Terreiro de candomblé é incendiado na região do Lago Norte

O barracão incendiado fica dentro do templo Axé Oyá Bagan, mais conhecido como Casa da Mãe Baiana, no Núcleo Rural Córrego do Tamanduá

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/11/2015 09:37 / atualizado em 27/11/2015 15:02

Um barracão do templo Axé Oyá Bagan, de religião de matriz africana, foi incendiado na madrugada desta sexta-feira (27/11), no Núcleo Rural Córrego do Tamanduá, entre as regiões do Lago Norte e do Paranoá. O espaço também é conhecido como Casa da Mãe Baiana e fica dentro de uma chácara. As chamas tiveram início por volta das 5h.

CBMDF/Divulgação

Leia mais notícias em Cidades

Segundo a produtora cultural Marta Carvalho, 44 anos, duas pessoas dormiam no local quando começaram a ouvir estalos. Em seguida, perceberam que tratava-se de um incêndio. Testemunhas contam que o fogo se alastrou rapidamente pela estrutura de madeira. "Perdemos tudo que estava lá dentro, inclusive as imagens", relatou Marta.
 
CBMDF/Divulgação
O Corpo de Bombeiros foi acionado. Uma equipe da corporação atuou até a extinção das chamas. Ninguém se feriu. Os militares fizeram perícia no local. O resultado do laudo deve sair em 30 dias.
 
Esse é o mais recente caso de ataque a terreiros na região do DF e Entorno. Em setembro, ao menos outros dois templos de religiões afro-brasileiras foram atacados: um em Santo Antônio do Descoberto (GO) e, outro, em Águas Lindas de Goiás (GO). Ambos foram incendiados, sendo que o primeiro já tinha sido alvo de outras ações.
 
No terreiro de Águas Lindas, vizinhos chegaram a avistar uma Saveiro. O carro derrubou o portão. As delegacias das regiões ainda investigam os casos. Ninguém foi preso desde então.
 
Segundo informações da Polícia Civil, até o momento, não há registro de ocorrência no sistema da corporação. A expectativa é de que o caso seja registrado na 9ª Delegacia de Polícia (Lago Norte).
 
Reprodução/WhatsApp
 
Há suspeita de que o incêndio tenha sido motivado por intolerância religiosa. O ataque acontece uma semana depois das comemorações do Dia Nacional da Consciência Negra (em 20 de novembro).
 
Representantes da Secretaria de Políticas promoção da Igualdade Racial da Presidência da República e da Fundação Cultural Palmares  estiveram no local e vão acompanhar as investigações. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Jefferson
Jefferson - 12 de Fevereiro às 11:03
O laudo saiu e quer saber? Foi um curto-circuito, ou seja, falaram falaram, mas estavam errados.
 
Alan
Alan - 27 de Novembro às 16:32
É normal esses jornais publicarem suas matérias tendenciosas. O que ainda me assusta, são leitores (alguns, é claro) não terem a percepção, nem um senso crítico qualquer em ver que as matérias simplesmente aguçam o desentendimento, provoca a violência e sobretudo, enaltece o mau. Avaliem, e vejam que, quem escreveu a matéria, já informa que o terreiro foi incendiado... Quero dar os parabéns aos comentaristas que percebem que velas madeira = combustão. Agora se o jornalista consegue perceber isso por osmose, logo, sugiro que seja perito da polícia ou do corpo de bombeiros, desta forma, será mais útil que escrever material jornalístico.
 
Tânia
Tânia - 27 de Novembro às 16:32
Onde iremos parar com tanta maldade. Cara se eu não gosto não me aproximo, agora destruir, agredir, julgar é realmente atitude de gente pobre de espírito. Se me disser que esse mal feitor é cristão com certeza esse deve servir ao capeta pra ser tão negativo e mal, invejoso, miserável e pobre de de espírito.
 
henrique
henrique - 27 de Novembro às 15:55
Quando li o título pensei logo que seria a casa da Dinda!
 
elanio
elanio - 27 de Novembro às 15:39
enquanto vivermos em um País, onde não se pode contar com o poder dos deputados, pois eles estão lá para criarem e aprovarem leis que impeça esse tipo de barbárie, vamos sempre ter esse tipo de atitudes de pessoas com mentes pequenas que dizem ser de Deus, mas que na verdade não tem Deus em suas vidas, fico pensando como será a vida de uma criatura dessa que se vangloria em atacar, incendiar, uma casa onde quem estão ou vão la para simplesmente ter uma vida melhor procurar uma cura espiritual com os caboclos, caticós, exus, e orixás. será que a vida dessa ou dessas pessoas que fizeram isso é uma vida de abundancia? desejo firmemente que meu pai Xangô e minha mãe Oxum de a eles o que eles merecem ....
 
dayane
dayane - 27 de Novembro às 17:45
Seus deuses te deram visão do que aconteceu ? Torço para que o Corpo de Bombeiros apresente o laudo para o Correio Brasiliense, para ser dito o que realmente aconteceu, não podemos sair julgando nem A e muito menos B, sem sabermos de onde surgiu as chamas.
 
Elizeu
Elizeu - 27 de Novembro às 15:00
Alguns centros espíritas de Umbanda, Candomblé e Kardecista, sofreram incêndios; isto desde os anos sessentas!!! Causas comprovadas: barracos de madeira, descuido, velas acesas, curto circuito nas gambiarras, que destruíram mais de dez templos. Graças a Deus, no Brasil, não há intolerância religiosa, pois a Constituição Federal de 1988, nos faculta o direito de professarmos a nossa fé sem medo!!! Então, não podemos sair arvorando acusações, sem provas e contraprovas. Houve um incêndio? Corpo de Bombeiros e Policias têm o dever de investigar, e determinar as causas do sinistro ocorrido. Agora, a reconstrução carece de ajuda financeira, é hora de todos aqueles, que são beneficiados com o trabalho espiritual se prontificarem em colaborar com a liderança da entidade espírita.
 
