SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Juiz nega prisão, mas afasta policial federal que baleou dois em barco

Contrariando a instituição, o juiz titular do Tribunal do Júri de Brasília mandou que o policial federal Ricardo Matias Rodrigues atue apenas em serviços administrativos e recolhimento domiciliar

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/10/2016 16:10 / atualizado em 14/10/2016 16:24

CBMDF/Divulgação
 
O polícial federal que atirou em dois homens em uma festa na embarcação Lake Palace, na noite do último sábado (8/10), será afastado dos serviços na rua. Contrariando a instituição, o juiz titular do Tribunal do Júri de Brasília mandou que Ricardo Matias Rodrigues atue apenas em serviços administrativos e recolhimento domiciliar. No entanto, ele negou o pedido do Ministério Público para que o acusado fosse preso imediatamente.

Leia mais notícias em Cidades

Ricardo sacou a arma e disparou contra dois convidados após uma confusão, motivada, supostamente, por ciúmes. Um dos tiros atingiu o bancário Cláudio Müller Moreira, 47 anos, que morreu após receber o socorro.  O amigo de Cláudio, Fábio da Cunha Correia, 36, conseguiu sobreviver com uma bala alojada próximo ao coração. Ele prestou depoimento na 5ª Delegacia de Polícia (área central de Brasília) na tarde desta sexta-feira (14/10), por volta das 13h.

Memória

A festa que aconteceu na noite de sábado (8/10) no Lago Paranoá ocorria normalmente até a hora em que os convidados começaram a ir embora. Entre 22h20 e 22h40 a confusão começou. Na ocorrência que investiga o assassinato e a tentativa de homicídio a mulher de Cláudio, Valderly da Silva Feitosa, 30 anos, contou que foi ao banheiro no fim da festa e, ao sair, uma das aniversariantes, identificada como Fran a agrediu com três tapas na cara e palavras de baixo calão.

Ela contou para o marido que foi tirar satisfação. O amigo, Fábio da Cunha Correia, 36 anos, apoiou o amigo e também acabou atingido pelos disparos do policial federal. À Polícia Civil o agente federal contou, em depoimento, que a mulher, Renata de Andrade Silva, era promoter da festa, e tentou intervir na briga entre os dois homens e a aniversariante. Na versão de Ricardo, a dupla passou a agredi-la e ele decidiu sacar a arma. Nesse momento, eles teriam investido contra o policial, que disparou

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade