publicidade

Vídeo de criança desesperada ao ser separada da mãe comove internautas

Juiz devolveu criança brasiliense ao pai em audiência ocorrida na noite dessa quarta-feira (27/1)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
Reprodução/Facebook

Tem causado comoção nas redes sociais um vídeo em que um garoto de 6 anos chora e implora por ajuda ao ser retirado do colo de um homem e entregue ao pai. As cenas foram gravadas na noite dessa quarta-feira (27/1) durante audiência realizada no Fórum do Riacho Fundo I, cidade onde a mãe da criança mora. O juiz Edmar Ramiro Correia decidiu devolver a guarda ao pai, que mora em Capivari, interior de São Paulo.
 


A mãe, que foi casada com o homem por cerca de um ano, conta que a separação, ocorrida em 2011, aconteceu devido às constantes agressões físicas e psicológicas que sofria. A mulher denunciou o então marido à polícia três meses após o casamento.  Ela afirma que cedeu a guarda da criança ao pai por conta de várias ameaças a ela e aos familiares. "Nunca imaginei que ele pudesse fazer com o meu filho o que fazia comigo", justifica.

Em setembro do ano passado, a mãe soube pela ex-cunhada que o filho sofria maus tratos do pai e da madrasta. Ela ligou no Conselho Tutelar de Capivari e explicou a situação. "Falei que meu filho estava sofrendo e pedi para que eles fossem à casa dele verificar a denúncia mas, horas depois, meu ex-marido me ligou e ameaçou matar o menino se eu acionasse a justiça".

Com todo o ocorrido a mãe resolveu procurar a Defensoria Pública do DF, que a aconselhou ir à cidade ver como a criança estava. "Quando cheguei em São Paulo, não reconheci meu filho. Ele estava muito triste, chorava, estava abatido, magro. Quando era contrariado, xingava e mordia as pessoas. Ele me implorou para ficar comigo, então resolvi trazê-lo para casa", relata.

De volta ao DF a mãe procurou o Conselho Tutelar, onde a criança foi ouvida. Ela recorreu à Defensoria Pública e pediu a guarda provisória, concedida no mesmo mês. Segundo o laudo emitido pelo conselho tutelar, a criança relatou com riqueza de detalhes agressões físicas que sofria. O texto do documento diz que o menino não queria voltar a morar com o pai e madrasta.

O Ministério Público do DF também foi acionado e emitiu análise na qual consta que o menino não estava em situação de risco em companhia da mãe, de seus familiares e amigos. O MP identificou diferentes opiniões dos conselhos tutelares de Capivari e do Riacho Fundo. A conselheira tutelar do DF, apesar de não emitir parecer, destacou o relato de maus tratos sofridos e o desejo do garoto de ficar na cidade. Por outro lado, a conselheira paulista argumentou não haver indícios de agressões por parte dos responsáveis.

O pai entrou com pedido de busca e apreensão para levar o filho de volta a São Paulo e recuperou a guarda na noite de ontem. O Defensor Público do DF, do Núcleo do Riacho Fundo I,  responsável pelo caso, Leandro Nascimento, afirmou que está vai tentar reverter a decisão. "Vou entrar com o recurso amanhã mesmo, o juiz e o promotor do caso entenderam que neste momento o melhor para o menino é ficar com o pai, mas vamos recorrer ao Tribunal de Justiça do DF para que isso seja revisto". A reportagem tentou entrar em contato com o pai, que não atendeu as ligações. "Só quero que devolvam o meu filho. Ele não pode passar por tudo isso novamente. Confiei na justiça e ela falhou comigo. Levaram meu menino aos gritos", disse a mãe.
 
O nome dos pais e da criança foram mantidos em sigilo em respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente. 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Rodrigo
Rodrigo - 29 de Janeiro às 19:56
http://youtu.be/6gapel_j3QU O vídeo... #revoltado
 
Gutemberg
Gutemberg - 29 de Janeiro às 12:52
A História se repete! Lembrem-se da Pobre Criança da Família Nardoni, e o Falecido Bernardo no Rio Grande. Preocupante!
 
Dinângela
Dinângela - 29 de Janeiro às 12:09
O duro é saber que isso tudo é por VINGANÇA e não por amor ao filho. O pai que foi descartado pela esposa está usando o filho da pior forma possível para se vingar da ex-esposa. Será que esse juiz não viu isso? Será que precisa desenhar para ele?
 
