Vastas e versáteis, bandas de baile tinham que fazer parte da história

Afinal, a capital surgiu numa era de ouro desse fenômeno

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/04/2013 07:00 / atualizado em 19/04/2013 15:38

Tina Coelho/Esp.CB/D.A Press

Você provavelmente já ouviu algum desses grupos no palco de uma formatura, em um evento corporativo ou em um casamento, tocando um pouco de tudo: do pop ao forró, do jazz ao axé e do sertanejo ao rock. As bandas de baile são sempre compostas por músicos que têm nas pontas dos dedos os hits de cada gênero musical da moda — e um ou outro clássico na manga. E por trás de seus animados shows está uma história interligada às origens da música na capital federal.

No fim da década de 1960, os primeiros grupos que tocavam em Brasília também marcavam presença nos bailes, que figuravam entre os principais eventos da capital. Dividindo o palco (e, algumas vezes, os músicos) com as primeiras orquestras da cidade, bandas como Os Quadradões, Elson 7 e Matuskela animavam a noite brasiliense. Os hits do rádio de Roberto Carlos, da Jovem Guarda e dos Beatles sempre estavam no repertório desses grupos.

Foi nessa época que o guitarrista Sebastião Rodrigues, o Tião, deixou o grupo do qual fazia parte em Goiânia para tocar em uma orquestra daqui. No sexto dia na capital, ele foi convidado a se apresentar no aniversário do presidente Costa e Silva e, de lá, acabou se juntando a Raulino e seus Big Boys, uma das principais bandas da época. Pouco tempo depois, o grupo se dividiu, dando origem ao Supersom 2000.

Inspirado na mistura de costumes de Brasília, com pessoas de todas as regiões do país, Tião fundou, em 1979, o Squema Seis, após retornar de uma breve temporada em São Paulo. “Ao voltar, tive a ideia de fazer um grupo musical que tivesse a representatividade do cosmopolitismo de Brasília”, conta. Como o nome sugere, o grupo foi criado com seis músicos: um carioca, um mineiro, um goiano, um pernambucano, um paraibano e um paulista. O sexteto tornou-se uma das principais bandas de baile da cidade, atuando até hoje.

As bandas da década de 1970 se juntaram a grupos como Tom Maior e Banda Imagem. As bandas de baile estavam em alta, pois não faltavam festas em clubes sociais. Os palcos eram os clubes, tanto os particulares — Minas Brasília e Iate Clube, no Plano Piloto; Primavera e City, em Taguatinga — quanto os de associações de funcionários públicos, como a AABB, AABR, a Asbac e os clubes das Forças Armadas. “Na época, existiam muitos clubes, principalmente em Taguatinga. Havia muitas bandas interessantes”, recorda o cantor Maurício Tuchal, um dos únicos integrantes da formação original do Squema Seis a continuar na banda.

A situação mudou no início dos anos 1990, quando o governo Collor fez cortes em subsídios do governo às associações de funcionários públicos. Sem dinheiro, os bailes de clubes foram se tornando mais escassos e as bandas passaram a tocar em eventos mais restritos, como formaturas, casamentos e eventos corporativos. “Hoje, você praticamente não ouve falar do Squema Seis, mas fazemos de 100 a 120 shows por ano. O mercado mudou para um segmento muito mais fechado”, diz o empresário da banda, Paulo Roberto da Costa Lima.

O sexteto, que sempre se preocupou em trazer tecnologia de ponta para o palco, acabou se sobressaindo por conta dos investimentos em infraestrutura: são cerca de 18 pessoas envolvidas na produção de um show, entre músicos e técnicos, em um espetáculo de quatro horas e cerca de 60 músicas, com mais de 200 prontas na setlist e um carro que faz as vezes de trio elétrico durante as apresentações — sempre de acordo com as preferências de quem contrata. “Tudo depende da faixa etária do público e do cliente”, conta Maurício.

Guerra dos sexos
The Fevers


Cheguei pra conquistar o mundo
Você seduz e vai bem fundo
A vida é assim e nunca é demais
O que mamãe falou não vale mais nada
Não vale nada
Você é feita de feitiço
Joguei e vou pagar por isso
A vida é assim e nunca é demais
O que mamãe falou não vale mais nada
Não vale nada
Pega brinca, leva que é de graça
Fica linda que o amor não passa
Vem com tudo em cima que eu vou com você


Feche os olhos
Renato e seus Blue Caps


Feche os olhos e sinta um beijinho agora
De alguém que não vive sem você
Que não pensa e nem gosta de outra menina
E tem medo de lhe perder

Todo a...mor desse mundo parece querida
Que está dentro do meu coração
Por favor, queridinha, divida comigo
Um pouco da minha paixão
Coisa linda, coisa que eu adoro
A gotinha de tudo que eu choro
Coisa linda, coisa linda

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.