Carlos
Carlos - 27 de Novembro às 14:21
Concordo plenamente com o Jefferson e o Mário, não houve perícia ainda, como podem afirmar que foi incendiado e que trata-se de caso de intolerância religiosa. O Correio tem que ter mais cuidado e ser mais diligente ao publicar as reportagens, tem que ter mais profissionalismo e menos achismo.
 
Jefferson
Jefferson - 27 de Novembro às 13:34
Como o Correio afirma que foi "incêndiado" e que "é o mais recente caso de ataque a terreiros na região " sem o laudo dos bombeiros? E os senhores comentaristas compram a informação sem qualquer contestação. Esse país já era mesmo!
 
dayane
dayane - 27 de Novembro às 17:42
Esse Fábio é sem noção. Somente crente que critica algo, a verdade é que vocês julgam de mais os evangelicos. e lembrado que- crente significa crer em algo então todos nos somos. Realmente o Jefferson está certo, como que estão afirmando algo, sendo que ainda não liberado o laudo do Corpo de Bombeiros. Não sejamos TOLOS.
 
Marcos
Marcos - 27 de Novembro às 14:26
O repórter deve ser perito. Nunca antes na história desse país...
 
Fabio
Fabio - 27 de Novembro às 14:24
Simples: algo que tem ocorrido com frequencia. Não precisa ser gênio pra ver isso. Esse Jefferson deve ser um crente defendendo o lado dele.
 
Mário
Mário - 27 de Novembro às 13:07
Como são rápidos na investigação. Aonde tem indícios de que foi proposital? Ninguem viu nada. Investiguem primeiro pra depois ficar levantando a tal ''intolerância religiosa". Esses locais costumam utilizar muitas velas, o barracão de madeira, pode muito bem ter sido acidental.
 
elanio
elanio - 27 de Novembro às 15:31
Querido Mario para um barracão que esta instalado a muitos anos, e sempre teve praticas religiosas e nunca aconteceu essas coisas e mais fácil dizer sim que é intolerância religiosa, sou de barracão filho de xangô e peço ao meu pai que a verdade seja dita e comprovada e que os culpados paguem por desrespeita um um orixá que não fez nada pra ninguém.. olha nunca vi uma pessoa de terreiro colocando fogo em uma igreja que seja evangélica ou católica só queremos na verdade e seguir nossa fé
 
Fabio
Fabio - 27 de Novembro às 14:24
Simples: algo que tem ocorrido com frequencia. Não precisa ser gênio pra ver isso. Esse Jefferson deve ser um crente defendendo o lado dele.
 
Gilmar
Gilmar - 27 de Novembro às 12:46
A reportagem diz: " O ataque acontece uma semana depois das comemorações do Dia Nacional da Consciência Negra (em 20 de novembro). Tá bom! E o que tem uma coisa com a outra? O que o Correio quer dizer com isso? Que só os negros são desta "religião" de matriz africana? Ou que foi algum negro que colocou fogo no terreiro? Redator tendencioso.
 
Geovana
Geovana - 27 de Novembro às 11:47
Que intolerância é essa??!!! Cade o estado laico onde todos podemos a religião que mais nos convier? O ser humano não aprende nunca que liberdade não se acaba queimando o templo dos outros. Deus vê tudo e ninguém é dono de verdade alguma. Vamos respeitar para não nos tornamos um Pais de intolerância religiosa e acabarmos numa guerra sem fim como os países muçulmanos. Isso é crime e espero de coração que a polícia se empenhe em achar os culpados.
 
Marcela
Marcela - 27 de Novembro às 11:15
Que horror!!! A inércia de todos e as penas baixíssimas (art. 208 do CP) consolidam o sentimento de impunidade a motivar estes criminosos covardes, que justificam tais atos de barbárie numa leitura totalmente equivocada da palavra de Cristo. Até quando?
 
SALOMÃO
SALOMÃO - 27 de Novembro às 11:12
Atenção gente!!! Se liga!!! Isso não é intolerância religiosa, isso é vandalismo, e deve ser tratado como tal, pois só está acontecendo ataques desse tipo, agora que o assunto está na mídia.. Já que não há punição adequada, os marginais trabalham.
 
Antônio
Antônio - 27 de Novembro às 11:10
Esperamos que não seja mais um Atentado da Perseguição Religiosa por que passam as religiões de origem africana, que, infelizmente, têm sido admoestadas, ultimamente, por elementos fanatizados de outros seguimentos religiosos.
 
Magda
Magda - 27 de Novembro às 10:06
Enquanto não for tomada um séria providência, enquanto continuar a conivência com os intolerantes, eles continuarão com sua saga insana, posando de bom cristão e usando mentiras e absurdos para justificar estes atos criminosos
 
Elizeu
Elizeu - 27 de Novembro às 14:45
Magda querida, não podemos acusar ninguém. Tínhamos dois terreiros (Caminheiros de Nossa Senhora da Conceição; e Centro Espírita São Jorge Guerreiro), os dois foram destruídos por incêndios (velas acesas em barracos de madeira). Depois de construídos em alvenaria, nunca mais sofreram nenhum tipo de sinistro. São Centros de atendimentos sociais, varias famílias são atendidas com: Escolas; Creches; Tratamento de alcoolismo e drogados.