ADALTON
ADALTON - 29 de Janeiro às 12:03
Será que tem como recorrer? Me falaram que estão fazendo uma passeata no Riacho Fundo, coisa assim. Isso tem que aparecer na mídia, tem que ter pressão! Aqui no Brasil, só se resolve na PRESSÃO!
 
ADALTON
ADALTON - 29 de Janeiro às 12:01
Isso é um absurdo. Eu sou pai, tenho filho mas se eu tivesse numa situação dessa, eu não queria isso para o meu filho. A minha felicidade seria a felicidade dele. Ela quer ficar com mãe. Falta de profissionalismo!
 
FLAVIO
FLAVIO - 29 de Janeiro às 11:59
Li um comentário de uma psicóloga e percebi também no vídeo. Ela tem dúvidas se não foi algo meio "combinado". Porque a criança toda hora olha para a câmera, não apresenta lágrimas, etc. Enfim, é um caso bem complexo. O juiz não devolveria a guarda para o pai sem antes ouvir o conselho tutelar, etc.
 
ANA
ANA - 29 de Janeiro às 10:44
Essa justiça é uma piada mesmo, tá tudo errado! A vontade da criança e principalmente o bom senso, devem prevalecer... Não tendo nada que impeça a mãe de ficar com o filho, esse menino precisa e deve ficar com a mãe.
 
Walquiria
Walquiria - 29 de Janeiro às 10:23
Esse Juiz é louco, irresponsável, foi comprado e é parente desse pai psicopata...não vejo outra explicação para tomar uma atitude dessas.
 
black
black - 29 de Janeiro às 08:40
Engraçado a mãe agora si faz de vitima o pai tem direito de ver o filho sim, alem de impedir o pai de ver o garoto ainda faz uma lavagem cerebral na cabeça do garoto. Si vc foce mais humilde não estaria acontecendo isso pq não deixou o pai ver o garoto que direito dele agora esta passando por isso.
 
Robson
Robson - 29 de Janeiro às 07:59
faltam duas versões a do Juiz e do pai!
 
GILBERTO
GILBERTO - 29 de Janeiro às 07:58
EU QUERO E EXIJO SABER SE ESSE "juiz" IRA PAGAR E SE RESPONSABILIZAR PELO TRATAMENTO PSICOLOGICO DESSE INOCENTE.
 
GILBERTO
GILBERTO - 29 de Janeiro às 07:37
A MIDIA DEVE FICAR EM CIMA DESSE CASO ESCABROSO.
 
GILBERTO
GILBERTO - 29 de Janeiro às 07:33
O NOME DESSE RABULA E EDMAR RAMIRO CORREIA. ESSA CRIANCA E MAIS UMA VITIMA DA JUSTICA BRASILEIRA. A SOCIEDADE NAO PODE VENDER ESSE EPISODIO CRUEL A PRECO DE BANANA. MEDIDAS URGENTISSIMAS DEVEM SER TOMADAS PARA REVERTER ESSA DECISAO HORROROSA. POR OUTRO, ESSE INDIVIDUO DE TOGA DEVE SER ANALISADO POR UMA JUNTA PSIQUIATRICA.
 
rodrigo
rodrigo - 29 de Janeiro às 05:11
não é possível emitir um juízo de valor, sem a leitura dos autos. Porém, chorar e espernear não comprovam que a criança está sob maus tratos. O conselho tutelar de Capivari informou não haver sinais de agressão. Diante dos fatos, o juiz deve zelar pela aplicação da lei e não pelo achismo das mais 95% de mulheres que estão postando nesse tópico. Em geral, o juiz deixa a criança com a mãe; e estão faltando informações pra um melhor posicionamento. Achei muito estranho a mulher ceder a guarda da criança sob alegação de ameaças. Se ela diz que o cara era violento porque deixar o filho com ele? isso não é mais irresponsabilidade ainda? Ela se preocupa com a própria segurança e da família, mas não com a segurança do filho? Acreditar na estoria da ex-cunhada, sem comprovação? Com certeza, faltam informações muito importante para melhor juízo.
 
João
João - 29 de Janeiro às 00:11
Será mesmo que o desespero dele não é suficiente pra comprovar que o pai não é o melhor ? que "justiça" desumana é essa ? ao juiz Edmar Ramiro Correia : Se um dia esse garoto chegar à óbito por maus tratos VOCÊ será o culpado ! o sangue dele vai ficar nas suas mãos !
 
thais
thais - 28 de Janeiro às 23:56
Será que o juiz não pensou em ouvir a criança?
 
