Publicidade

Estado de Minas

GDF não vai pagar reajustes a servidores. Rollemberg fará anúncio hoje

A estimativa é que os reajustes salariais custariam R$ 120 milhões por mês aos cofres públicos. Secretários da governança devem receber representantes dos sindicatos para dar explicações


postado em 14/10/2016 06:31 / atualizado em 14/10/2016 07:46

Diante da crise econômica, Rollemberg havia adiado pagamento de reajustes e servidores: sem dinheiro em caixa(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press - 1/9/16)
Diante da crise econômica, Rollemberg havia adiado pagamento de reajustes e servidores: sem dinheiro em caixa (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press - 1/9/16)

O governador Rodrigo Rollemberg vai anunciar na manhã desta sexta-feira (14/10) que o GDF não pagará o reajuste salarial prometido aos servidores. A má notícia já era esperada pelo funcionalismo público, mas o governo adiou a oficialização da medida, enquanto buscava saídas para tentar resolver o problema. Rollemberg, entretanto, alega que não conseguiu recursos para garantir a concessão dos benefícios. A estimativa é que os reajustes salariais custariam R$ 120 milhões por mês aos cofres públicos.

O anúncio será feito pelo governador no Palácio do Buriti às 10h e, à tarde, os secretários da governança devem receber representantes dos sindicatos para dar explicações sobre o novo adiamento do reajuste salarial. Desde o mês passado, os sindicatos estão mobilizados para cobrar o pagamento da última parcela do aumento, aprovado durante a gestão do governador Agnelo Queiroz.

Leia mais notícias em Cidades

Os valores deveriam ter sido incorporados aos contracheques dos servidores públicos de 32 categorias no ano passado mas, diante da crise econômica, Rollemberg adiou o pagamento da última parcela para outubro de 2016. Integrantes da equipe econômica alertaram o Palácio do Buriti de que o eventual repasse dos aumentos agora poderia levar ao atraso do pagamento dos salários de todos os funcionários públicos do DF. A data limite para a decisão sobre o assunto era esta sexta-feira, quando o governo fechará a folha de pagamento de novembro.

A concessão desses reajustes foi questionada pelo Ministério Público do Distrito Federal no ano passado, com o argumento de que os benefícios não foram previstos no orçamento do DF. O MP ajuizou uma ação direta de inconstitucionalidade contra as leis que autorizaram o aumento salarial. Mas o Tribunal de Justiça do DF não admitiu a Adin e manteve a legislação em vigor. Na época, a Procuradoria do DF defendeu a improcedência da ação, ou seja, a manutenção dos reajustes.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade