Saiba como economizar muito viajando na baixa temporada

Com as datas certas e um bom planejamento, é possível economizar bastante na sua viagem

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/11/2016 17:12 / atualizado em 07/11/2016 18:31

Vinpelope

 

Viajar é sempre uma experiência incrível, que permite conhecer lugares diferentes, entrar em contato com novas culturas, aprender coisas novas, treinar outros idiomas, expandir a visão de mundo, viver situações únicas e incríveis, fortalecer a personalidade, renovar as energias, sair da rotina e ainda voltar para casa com recordações maravilhosas e muitas histórias para contar.



Mas, nos últimos anos, com a desvalorização da moeda nacional, tem ficado cada vez mais difícil programar algum passeio que caiba no orçamento familiar, principalmente no período de férias escolares, em que todo mundo quer viajar ao mesmo tempo e para os mesmos lugares.

Como resolver essa situação?
Uma boa solução é se programar para sair em baixa temporada. Segundo dados disponibilizados pelo Ministério da Cultura, em 2015, 30% dos brasileiros já adotaram essa estratégia, que inclusive se tornou um nicho no mercado de agências de turismo. A Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav) declara que é possível economizar de 20% a 70% do valor cobrado em alta temporada, dependendo do lugar a que se pretende ir. As empresas já disponibilizam pacotes promocionais de 9 dias com dois finais de semana, para que sejam gastos apenas 5 dias de férias, e também opções mais curtas, com roteiros de três a quatro noites de permanência nos destinos, as famosas “escapadas” de fim de semana. Quem se planeja direito consegue viajar até seis vezes no ano, aproveitando até 64 dias, isso contando apenas os 30 dias de férias permitidos pela grande maioria das empresas e do funcionalismo público. Ao valer-se de feriados, esse número ainda aumenta. 

 

Ok Chicas
A lei de oferta e procura é bem nítida no ramo do turismo e como a demanda para as indústrias aérea e hoteleira reduz consideravelmente na baixa temporada, os preços e tarifas tendem a seguir a mesma lógica. O mesmo ocorre com restaurantes, comércio local e pontos turísticos, ou seja, você além de pagar passagens e hotéis mais baratos, economiza na alimentação e em passeios e ainda consegue comprar aquela blusinha por um preço bem mais em conta. Além de todas as vantagens financeiras, ainda há a questão do conforto: locais mais vazios significam menos trânsito, menos filas e mais segurança, pois grandes tumultos são bem mais propícios a furtos e os assaltantes estão mais ativos em alta temporada também. Ademais, existem outras pequenas vantagens, que podem ser consideradas um bônus extra para quem se aventura fora dos períodos mais comuns:


Apreciar museus e paisagens no seu próprio ritmo, sem ter que esticar o pescoço ou se sentir pressionado para sair logo da frente dando espaço para outras pessoas, torna sua viagem bem menos estressante e também mais flexível. Não há a necessidade de marcar passeios com antecedência.


Os funcionários terão menos clientes para dividir a atenção, o que acaba aumentando a qualidade do serviço local.


Como normalmente é outono ou primavera, as temperaturas não são nem muito frias e nem muito quentes, tornando tudo mais agradável. Claro que não adianta ir para o Valle Nevado, por exemplo, quando não tem neve, só por ser mais barato. Nessas situações, prefira ir na “média” temporada, 15 dias antes ou depois do período em que a grande maioria das pessoas viaja para o local.


Aeroportos ficam bem mais tranquilos e as chances de não ter ninguém do seu lado durante o voo são altíssimas, então é muito provável que você possa deitar nas poltronas e dormir bem mais confortável.


Por fim, e não menos importante, as fotos da viagem saem bem mais bonitas sem um aglomerado de gente ocupando a paisagem, e você tem mais espaço para decidir qual é o melhor ângulo (ou tirar foto de todos os ângulos mesmo, porque sim!)

 

Maria Brandão

 

Mirella Cabaz
 


Tem como economizar mais

 

A melhor data para comprar passagens com destino nacional é com a antecedência de 25 a 40 dias para a baixa temporada. Entre 30 e 90 dias antes, não costuma haver nenhum tipo de promoção e o preço se mantém estável. Já com mais de 180 dias, é possível que o preço seja mais caro. Acima de 60 dias você praticamente zera as chances de pegar alguma promoção. Voos internacionais podem ser comprados com o dobro de antecedência, de 30 a 60 dias em baixa temporada, porém há outros fatores que influenciam, por exemplo: os meses de dezembro e janeiro podem reservar bons preços para a Europa, uma vez que a demanda reduz com a chegada do inverno. Em alta temporada, dobre novamente os períodos para conseguir bons preços, porém, eventos como ano novo no Rio e carnaval em Salvador, são casos em que não há regras, dificilmente se encontra bons preços.

 

Vinte dois Outonos


Viagens de ônibus costumam ser mais baratas, então se você tem o pique de passar várias horas na estrada, uma boa plataforma de pesquisa de preços para esse meio de transporte é o Busca Ônibus. A lógica para a compra de hospedagem funciona da mesma forma, é preciso se preparar um mês antes e há várias formas de economizar.


