Temporal derruba acampamento na Esplanada e deixa seis feridos

Todas as vítimas foram levadas ao Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/10/2016 19:36 / atualizado em 19/10/2016 21:00

Os fortes ventos e as rajadas de chuva registradas na tarde desta quarta-feira (18/10) destruíram o acampamento da Frente Nacional de Luta (FNL), na Esplanada dos Ministérios. Ao todo, seis pessoas ficaram feridas. O caso mais sério é o de Lindalva Silva de Souza, de 41 anos, que foi atendida com trauma e corte na cabeça, de 40 anos, que sofreu traumatismo craniano.Todos envolvidos foram levados ao Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF).

 

Leia mais notícias de Cidades

 

As vítimas, de acordo com informações do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal, são:  Maynaylla Lourrany Santana da Silva, de 41 anos, com um corte na testa; Sílvio Pereira de Farias, de 58 anos de idade, com um ferimento na testa, na boca e fratura no nariz; Wender Leguir Fernandes, de 22 anos, com dor lombar do lado direito, escoriações na perna esquerda e hipertensão; Lúcia Ortega, de 57 anos, com dores tóxicas e abdominais e edema do lado esquerdo na face e Dinair Amorim Nunes, de 32 anos, com suspeita de fratura no braço esquerdo e dores abdominais

 

 

 

Cerca de 2,2 mil pessoas acampam no local. A PMDF diz que o número é inferio, beira os 900 manifestantes. As barracas estão próximas ao Museu Nacional da República, desde o início da semana. O grupo protesta pela Reforma Agrária e moradia.

 

Cerca de 20 tendas grandes foram levadas pelo vento e várias barracas de campi derrubadas. Os ferros e a movimentação dos militares do  Corpo de Bombeiros na região chamaram a atenção de curiosos que passavam pelo local. 

 

Com destruição provocada pela chuva, manifestantes se alojaram dentro da Bibioteca Nacional, com a permissão dos vigilantes do local. Algumas pessoas estão debaixo da rampa do Museu Nacional.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Claudia
Claudia - 21 de Outubro às 12:08
Eles só querem um lugar pra morar,estão certo correr atrás dos sonhos,sei que é difícil conquista uma casa,enquanto eles só querem um lugar pra morar,sou contra banalizar,mas correr atrás dos sonhos não,enquanto eles só querem um lugar pra morar esse governo de merda esta ai roubando milhões da gente.
 
Claudia
Claudia - 21 de Outubro às 12:04
Tem que correr atrás mesmo de moradia,é difícil conseguir um terreno,sou contra banalizar,mas correr atrás dos sonhos não,enquanto eles querem um lugar pra morar com a família,esse governo de merda fica roubando milhões.
 
Robson
Robson - 20 de Outubro às 11:23
É um absurdo este governo (desgoverno) permitir um acampamento no centro da cidade, além da estrutura que o próprio governo disponibilizou, o acampamento fica ao lado da rodoviária e do metrô, possibilitando uma facilidade de locomoção que o trabalhador, que paga impostos e contribui para o desenvolvimento da cidade, não tem. As facilidades são tantas que este pessoal vai querer ficar no local por meses.
 
Edison
Edison - 20 de Outubro às 09:12
É mais fácil criar movimento social do que gerar emprego. Este é o legado da esquerda no poder. Se estivessem trabalhando ao invés de simplesmente ficar reivindicando isto não teria acontecido. Não sou contra reivindicações, mas elas não podem simplesmente se tornar um meio de vida. Democracia é conquista, e ficar simplesmente reivindicando não agrega nada. Isto não é conquista, parece-me mais como propaganda da dita democracia. Será que continuaremos a levantar bandeiras do atraso! Quantos questões os brasileiros levantam que a muito são conquistas em outros países. A ignorância e suas sementes.
 
Mauricio
Mauricio - 19 de Outubro às 21:36
Tudo vagabundo... sem ter o que fazer.