Morre Dona Maria Rosa Leite Monteiro, mãe de Honestino Guimarães

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 20/09/2012 09:10 / atualizado em 21/09/2012 10:04

Fred Bottrel

Raimundo Pacco/CB/D.A Press - 10/7/2000
Dona Maria Rosa Leite Monteiro, mãe do estudante Honestino Guimarães, desaparecido nos anos 1970, faleceu na madrugada desta quinta-feira (20/9), aos 84 anos. Uma das primeiras vozes a denunciar os desaparecimentos e torturas durante a Ditadura Militar no Brasil, Dona Rosa vinha recentemente enfrentando problemas de saúde relacionados à perda de memória. Sofreu uma queda no último final de semana, no apartamento em que morava, em Águas Claras. Foi internada com fratura no fêmur e não resistiu às complicações decorrentes de uma cirurgia, no Hospital Alvorada, em Taguatinga.

Desde o desaparecimento de Honestino, que era líder estudantil na Universidade de Brasília (UnB), Maria Rosa se empenhou em luta fenomenal para encontrá-lo. Relatou a saga no livro Honestino, o bom da amizade é a não cobrança, importante registro sobre o período. Foi dos primeiros documentos a revelar a dor do desaparacimento de procurados da ditadura a partir do âmbito familiar. Honestino Guimarães, desaparecido em 10/10/1973 aos 26 anos, foi sequestrado, torturado e morto. O corpo de Dona Rosa será velado a partir de 9h desta sexta-feira (21/9), na capela 6 do Cemitério Campo da Esperança, na Asa Sul.

Confira algumas páginas do Correio protagonizadas por Dona Rosa. Clique nas imagens para ler as reportagens.

"Do que esse povo tinha medo? Eram jovens que se defendiam por meio da palavra bem articulada. As mães devem exigir justiça"
9/6/1992


"Sou uma mulher de muita coragem"
23/2/2002


"Os governantes insistem em esquecer o caso"
24/10/2004

publicidade

Tags:

publicidade