SIGA O
Correio Braziliense

Brasília desponta grandes talentos no cenário do samba nacional

Nomes como Renata Jambeiro e Rafael dos Anjos figuram no cenário nacional como boas apostas da nova geração

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/04/2013 07:00 / atualizado em 19/04/2013 18:22

Maíra de Deus Brito

Tina Coelho/Esp. CB/D.A Press

No fim da década de 1990, o samba da cidade ganhou cara nova. O cantor e percussionista Makley Matos é um dos nomes dessa geração de artistas que ganharam espaço na Lapa, desfazendo o mito de que em Brasília se produz um samba decalcado no Rio de Janeiro. Capixaba de Vitória, Makley veio para a capital em 1998 com o grupo Sambacana para passar seis dias, mas ficou seis anos. Aqui, conheceu músicos do Clube do Choro, ajudou a fortalecer o circuito de shows no Bar do Calaf e no Feitiço Mineiro, e criou, com o violonista Evandro Barcellos, o grupo Tradisamba, que resgatava o samba de raiz.

Em 2004, o músico partiu para o Rio, onde venceu o primeiro Festival de Novos Talentos Carioca da Gema/Jovens Bambas do Velho Samba, tocou com mestres como Moacyr Luz e Paulão Sete Cordas, e integrou o elenco do musical É com esse que eu vou, de Sérgio Cabral e Rosa Maria Araújo. Agora, aos 39 anos, prepara o primeiro disco solo, com músicas de Paulo César Pinheiro e Nei Lopes. “Estou no processo de gravação no estúdio e, por ser independente, o CD deve sair no fim do ano. Brasília é uma cidade muito importante na minha história e tem artistas que abrilhantam a cultura da cidade. Tenho um pouco do cerrado em mim”, diz Makley.

Outra artista que decidiu se arriscar em terras fluminenses é a cantora Renata Jambeiro. Com 20 anos dedicados à dança e 15 ao teatro, ela sentiu que trilhar o caminho da música seria algo natural. “Minha casa sempre foi de muita festa ”, lembra Renata, 31, que arrumou as malas para a cidade maravilhosa em janeiro deste ano.

“Em Brasília, trabalhei com grandes profissionais, lancei discos, porém não vi algumas coisas se transformarem e isso me estimulou a mudar. Alguns brasileiros ainda acham que a cidade é só do rock, mas não. Temos excelentes músicos do samba, do choro”, frisa Renata. Entre os projetos de 2013 estão a consolidação de shows na Lapa e a conclusão da triologia Sambaluayê (já em CD e DVD) com o lançamento de um documentário didático sobre a pesquisa feita para os registros em áudio e vídeo.

Tina Coelho/Esp. CB/D.A Press

Quem passa pela boêmio bairro carioca encontra outra prata da casa: Rafael dos Anjos. Violonista desde os 11 anos, aos 18 ingressou no grupo Choro Livre. O brasiliense já tocava bossa nova e MPB influenciado pela família, mas foi no quinteto liderado por Reco do Bandolim que ele teve a chance de dividir os palcos com Dominguinhos, Sivuca e Paulo Moura, entre outros. “Foi o ponto alto da minha carreira como violonista”, afirma o músico de 27 anos.

Na capital fluminense, toca ao lado de Hamilton de Holanda no Baile do Almeidinha, às quintas, no Circo Voador, e é responsável pelo violão e pelos arranjos nos álbuns de Sombrinha e Marcelinho Moreira.

“Brasília está no meu coração, é o lugar de onde minha música saiu e que tem um mercado promissor. A cidade ainda carece de bons espaços para fazer música ao vivo, de profissionais na produção musical e executiva, porém só tenho a elogiar os músicos. Tem muita gente boa despontando”, comenta Rafael dos Anjos.

Mensageiros do samba

Vinícius de Oliveira,
Breno Alves e Kadu Nascimento


“Adora-Roda;
Mensageiros do samba,
A memória de bambas
Que jamais vão morrer.
Adora-Roda;
Alegria e paz,
Energia que nos contagia,
É o samba em Brasília
que se faz capaz!”

Onde sambar em Brasília

» Às terças, Adora-Roda no Bar do Calaf (Setor Bancário Sul), que recebe, às sextas, o Coisa Nossa, e, aos sábados, Volta por Cima e Fina Estampa

» Às quintas, no Balaio Café (201N), com o quarteto Filhos de Dona Maria

» De quinta a domingo, na Choperia Maracanã (207 Norte)

» Aos domingos, Luciano Ibiapina e Kris Maciel, entre outros, se apresentam na Aruc (Área Especial nº 8, Cruzeiro Velho)

» Aos sábados, roda de samba no Chá da Boa (Pistão Sul, Taguatinga)
Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.