Sem estacionamento, seguraça e com alto custo, lojas do DF fecham as portas

Levantamento da Associação Comercial do Distrito Federal mostra que 21% dos estabelecimentos das asas Sul e Norte estão desocupados. Falta de estacionamento, insegurança e altos impostos são os maiores problemas apontados pelos lojistas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/02/2015 08:23 / atualizado em 07/02/2015 15:28

Paloma Batista

Carlos Moura/CB/D.A Press


“Passo o ponto”, “aluga-se”, “vende-se”. Tem ficado cada vez mais comum encontrar cartazes com esse tipo de anúncio colados nas vitrines de lojas de Brasília, vazias e de portas trancadas. Em algumas quadras, é possível achar vários espaços vagos, um do lado do outro. Ao longo da W3, também não faltam estabelecimentos desativados, de diversos ramos. De acordo com a Associação Comercial do Distrito Federal, aproximadamente 21% das lojas nas asas Sul e Norte estão fechadas — um total de 2.153 —, deixando cerca de 21 mil pessoas desempregadas. De março para dezembro do ano passado, 228 comércios nos dois bairros deram fim às atividades. A tendência se repete no DF inteiro, onde 16,16% dos estabelecimentos estão vazios, à espera de serem alugados ou comprados (leia quadro).

De acordo com o presidente da ACDF, Cléber Pires, a situação não tem precedentes na região e a tendência é ficar ainda pior. Falta de estacionamento, insegurança e alta carga tributária são as principais causas do problema. “Dessas, a terceira é a de menor influência. Se as empresas tivessem como vender, as taxas não seriam impeditivo”, acredita. O presidente do Sindicato do Comércio Varejista do DF (SindiVarejista), Edson de Castro, também destaca a popularização das feiras especializadas de roupas, acessórios e outros produtos, que tem provocado um impacto negativo no comércio tradicional. “Os lojistas têm de pagar aluguel e impostos mais pesados, deixando os preços menos competitivos, diferentemente dos feirantes”, critica.

Leia mais notícias em Cidades

Dentre todos os problemas, a falta de vagas para veículos é o que afeta mais diretamente o desempenho das lojas. “Locais como a W3 e as quadras comerciais não têm a mesma vantagem que os shoppings. Se as pessoas não têm como parar para comprar, elas desistem”, comenta o presidente da ACDF. Como alternativa, o órgão apresentou um projeto de lei ao governo que sugere a criação de estacionamentos rotativos pagos (Veja Para saber mais). Outra questão são os constantes roubos e furtos, que têm deixado os donos de lojas receosos. “Um estabelecimento que é assaltado uma vez consegue se recuperar. Mas, depois de uma segunda e uma terceira, acaba fechando”, completa Pires.

Desconfiança
Entre os lojistas do Distrito Federal, o sentimento é de desânimo. Em junho de 2014, a empresária Carmo Orrico, 49 anos, decidiu transferir a sede da sua loja de doces portugueses, localizada no subsolo de um prédio comercial na 214 Norte, para um estabelecimento no térreo, na 114 Norte. Com a mudança, os preços aumentaram e, mesmo com clientes fiéis, as contas ficaram pesadas demais. Em janeiro, o Delícias Lusas fechou as portas. “O aluguel era caríssimo e, como não havia quase nenhuma vaga para estacionar, poucos fregueses paravam para conhecer o lugar”, relata Carmo. Atualmente, ela trabalha em uma casa de Sobradinho e atende apenas por encomenda, na tentativa de reduzir os custos.

Carlos Moura/CB/D.A Press


A empresária Bernardeth Martins, 54, passou por situação parecida. Ela é dona de uma loja de roupa infantil no Jardim Botânico e, em junho de 2013, decidiu abrir uma filial na 510 Sul. O novo empreendimento duraria apenas um ano. “Eu pagava R$ 10.400 de aluguel. Um absurdo. Para piorar, a região é perigosa. Um pouco antes de fechar, a loja foi furtada enquanto a gente estava no depósito, no andar de baixo”, conta. Outro problema eram as condições do prédio. “Eles são velhos e os proprietários nem se dão o trabalho de melhorar. Cheguei a sofrer vários alagamentos e perder muita mercadoria”, reclama.

Para quem aluga, a situação também está difícil. A empresária Esdra Chaer, 48 anos, é dona de quatro lojas na comercial da 305/306 Sul. Uma delas era alugada há 14 anos, pela mesma pessoa, que mantinha uma loja de roupas no local. “Ela não deu conta de pagar as contas e saiu em novembro. Há um ano, eu não ia nem ter precisado colocar anúncio para conseguir um substituto na hora. Com as coisas do jeito que estão, não achei ninguém até agora”, diz. Para tentar vender o ponto, ela está cobrando R$ 50 mil, metade do valor.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Samuel
Samuel - 30de Março às 13:39
Os lojistas reclamam da falta de estacionamento, mas eles e os funcionários são os primeiros a ocuparem as vagas, que assim ficam o dia inteiro. Dica: proprietários e funcionários devem estacionar na quadra residencial, e deixar as vagas mais próximas para os clientes. Também sou a favor do estacionamento rotativo. Todas as grandes cidades têm, menos Brasília.
 
Leonardo
Leonardo - 08 de Fevereiro às 00:33
Liga pro Aguinelo.