Preocupação com o respeito às mulheres toma conta do carnaval brasiliense

Frase repetida à exaustão durante a folia do Babydoll de Nylon se espalhou pelo carnaval de Brasília com o intuito de inibir os abusos cometidos contra as mulheres. Algumas delas usam estratégias para escapar das abordagens mais agressivas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/02/2016 07:10 / atualizado em 09/02/2016 08:21

Breno Fortes/CB/D.A Press

De cima do trio elétrico do bloco considerado o mais popular da capital, o Babydoll de Nylon, os organizadores pediam o tempo todo: “Respeita as mina”. A preocupação com o respeito às mulheres deu o tom em boa parte do carnaval brasiliense de 2016, depois de o movimento feminista ganhar força ao longo do ano passado. Os esforços pela conscientização, porém, não foram suficientes para coibir abusos em todos os lugares: no bloco dos Raparigueiros, que atraiu o maior público do carnaval brasiliense até agora — cerca de 150 mil foliões, segundo dados da Polícia Militar —, era possível ver inúmeros casos de desrespeito a elas, entre puxões e abraços e beijos à força.

O grupo de estudantes formado por Pâmela Carvalho, 16 anos; Emilly Matos, 18; Nathália Reis, 19; Fernanda Lima, 19; Sophia Santos, 16; e Camille Matos, 16, precisou passar por vários blocos até encontrar um em que se sentisse confortável. “Ficavam nos encarando, e eu imagina que ou queriam era nos assaltar ou nos pegar à força”, reclama Nathália. A trajetória começou no bloco Bem Meb, onde se sentiram acuadas pelos olhares de alguns foliões. De lá, foram ao Raparigueiros, onde a situação piorou. Apenas no Bloco do 5uinto, na Praça das Fontes do Parque da Cidade, conseguiram aproveitar a festa sem medo.

Breno Fortes/CB/D.A Press

Sábado, no Babydoll de Nylon, a situação se mostrou diferente. A servidora pública Marília Sampaio, 28, e as amigas Priscilla Atalla, 31, e Débora Cruz, 35, contam que a campanha pelo respeito às mulheres surtiu efeito. Embora usasse roupas curtas, o trio afirma não ter passado por nenhuma situação constrangedora. “Nós nos sentimos até mais seguras do que o normal. Está todo mundo vestido como quer, em ritmo de festa”, diz Marília. “Até andei pela passagem subterrânea do Eixão.”

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.