Cidades

Insegurança: em 6 dias, 25 pessoas perderam a vida nas mãos de bandidos

Números da SSP-DF mostram que em janeiro deste ano o número de homicídios no DF aumentou 42,8% em relação ao mesmo período do ano passado

postado em 31/01/2014 17:38
Nos primeiros 30 dias deste ano, o número de homicídios no Distrito Federal cresceu 42,8% em relação a janeiro de 2013, segundo dados da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP/DF) divulgados nesta sexta-feira (31/1). Até ontem (30/01) foram registrados 70 homicídios, além de cinco casos de latrocínios, como o caso da morte do jovem Leonardo Almeida, assassinado em frente ao edifício em que morava na última quarta-feira. Somente nos últimos seis dias, 25 pessoas perderam a vida nas mãos dos bandidos.

[SAIBAMAIS]De acordo com o levantamento da SSP-DF, as regiões de Ceilândia, Paranoá e Samambaia foram as cidades com o maior número de homicídios registrados com 14, 12 e 9, respectivamente.

Os números da insegurança no DF ficam ainda mais expressivos quando são levados em conta as tentativas de homicídios e latrocínio. Neste mês, houve um crescimento de 60,7% dos casos em relação a janeiro do ano passado. Em janeiro de 2014, 164 pessoas correram o risco de serem mortas em tentativas de assassinatos e furtos.

Leia mais notícias em Cidades

Em janeiro do ano passado, foram computados 49 homicídios e 4 casos de latrocínios. Um dos fatores para o índice em 2014 ter se agravado foi a deflagração da Operação Tartaruga por parte da Polícia Militar. A operação é um movimento reivindicatório dos militares por melhorias salariais. No entanto, o processo de negociação deu lugar à lentidão nos trabalhos e, em casos extremos, ao não atendimento de ocorrências, o que tem deixado os moradores do DF apreensivos.

Na manhã de hoje, o governador Agnelo Queiroz e o secretário de Segurança Pública, Sandro Avelar, se reuniram com a cúpula de segurança pública no Quartel do Comando-Geral da Polícia Militar do DF para tratar sobre a violência e a Operação Tartaruga. No encontro, o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Anderson Carlos de Castro Moura garantiu que os militares trabalharão todos os dias até que a corporação restaure a ordem nas ruas do DF. Segundo ele, todos os policiais que participaram da Operação Tartaruga passarão por um procedimento disciplinar, podendo ser punidos com advertências e até mesmo demissão do cargo em que ocupam.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação