Agnelo tenta retomar contato com Bird para garantir financiamentos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/12/2010 08:15 / atualizado em 16/12/2010 23:14

Juliana Boechat

Superada a crise política que assombrou o Distrito Federal ao longo do último ano, o governador eleito, Agnelo Queiroz (PT), reatou os laços com o Banco Mundial (Bird), um dos principais financiadores de projetos da capital federal. No início da tarde de ontem, o petista se reuniu com o diretor da instituição bancária no Brasil, Makhtar Diop, para pedir a continuidade de repasses, hoje congelados, ao GDF e buscar apoio financeiro para as áreas da Saúde, da Educação e de Transporte nos próximos quatro anos. Com a deflagração da Operação Caixa de Pandora no ano passado, o Banco Mundial deu um passo atrás nas negociações com o governo local. Ontem, porém, durante a visita de cortesia, Agnelo reconquistou o apoio de Diop: os dois marcaram reuniões de trabalho para a segunda semana de janeiro e também em fevereiro para tratar de projetos.

Ontem, eles trataram do andamento do Projeto Brasília Sustentável, iniciado em 25 de agosto de 2005. Dos US$ 159 milhões negociados, 65% foram pagos ao GDF e outros 35% permanecem suspensos. O programa prevê obras de saneamento básico e infraestrutura para reduzir desigualdades e o nível de poluição dos mananciais, promover a inclusão social e melhorar a qualidade de vida das comunidades de Águas Lindas (GO) e Vicente Pires. O fim do processo de repasse de verbas está marcado para 31 de março do próximo ano, mas o prazo deverá ser ampliado até o fim de 2011 para possibilitar o investimento total. O projeto está sendo coordenado pela Secretaria de Infraestrutura e Obras. “O diretor se mostrou satisfeito. O novo governo passa esperança em superar essa crise e retomar as relações normais. Essa parceria é um interesse nosso”, disse Agnelo, ao fim do encontro.

O governador eleito garantiu que o Distrito Federal tem capacidade de negociar novos empréstimos internacionais. “Atualmente, nossa economia está desorganizada, mas a capacidade de endividamento de Brasília é grande. Vamos analisar os custos e a forma de melhorarmos as áreas fundamentais do Distrito Federal”, explicou. Quando chefiava o Buriti, José Roberto Arruda foi algumas vezes aos Estados Unidos e à Europa em busca de investimentos para infraestrutura local e para a realização de grandes obras de transporte. Após o susto provocado pela crise política, muitas negociações foram retomadas por Rogério Rosso (PMDB) e, agora, por Agnelo. Em julho do ano passado, a Agência Francesa de Desenvolvimento garantiu o empréstimo de R$ 330 milhões para a construção do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

No último dia 9, o petista eleito visitou o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para manter o contrato atual entre a instituição e o GDF, de US$ 176 milhões — cerca de R$306 milhões — destinados à obra da Linha Verde, na Estrada Parque Taguatinga (EPTG). Na ocasião, Agnelo deu o primeiro passo para negociar a ampliação dos recursos a ser investidos no VLT e no Veículo Leve sobre Pneus (VLP). Os dois projetos visam atender as demandas que serão geradas com a realização de jogos da Copa do Mundo de 2014 na capital. A competição deverá pautar as próximas conversas sobre investimento em Brasília. “As obras vinculadas à Copa trarão melhorias para a cidade em geral”, disse Agnelo, na tarde de ontem.

Secretarias
Questionado sobre a formação do secretariado, Agnelo desconversou. A 15 dias do início do mandato, apenas três nomes do time petista foram divulgados. O restante deve ser anunciado na próxima segunda-feira. Na área de Cultura, cerca de oito nomes estão sendo cogitados, entre eles o dono do açougue T-Bone, Luiz Amorim, e o poeta Hamilton Pereira, mais conhecido pelo pseudônimo Pedro Tierra. Amorim confirmou a sondagem por petistas, mas disse não ter interesse no cargo. “Estou mais para secretário do T-Bone”, brincou. Até agora, Rafael Barbosa foi confirmado para assumir a pasta de Saúde e Moisés Simão, a de Fazenda. O novo procurador-geral do Distrito Federal será Rogério Chaves. Algumas secretarias permanecem em aberto. As negociações em torno da organização do futuro governo devem tomar o fim de semana.


PEREGRINAÇÃO
Desde que voltou da semana de descanso, que tirou logo após vencer as eleições, Agnelo visitou várias instituições públicas do Distrito Federal. Ele passou pelo gabinete do governador, Rogério Rosso (PMDB), pelo Tribunal de Contas do Distrito Federal, pela Câmara Legislativa e por diversos ministérios. As visitas de cortesia servem para abrir portas para futuras negociações. No Ministério da Saúde, o petista pediu apoio para a área considerada por ele prioritária e, no encontro com o ministro Orlando Silva, do Esporte, fechou apoio para a Copa do Mundo. Nas últimas duas semanas, as visitas às instituições financeiras foram intensificadas, já que elas podem facilitar o repasse graúdo de verbas para o DF.
Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.