ANA
ANA - 28 de Janeiro às 22:59
Essa justiça é uma piada, tá tudo errado! A vontade da criança deveria ser respeitada, sinceramente. Se não há nada que impeça essa mãe em tê-lo de volta, o bom senso deveria ser fator determinante, simples assim. Vamos acompanhar e torcer para que o menino volte a ficar com sua mãe.
 
Adriana
Adriana - 28 de Janeiro às 22:44
Penso que toda prudência é bem-vinda. A criança não deveria ser exposta e a mãs está misturando as emoções. Indícios de alienação parental. Tudo deve ser avaliado com cautela.
 
Wesley
Wesley - 28 de Janeiro às 22:27
Eu só espero que não ocorra com esta criança o que aconteceu com o menino Bernardo. É de cortar o coração, será que não é perceptível a sua sinceridade e dor.
 
Karla
Karla - 28 de Janeiro às 22:19
Não acreditei ao ler essa matéria, sou mãe e tenho uma criança da mesma idade. Enquanto escrevo esse comentário as lágrimas correm em meu rosto. A justiça no Brasil é algo lamentável, como entregar a guardar de uma criança a alguém que a maltrata, como??? só podia ser no Brasil!!!!, onde quem usa toga acha que é superior aos demais e pode fazer o que bem quer. Sabemos muito bem, que não é só a Lei que ampara a decisão, porque se fosse não aconteceriam tantos absurdos como esse. Esse juiz deve ser responsabilizado por qualquer coisa que venha a acontecer com essa criança. Para a mãe do menino, peço de coração: lute por ele, não desista, resgate seu filho , seja com o aval da justiça ou não. No Brasil tem que ser assim, infelizmente não podemos contar com a justiça, porque ela não é cega coisa nenhuma, enxerga muito bem o que é conveniente a ela enxergar, não o justo.
 
isaque
isaque - 28 de Janeiro às 22:18
O juiz deveria perguntar pra criança qual o desejo dela.Cade psicólogo pra saber se essa criança sofreu maus tratos ou se esta sofrendo alienação parental.
 
Gladiston
Gladiston - 28 de Janeiro às 22:04
CNJ investigue esse juiz, vamo, pras ruas,vamos nos manifestar, mostrar nossa indignação. E o pior é que pagamos o salário desses canalhas....
 
Gladiston
Gladiston - 28 de Janeiro às 22:00
Que justiça é essa? Esse juiz tem que ser investigado pelo CNJ, esta na hora da população ir pra rua contra essa justiça que é injusta. Agora se acontecer alguma coisa com essa criança quem será responsabilizado? E que decepção o representante do tão MP que por sinal sempre fazem um bom trabalho, irem de acordo em ceder a guarda para o pai. Isso é Brasil uma vergonha mundial. Deus tem que pesar a mão contra esses homens, afinal Deus sim é justo. Vamos pedir a Deus pela vida dessa criança e que Ele faça justiça com esses homens que são a decepção da lei. Ultimamente só decisões erradas esses juízes estão tomando, exemplo o caso dos traficantes do guara . Até quando teremos que lidar com isso?
 
quimilouco
quimilouco - 28 de Janeiro às 21:58
Esse Juiz e Promotor, provavelmente não está preocupado com a felicidade desta criança, mas sim com seus salários e auxílios moradia.$$$$$$$$$$$$$$$
 
FRANCISCO
FRANCISCO - 28 de Janeiro às 20:27
Inacreditável tamanha a falta de sensibilidade e profissionalismo de um "juiz" como esse. Que pelo menos se conheça o endereço de onde a criança vai ficar para que os vizinhos e o poder público possam assegurar a integridade física e psicológica dessa criança.
 
Fernando
Fernando - 28 de Janeiro às 19:47
Que juiz é esse que ainda não percebeu a besteira que fez? E que conselheira tutelar é essa que não emite um parecer claro e conclusivo com base no que relatou a criança? Para mim a culpa maior é dela. Duvido que o juiz tivesse tido a coragem de tirar a criança de uma mãe se essa conselheira tutelar tivesse feito direito o seu trabalho. Um juiz julga com o que tem em mãos, e ele não tinha em mãos o que deveria ter, e que era responsabilidade do conselho tutelar prover.
 
Ana
Ana - 28 de Janeiro às 17:02
Me entristece e me revolta o quanto a justiça brasileira é falha.
 
Lidia
Lidia - 28 de Janeiro às 17:00
É um absurdo separar uma criança da mãe desse jeito. Falta sensibilidade e profissionalismo a esse juiz que tomou tal decisão. Ele está colocando em risco a integridade física e psíquica dessa criança!!!!
 
