SIGA O
Correio Braziliense

Justiça proíbe carnaval de marchinhas em Pirenópolis

Em caráter liminar, a decisão é por causa da perturbação do sossego e o acúmulo de lixo, além da depredação do patrimônio histórico

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/02/2016 08:53 / atualizado em 02/02/2016 11:36

Secretaria de Turismo de Pirenópolis/Divulgação
 
O carnaval na Rua Direita, em Pirenópolis, foi proibido pelo Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO) após moradores reclamarem do barulho e da depredação ao patrimônio. O juiz Sebastião José da Silva, da 2ª Vara Cível e Fazenda Pública da Comarca de Pirenópolis, considerou que a área utilizada para a festa é residencial e habitada por pessoas idosas, e que há a perturbação do sossego e o acúmulo de lixo deixado nas ruas. A decisão é em caráter liminar.

Além da determinação para que a prefeitura municipal não promova a festividade, o magistrado estipulou multa de R$ 20 mil, em caso de descumprimento da medida judicial, autorizou o uso da força policial, se necessário, e mandou apreender os aparelhos sonoros que forem utilizados nesta rua no período do Carnaval - de 6 a 9 de fevereiro.

O pedido foi feito pelo aposentado Sérgio Pompeo de Pina e Gabriel Pompeo de Pina Gomes. Sérgio alegou na ação que está passando por tratamento de saúde por conta de um infarto. Já seu neto, Gabriel, faz uso de medicamentos  controlados em razão da esquizofrenia e necessita de descanso noturno. A necessidade de intervenção jurídica, de acordo com o processo, se deve também ao volume de lixo deixado nas portas das casas e a depredação das residências, tombadas como patrimônio histórico da humanidade.

Os autores da ação também reclamaram do palco montado na rua, alegando que o som mecânico é colocado no volume máximo, chegando a abalar as estruturas das casas e prejudicando o repouso noturno dos moradores.
 
Com informações do TJGO
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Horst
Horst - 02 de Fevereiro às 17:37
O problema é que, cada vez menos, as pessoas se comportam direito em grandes multidões e festas, como um carnaval já desfigurado pelos novos tempos e costumes. Além do que a cidade acabou de passar por um forte temporal, que alagou todo centro histórico. Que a prefeitura use a dotação destinada ao carnaval para reconstruir a cidade e seu patrimônio histórico!
 
Sérgio
Sérgio - 02 de Fevereiro às 13:53
Parabens a decisão da justiça ninguém merece aguentar essa porcaria de carnaval esse bando de bebados sujando tudo urinando em qualquer lugar,.
 
Wilson
Wilson - 02 de Fevereiro às 12:12
Bom para mim que estarei lá para descansar.
 
Sérgio
Sérgio - 02 de Fevereiro às 12:03
No TJGO a coisa parece funcionar para o lado de quem quer sossego. Enquanto que aqui, a coisa só funciona para o lado da algazarra.
 
andre
andre - 02 de Fevereiro às 11:45
Parabéns ao Juiz!!!
 
IVO
IVO - 02 de Fevereiro às 11:05
Apesar de não residir em Pirenópolis eu visito sempre a cidade e tenho um carinho especial por ela. Acho a medida muito justa tanto pela tranquilidade dos moradores como também pelo perigo de destruição de patrimônio tombado. Parabéns ao Meritíssimo Juiz, Doutor Sebastião José da Silva pela liminar concedida e parab´nes também à população de Pirenópolis.