Tratamento que leva em conta benefícios do amor conquista cientistas

Desenvolvido pela neurocientista Lúcia Willadino Braga, presidente da Rede Sarah, o método que acelera a melhor dos pacientes já é aplicado em mais de 30 países

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/06/2013 06:00

Adriana Bernardes

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press - 21/11/12

Afirmar que o afeto da família durante o tratamento médico é fundamental para a recuperação do paciente parece tão óbvio quanto dizer que um mais um é igual a dois. Mas há pouco mais de 30 anos, quando uma jovem neurocientista da Rede Sarah teve a humildade de reconhecer e, principalmente, valorizar a sabedoria das mães de seus doentes, pareceu um absurdo tão grande que a comunidade médica se recusava a acreditar.

A convicção de Lucinha, como é conhecida Lúcia Willadino Braga, não se abalava. “Lembro-me de uma mãe semianalfabeta que fazia uma leitura tão boa do seu filho… Ela parecia ser pós-graduada em neuropsicologia. Então, comecei a chamar os pais para dentro do consultório. E a resposta dos pacientes foi muito melhor”, relembra. Mas ela ainda encontrava resistência dentro e fora do Brasil. Para muitos colegas estrangeiros, a atenção dada por Lucinha aos familiares dos doentes era coisa de mulher, de mulher latina, uma bobagem.

Leia mais notícias em Cidades

A neurocientista partiu então para a única linguagem capaz de convencer seus pares. Precisava provar sua teoria. Na prática, isso significava medir, cientificamente, os benefícios do amor para acelerar a melhora do paciente. E ela conseguiu. Fez isso com métodos rigorosos de pesquisa. Calou os céticos e hoje a forma de tratamento desenvolvida em Brasília é aplicada em centros médicos de mais de 30 países, entre eles Dinamarca e Suécia. Lá fora, a técnica desenvolvida por Lucinha já é chamada de “método Braga”.

Entrevista com Lúcia Willadino, diretora-executiva da rede Sarah