Meus filhos têm aula, e agora?

 

Roteiro Baby

 

É possível viajar em baixa temporada mesmo tendo filhos, basta ter uma conversa franca com eles e fazer alguns acordos. É preciso administrar minimamente todas as faltas e analisar detalhadamente o calendário de provas. As crianças precisam se comprometer a ir nas aulas regularmente e a se dedicar mais aos estudos nos períodos em que não forem viajar, para garantir as boas notas e a aprovação ao final do ano. O ideal é marcar férias na semana em que os professores costumam entregar as notas e fazer correções das avaliações, antes de iniciar conteúdo novo, para não prejudicar o desempenho. Viagens que começam e terminam no final de semana são ótimas, pois garantem nove dias de férias com apenas cinco faltas.


Quando viajar para o exterior?

Viajando de Novo

Estados Unidos: maio, junho, setembro, outubro e novembro costumam ser considerados meses de alta temporada. Em novembro, ocorre a Black Friday e julho é um mês em que as férias americanas e brasileiras coincidem, então todo mundo corre para a Disney. Carnaval também é um período em que o país é bastante procurado pelos brasileiros. Nessas datas os preços são mais elevados, porém fique ligado em promoções relâmpago, que ocorrem com muita frequência.


Europa: a alta temporada acontece de junho a setembro, no verão, especialmente para o Mediterrâneo e destinos que são característicos da estação, como Ibiza, na Espanha. Os melhores preços são de novembro a fevereiro, excluindo as semanas de Natal e Ano Novo. Nessas datas é muito frio e o tempo está sempre fechado. Já na parte norte do continente, onde os atrativos são a Aurora Boreal, estações de esqui e lagos congelados, a alta temporada é de outubro a março. A melhor escolha a se fazer ao ir para a Europa é a média temporada. Não vale a pena pagar mais barato para perder as melhores atrações.


Ásia: é interessante evitar tanto a alta temporada, de janeiro a abril, como o período de monções, que ocorre de maio a outubro, sendo novembro e dezembro as melhores datas para marcar uma aventura. Abril e maio, no entanto, costumam ter muitas ofertas. Existe a possibilidade de você pegar tempestades, apesar de não serem muito comuns, então dá para economizar uma boa grana, se quiser correr o risco.


México, Caribe e Sul da Flórida: o Spring Break ocorre no mês de março, é a época mais animada e com mais atrativos. Entre agosto e novembro costumam ocorrer furacões. Melhor evitar.


Baixas temporadas no Brasil

Amo Viajar

Litoral nordestino: de agosto a novembro os pacotes ficam de 30% a 50% mais baratos e o clima é quente o ano todo. Os destinos mais procurados do mercado são Fortaleza (CE), Porto Seguro (BA), Maceió (AL), Natal (RN) e Porto de Galinhas (PE).
Litoral catarinense: de março a junho, no outono brasileiro, os dias são mais claros e ensolarados, a temperatura é mais amena, tem menos chuvas e as praias são mais vazias. Florianópolis, Balneário Camboriú, São Francisco do Sul, Laguna e Ibituba são as mais procuradas.


Cidades históricas de Minas Gerais: de abril a setembro as chuvas diminuem, assim como os preços para visitar as cidades do período colonial, como Tiradentes, São João del Rei, Ouro Preto e Mariana.


Lençóis Maranhenses: de maio a setembro, quando acaba a estação chuvosa, as lagoas entre as dunas ficam cheias e bem mais bonitas. Os municípios de Barreirinhas, Santo Amaro e Primeira Cruz são destinos procurados pelos amantes de turismo de aventura em contato com a natureza. Para bons descontos, compre com 60 dias de antecedência.


Fernando de Noronha: de abril a junho a ilha realiza a campanha “Temporada mais Noronha”, que oferece descontos de até 30% nos pacotes turísticos. Apesar de ser temporada de chuvas, é possível aproveitar os atrativos da ilha, fazer várias trilhas, mergulhos e passeios de barco.


Foz do Iguaçu: entre março e junho, os preços caem até 40%, além de os passeios serem menos concorridos nas Cataratas, na Trilha do Poço Preto e na Ilha dos Papagaios. Mas evite feriados prolongados, pois a cidade fica lotada.


Serra Gaúcha: de fevereiro a maio e a partir da segunda quinzena de agosto até outubro, a economia também chega a 40%, além dos parques oferecerem vários descontos nos ingressos. O local também possui diversos eventos de baixa temporada, tais como a Festa da Colônia em Gramado (agosto), a Festa da Uva em Caxias do Sul (fevereiro e março), a Festa da Vindima em Bento Gonçalves e Garibaldi (janeiro a março), a Semana do Bebe de Canela (maio) e a Festa Nacional da Música de Gramado (outubro).


Um mês de férias pode ser muito pouco para conseguir relaxar e renovar as energias perdidas ao longo do ano. Mas, com um bom planejamento e as datas certas, esse período pode ser aproveitado em dobro e usufruído ao longo dos doze meses, com muito mais experiências incríveis e gastando bem menos em cada uma delas!

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

Conteúdo de responsabilidade do anunciante

Bancorbrás