Heitor
Heitor - 28 de Janeiro às 16:51
Criança, numa situação destas, não mente. Penso que o melhor seria ele ficar com a mãe sim.
 
patrick
patrick - 28 de Janeiro às 16:38
E o moleque aparece morte o que essa desgraça de juiz vai falar?
 
Carlos
Carlos - 28 de Janeiro às 16:27
Inacreditável, está faltando alguma coisa nessa história, o juiz não seria tão cruel de devolver a criança ao agressor.
 
Adriana
Adriana - 28 de Janeiro às 22:45
Eu também penso assim. Há angu nesse caroço
 
André
André - 28 de Janeiro às 16:23
Esse juiz deve ser filho de chocadeira e não deve ter família ao tomar uma atitude dessas. Um absurdo!!! Como a justiça autoriza uma criança a ficar com um pai que o agride e o maltrata?!
 
Bruna
Bruna - 28 de Janeiro às 16:21
Caro Sr Juiz que julgou este caso de acordo com a sua "sábia decisão", queremos deixar aqui bem claro que se algo acontecer a esta criança como houve no "Crime do menino Bernardo", desta vez não iremos nos calar. Estamos cansados de ver a justiça tirando o poder das mãos de quem ama e entregando nossos pequenos nas mãos de irresponsáveis. Está nítido a reação de pavor da criança, e isso nos parte o coração. Não sou mãe, mas junto com essa mãe eu entro na guerra para ajudar a punir quaisquer culpados envolvidos nesse 'assassinato de sentimentos' que a sua "sabia decisão " está tomando na vida desta criança. Imaginem as consequências que isso acarretará às memórias desse pequeno tão indefeso... Durma com sua consciência tranquila Sr Juiz. Enquanto vc dorme, #ESTAMOSDEOLHOSBEMABERTOS
 
Wilson
Wilson - 28 de Janeiro às 15:58
Absurdos do Judiciário brasileiro. Essas coisas dão desgosto na gente.
 
Geovana
Geovana - 28 de Janeiro às 15:56
Quando essa criança aparecer morte ( Que Deus não permita) ai quero ver quem será o responsável. Gente, se essa mãe não tem nada que desabone sua conduta, o certo é que fique com ela. Esse Pai já tem histórico de violência, como um Juiz pode conceder a guarda a m monstro desse???!!!
 
Andrea
Andrea - 28 de Janeiro às 15:49
Isso é uma situação revoltante de se ver. Onde está a justiça, que ouve uma criança em seu desespero e a entrega justamente a pessoa que a faz mal. Onde nós vamos parar? Onde está o conceito deste juiz? Para que serve o conselho tutelar ao apurar os maus tratos e isso não ser levado em conta? A justiça falhou com essa mãe e tem falhado com diversas famílias neste pais. Que alguém possa fazer algo por esta criança, que algum outro juiz possa se incomodar com essa barbaridade e reverter essa situação.
 
MARIA
MARIA - 28 de Janeiro às 15:49
PELO AMOR DE DEUS! POSTEM O LINK DESSE VÍDEO PRA SER VIRALIZADO!!!!!!1
 
Andrea
Andrea - 28 de Janeiro às 15:32
É inaceitável essa criança morar com o pai. Essa tal justiça não faz nada mais a não ser falhar.
 
claudia
claudia - 28 de Janeiro às 15:19
Não vi os autos para emitir juízo de valor sobre a decisão. Mas é no mínimo estranho que a guarda não tenha sido entregue à mãe. Lamentável. Pobre criança!
 
Debora
Debora - 28 de Janeiro às 15:15
Realmente, é comovente como ele se desespera. Não consigo entender o motivo de tamanho desleixo da justiça em relação à segurança psicológica dessa criança.
 
Jussara
Jussara - 28 de Janeiro às 14:17
Correio, cadê o vídeo e xingar com ch? Pelamorde! Não entendi como um pai que maltrata o filho juntamente com a madrasta quer continuar com a criança, não fez sentido, Notícia muito vaga.
 
Jean
Jean - 28 de Janeiro às 14:11
Este Juiz é um boçal!!!! É evidente que esta criança está sofrendo maus tratos por parte deste pai que já tem histórico de violência, a mãe não está mentindo muito menos a criança, e nem os parentes do lado da mãe e testemunhas foram ouvidas, um absurdo isto!!!!!

publicidade