Áreas que seriam para agropecuária são tomadas por parcelamentos ilegais

O Correio começa hoje uma série para explicar como nos lugares onde deveria aparecer o verde foram tomadas pelo cinza.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/02/2014 07:00 / atualizado em 16/02/2014 09:48

Thaís Paranhos , Almiro Marcos

Breno Fortes/CB/D.A Press

Do projeto à realidade, os caminhos mudaram. Brasília foi muito além do traçado urbanístico e das quatro escalas idealizadas pelo arquiteto e urbanista Lúcio Costa. Datada dos anos 1950, a proposta original vencedora do projeto da nova capital previa a criação de um cordão verde ao redor da cidade com as funções de proteger o meio ambiente e abastecer a população com alimentos produzidos aqui mesmo. Com alguns ajustes, o projeto foi executado. Surgiram granjas, núcleos e colônias agrícolas nos anos seguintes. No entanto, a zona rural não cumpriu o papel primordial, e a paisagem mudou mais rápido do que se poderia imaginar. O que seria um cinturão esverdeado de áreas preservadas, plantações e pastagens foi perdendo a cor esperada. Assumiram tons escuros de asfalto e multicoloridos das construções. Muitos pontos sofreram intenso processo de descaracterização. No lugar de campos e pastos, sobrevieram barracos, casas e prédios em ocupações irregulares, com pouca infraestrutura para os moradores.

Leia mais notícias em Cidades

Seja em decorrência de invasões, ações de grileiros seja por uma estratégia do governo para expandir a malha urbana, o fato é que alguns locais deixaram de ter a agropecuária como atividade principal. A ferida na área do DF parece não cicatrizar. O Plano Diretor de Ordenamento Territorial (PDOT), elaborado pelo governo em 2009 e revisado em 2012, aponta a existência de 317 parcelamentos irregulares do solo. Desse total, 117 surgiram em áreas rurais, o que representa quase 37% do total. De lá para cá, passaram-se cinco anos e a sangria não tem fim. O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) estima que a capital hoje tenha ultrapassado o número de 600 áreas ilegais — e a proporção de ocupação na zona rural continuaria em torno de um terço.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.