Banda Balalaica é quem domina o forró atualmente na capital federal

O grupo apresenta um forró universitário que adquiriu um charme brasiliense

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/04/2013 07:00 / atualizado em 19/04/2013 15:12

Tina Coelho/Esp. CB/D.A Press

Hoje, quem domina o forró em Brasília é a banda Balalaica. O grupo mostra que o gênero mudou para se adequar ao público jovem. A maneira de tocar e até os instrumentos sofreram alterações. Os integrantes apresentam o forró universitário, que adquiriu um charme todo brasiliense. Ele quebrou regras: não precisa, necessariamente, de um trio.

Balalaica começou na empreitada de uma família inteira que se reunia para tocar samba de um jeito bem amador. A turma se apresentava em aniversários e festas beneficentes. Com o tempo, alguns se afastaram até restar Rodrigo Castanheira, 29 anos, e três primos. Foi surgindo aos poucos o ritmo do baião e xote em algumas músicas. Decidiram investir no forró em 2005. Para isso, convidaram Victor Borges, 28, para ingressar na banda com o contrabaixo. O sucesso veio rápido. Aproveitaram para entrar na onda das bandas Falamansa e Rastapé — que estavam no auge.

Entretanto, Balalaica era diferente: não tinha sanfona. Aí, apareceu José Rodrigues, conhecido como Geleia, amigo direto de Dominguinhos, que resolveu ajudar os garotos. “Ele deu à molecada maturidade”, acrescenta Rodrigo.

Antes de Balalaica e depois do sucesso do Trio Siridó em Brasília, quem participou dessa história cultural foi Mestre Zuza, 77 anos. Morava em Pernambuco e um vizinho sanfoneiro precisava de ajuda com a zabumba e convidou o jovem de ainda 15 anos para aprender. Assim foram apresentações em casamentos, aniversários até chegar a Brasília para trabalhar em uma empresa de água e esgoto em 1960. Paralelamente ao trabalho duro de obra, alegrava a noite na cidade tocando em trios de forró pé de serra.

Décadas depois, vieram Os Cabras do Nordeste. Resultado: 18 anos de carreira, três CDs e 50 composições de “forró autêntico, sagrado, coisa fina”, como dizem.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.