­sa si­tu­a­ção, que re­pre­sen­ta uma ame­a­ça gra­vís­si­ma pa­ra a vi­da do Rio das Ve­lhas e pa­ra o abas­te­ci­men­to hu­ma­no também. Nas du­as bar­ra­gens da mi­ne­ra­do­ra es­tão acu­mu­la­dos me­tais pe­sa­dos usa­dos pa­ra be­ne­fi­ci­ar o ou­ro, co­mo o ar­sê­nio, que é ex­tre­ma­men­te tó­xi­co”, alerta. Po­lig­na­no ad­ver­te que par­te des­se ma­te­ri­al já po­de es­tar con­ta­mi­nan­do o meio am­bi­en­te, pois a pri­mei­ra bar­ra­gem es­tá com­ple­ta­men­te en­tu­pi­da e a ca­da chu­va par­te do ma­te­ri­al da su­per­fí­cie aca­ba sen­do car­re­a­do pa­ra fo­ra da estrutura.

“Se­ria pre­ci­so que o po­der pú­bli­co as­su­mis­se a se­gu­ran­ça des­se em­pre­en­di­men­to e ga­ran­tis­se a es­ta­bi­li­da­de da re­pre­sa, pois na­da tem si­do fei­to pa­ra mo­ni­to­rar a so­li­dez das barragens. Em­pre­sas co­mo es­sa, que sim­ples­men­te en­cer­ram su­as ati­vi­da­des, de­ve­ri­am ter fun­dos pa­ra a ma­nu­ten­ção das es­tru­tu­ras que se­guem con­ten­do seus re­jei­tos”, dis­se Po­lig­na­no. Se­gun­do a téc­ni­ca da se­cre­ta­ria de Meio Am­bi­en­te de Rio Aci­ma, Zé­lia Mo­rei­ra de Sa­les, o es­pa­ço da mi­ne­ra­do­ra tem si­do in­va­di­do e su­as es­tru­tu­ras, saqueadas. “Há um gran­de pe­ri­go aqui, pois não sa­be­mos que ti­po de ma­te­ri­al es­tá es­to­ca­do nos tan­ques da mi­ne­ra­do­ra, e se is­so po­de va­zar com a ação dos la­drõ­es”, afirma.

A equi­pe do Es­ta­do de Mi­nas acom­pa­nhou os am­bi­en­ta­lis­tas do Pro­je­to Ma­nu­elzão, de de­fe­sa do Rio das Ve­lhas, do CBH-Ve­lhas e re­pre­sen­tan­tes do mu­ni­cí­pio na vis­to­ria ao lo­cal da mineradora. Des­de a úl­ti­ma se­gun­da-fei­ra, a ex­pe­di­ção mos­tra im­pac­tos e co­bra re­vi­ta­li­za­ção do rio. En­quan­to ca­no­ei­ros des­cem em cai­a­ques pe­lo cur­so hí­dri­co, ato­res e am­bi­en­ta­lis­tas pro­mo­vem açõ­es de cons­ci­en­ti­za­ção nas co­mu­ni­da­des que fi­cam no caminho.

Na an­ti­ga área de mi­ne­ra­ção, o aban­do­no é evidente. Os por­tõ­es de aces­so da plan­ta es­tão no chão, per­mi­tin­do a en­tra­da de qual­quer pessoa. Vá­ri­os tan­ques en­fer­ru­jam sem ma­nu­ten­ção, em um es­pa­ço que es­tá ala­ga­do pe­la água das chuvas. Car­ros e tra­to­res fo­ram com­ple­ta­men­te “de­pe­na­dos”, ten­do mo­to­res e ou­tros equi­pa­men­tos me­câ­ni­cos levados. O di­que das bar­ra­gens es­tá re­ple­to de va­las de ero­são cau­sa­da pe­la chu­va e o ma­to cres­ce em moi­tas por to­do la­do, to­man­do o es­pa­ço de an­ti­gos re­fei­tó­ri­os, ar­ma­zéns e es­tru­tu­ras de con­tro­le da an­ti­ga empresa de ex­tra­ção mineral. O Es­ta­do de Mi­nas ten­tou, sem su­ces­so, con­ta­to com re­pre­sen­tan­tes da Mun­do Mineração. Até on­de se sa­be, a em­pre­sa dei­xou de existir.

Descrença
Po­rém, não é ape­nas a de­vas­ta­ção pe­las mi­ne­ra­do­ras que tor­na o Rio das Ve­lhas po­luí­do, as­so­re­a­do e com di­ver­sos acú­mu­los de re­jei­tos nas mar­gens e leito. Jus­ta­men­te em Rio Aci­ma co­me­çam os mais im­por­tan­tes des­pe­jos de es­go­to da Gran­de BH. No Cen­tro da ci­da­de mes­mo, quan­do o Rio Min­gu en­con­tra o Ve­lhas, che­gam di­ver­sas lín­guas de água cin­zen­ta e mal­chei­ro­sa pro­ve­ni­en­te dos es­go­tos da cidade. Ma­ni­lhas e ca­nos que tra­zem a água con­ta­mi­na­da se mul­ti­pli­cam pe­las mar­gens, ten­do co­mo des­ti­no as águas que mais adi­an­te abas­te­ce­rão Be­lo Horizonte.

A si­tu­a­ção do rio de­sa­ni­ma a po­pu­la­ção, que já se mos­tra des­cren­te de seu res­ga­te, que é o ob­je­ti­vo mai­or da expedição. Ini­ci­a­ti­vas co­mo as me­tas 2010 e 2014, que pro­pu­nham des­po­luir o Ve­lhas a pon­to de su­as águas po­de­rem abri­gar pei­xes e per­mi­tir a na­ve­ga­ção e a na­ta­ção aca­ba­ram fa­lhan­do, ain­da que avan­ços te­nham ocor­ri­do, co­mo a ins­ta­la­ção das es­ta­çõ­es de tra­ta­men­to de es­go­to dos ri­bei­rõ­es Ar­ru­das e do Onça. “In­fe­liz­men­te, não acho que vou vol­tar a na­dar no Rio das Velhas. Tan­ta coi­sa já foi fa­la­da e mui­tas pro­mes­sas fei­tas, mas bas­ta an­dar por aqui, em Rio Aci­ma, pa­ra ver es­go­to ca­in­do di­re­ta­men­te no rio. Coi­sas que, a uma al­tu­ra des­sas, não po­de­ri­am ocor­rer de for­ma al­gu­ma”, dis­se o apo­sen­ta­do Flo­rin­do Fer­rei­ra, de 55 anos, mo­ra­dor de Rio Acima.

Pou­co an­tes das bo­cas de es­go­to, o Rio das Ve­lhas ain­da tem vi­gor e con­tra­ce­na nos va­les ín­gre­mes com a vi­ta­li­da­de da ma­ta atlân­ti­ca em regeneração. O tre­cho si­nu­o­so é po­vo­a­do por pás­sa­ros que dei­xam as co­pas em revoadas. Um ter­re­no que se­gue per­cor­ri­do pe­los re­ma­nes­cen­tes de uma an­ti­ga fer­ro­via desativada.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.