publicidade

"Não sei o que fazer", diz mãe, após suspensão do cartão material escolar

Tumulto na entrega do benefício em Ceilândia, na semana passada, alterou os planos de distribuição da Secretaria de Educação. O ano letivo já começou, e pais não sabem como comprarão os itens pedidos pelas escolas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 11/02/2014 06:02

Camila Costa

Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press

A Secretaria de Educação suspendeu a distribuição do cartão material escolar. A pasta tomou a decisão após tumulto na entrega em Ceilândia, no último dia 5, data de início do ano letivo na rede pública. Na maior cidade do DF, 10.635 famílias receberam o benefício, mas só depois de enfrentarem fila e confusão. Ontem, pais e mães de estudantes de Santa Maria, sem saber da suspensão, foram até o Banco de Brasília (BRB) pela segunda vez na esperança de pegar os cartões. No sábado, fizeram a primeira tentativa.

Segundo a secretaria, o programa está sendo reestruturado para adequar os locais de entrega em cada região. A previsão, de acordo com a pasta, é de que Santa Maria receba um novo cronograma de distribuição hoje. Ao todo, o benefício será entregue para 130 mil alunos do DF. “Precisamos rever a logística de entrega após a experiência em Ceilândia, que ficou complicada”, explicou o subsecretário de Infraestrutura e Apoio ao Educando da Secretaria de Educação, Marco Aurélio Soares. Ele afirmou que as coordenações regionais de ensino avisaram aos alunos e enviaram bilhetes para casa informando sobre a interrupção.

Em Santa Maria, uma van itinerante do BRB faria a entrega dos cartões. Centenas de pais ficaram horas na fila, mas não conseguiram o auxílio. Funcionários do banco falaram ao Correio que a única informação passada para eles era de que o serviço seria suspenso. O Programa Cartão Material Escolar é um vale de R$ 226, que deverão ser gastos até 16 de maio. Cada estudante tem direito a um cartão pré-pago, com função apenas para débito.

Desempregada, Ana Judite Monteiro Galvão, 38 anos, não sabe como fará para comprar o material dos três filhos. Ela conta exclusivamente com o auxílio para a despesa. “No ano passado, foi o que salvou. Não faltou nada para eles, mas agora não sei o que fazer”, lamentou ela. No último dia 5, a Secretaria de Educação do DF publicou, na página da pasta na internet, uma nota de esclarecimento sobre o cartão, informando que a entrega está sendo reformulada. Não falam, no entanto, sobre interrupção do programa. Inclusive, avisam da entrega no Paranoá, que começou ontem e se estende até hoje.

publicidade

Tags:

publicidade