publicidade

Greve dos metroviários chega ao quarto dia com estações lotadas

Os passageiros que optaram ir de ônibus também encontram paradas cheias

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 07/04/2014 08:20 / atualizado em 07/04/2014 15:07

Ailim Cabral , Rodolfo Costa

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

O segundo dia útil de greve do metrô lotou ainda mais as paradas de ônibus do Distrito Federal, nesta segunda-feira (7/4). Nas estações, as esperas são prolongadas, trens lotados e atrasos. De acordo com a Companhia do Metropolitano do DF (Metrô-DF), sete trens estão em circulação, nos dias normais são 24.

Os passageiros que conseguem embarcar nos poucos trens em circulação ficam espremidos nas portas. Dez estações estão fechadas para embarque. O intervalo entre os trens nas estações de Samambaia e Ceilândia é de 30 minutos. Em Águas Claras, a cada 15 minutos chega uma composição.

O presidente da companhia, Alberto Siqueira, percorre algumas estações com o gerente de operações do Metrô-DF e avalia a situação que a greve está causando aos passageiros.

Leia mais notícias em Cidades

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

A doméstica Geane da Silva, 49 anos, está há duas esperando um trem na estação da Praça do Relógio. Ela precisava estar no Hospital da Criança às 7h15 para pegar remédios para o filho. "Tentei ir de ônibus, mas a situação está pior. Os coletivos passam, mas não param", reclama.

A leitora Sandra Maria disse que apenas uma catraca da para o cartão Fácil está liberada na estação de Samambaia Sul. Com isso, os passageiros enfrentam fila que passam das escadarias do terminal.

Sandra Maria/Divulgação


Reivindicações
Os metroviários que aderiram à greve na última sexta-feira (4/4), reclamam da falta de negociação com o Governo do DF (GDF) por melhorias para a categoria. Entre as reivindicações estão correção das distorções salariais do Plano de Carreira; redução de jornada para 6 horas; reajuste salarial de 10%; plano de previdência complementar; aumento da quebra de Caixa da bilheteria, entre outros.

A paralisação terá tempo indefinido. De acordo com o Sindicato dos Metroviários do Distrito Federal (Sindmetrô-DF), a categoria vai manter 30% do efetivo trabalhando.

Assista à reportagem da TV Brasília

publicidade