SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Manifestantes que tiveram acampamento destruído pela chuva voltam para casa

Cerca de 2 mil pessoas estiveram acampadas na Esplanada dos Ministérios desde segunda-feira. Eles pediam pela reforma agrária, além de melhorias para pequenos agricultores

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/10/2016 18:54

Após a destruição do acampamento dos manifestantes da Frente Nacional de Luta Campo e Cidade (FNL), na tarde de quarta-feira (19/10), os integrantes do movimento começaram a deixar Brasília na tarde desta quinta-feira (20/10). O acampamento estava montado na Esplanada dos Ministérios desde segunda-feira, onde o grupo reivindicava por reforma agrária e melhorias para pequenos produtores rurais. A chuva e o vento derrubaram cerca de 20 tendas grandes e danificaram outras barracas menores. Seis pessoas acabaram feridas e foram encaminhadas para o Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF).

 

Leia mais notícias de Cidades

 

Segundo a FNL, cerca de 2,2 mil pessoas acamparam no local. A PMDF diz que o número é inferior, beirando os 900 manifestantes. Após a tempestade, as vítimas do vendaval se abrigaram embaixo a rampa do Museu Nacional da República e na Biblioteca Nacional. Elizabeth Pereira, 65 anos, veio do Pará clamar por melhores condições para pequenos agricultores. Ela relata os momentos de pânico que viveu. "Estava ventando muito, aí tudo começou a desabar e nós saímos correndo. Só ouvimos a gritaria e o barulho dos ferros caindo. Fique muito assustada”, relembra.

 

 

Entre as vítimas, o caso mais grave foi o de Lindalva Silva de Souza, 41 anos, que sofreu traumatismo craniano após ser atingida por um ferro. Ela segue internada no HBDF em estado grave.

Antônio da Silva, 58 anos, pegou um ônibus de volta ao município de Prainha, no oeste do Pará, nesta tarde. Ele lamenta pelo final trágico do acampamento. “Todos nós só estávamos buscando melhorias para a nossa categoria, foi muito triste que tantas pessoas acabaram machucadas por isso”, conta.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
MURILO
MURILO - 21 de Outubro às 11:53
Gostaria de saber quem paga a conta desses parasitas...

publicidade