SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Operação Drácon: MP continua com investigação de suposto esquema de propina

Wasny de Roure continua como líder do PT na Casa

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/10/2016 06:05

Ana Viriato - Esp. para o CB /

Cinquenta e oito dias após a decretação do afastamento dos titulares da Mesa Diretora, os deputados distritais reassumiram ontem os cargos na cúpula da Câmara Legislativa. Com o retorno de Raimundo Ribeiro (PPS), Júlio Cesar (PRB) e Bispo Renato Andrade (PR) à 1ª, 2ª e 3ª secretarias, respectivamente, Agaciel Maia (PR), Lira (PHS) e Rodrigo Delmasso (PTN) saem de cena. A configuração, porém, não conta com Celina Leão (PPS), que teve o recurso negado pela Justiça e permanece afastada da Presidência da Casa. Juarezão (PSB) continua, assim, como presidente em exercício.

A cúpula da Câmara é responsável pela direção dos trabalhos legislativos e administrativos. A Mesa Diretora titular foi afastada por decisão judicial em 23 de agosto, sob suspeita de articulação com o deputado distrital Cristiano Araújo (PSD), cujo intuito seria utilizar emenda parlamentar para o pagamento de dívidas do GDF com unidades de terapia intensiva (UTIs), mediante cobrança de propina. Em sessão na última terça-feira, por 11 votos a 10, o Conselho Especial do Tribunal de Justiça do DF e dos Territórios (TJDFT) acatou recurso em favor dos distritais, mas negou, num placar de 11 a 9, a volta de Celina Leão.

Ao afastar os membros da Mesa, o vice-presidente do TJDFT, Humberto Ulhôa, temia que os parlamentares interferissem na Operação Drácon, investigação dedicada ao caso. O Judiciário local, porém, aprovou o relatório do desembargador José Divino e aceitou o embargo da defesa de Raimundo Ribeiro. O benefício estendeu-se aos outros dois secretários.

Apesar da decisão judicial pela volta de três dos quatro deputados afastados, a investigação da Operação Drácon continua. O Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) analisa o material apreendido em três etapas de buscas e apreensões e conduções coercitivas de depoimentos, para concluir a denúncia por corrupção, que deve ser apresentada até o fim do ano. Enquanto isso, Celina Leão tenta uma medida cautelar para conseguir uma autorização do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para retornar à Presidência. O recurso não havia sido protocolado até ontem.

Para Raimundo Ribeiro, a decisão do Conselho Especial restabelecerá a normalidade na Casa. “Qualquer agente público está sujeito a investigações. Com a procedência dos atos, ficará claro para a população que a denúncia do Ministério Público configura-se como uma atitude atrapalhada”, alegou. Julio Cesar, declarou, em nota, que sempre teve confiança nos atos do Judiciário local. Acrescentou, ainda, que retomará “o trabalho como membro da Mesa em prol da sociedade”.

Bispo Renato afirmou, também em nota, que “a justiça foi feita”. O parlamentar declarou que “a decisão judicial mostra a fragilidade e a falta de fundamento das denúncias contrárias” a ele. A próxima reunião da Mesa Diretora está prevista para segunda-feira.

A pauta da bancada petista da Câmara Legislativa também reuniu decisões importantes. Ontem, o distrital Wasny de Roure, que havia anunciado a renúncia à liderança do partido no Legislativo local em 12 de outubro, voltou atrás e decidiu continuar na função até meados de dezembro. Nesse período, ocorrerá a eleição do novo líder da sigla, anteriormente prevista para fevereiro de 2016.
 
Wasny, que ocupa a cadeira de liderança do PT na Câmara há cerca de sete meses, declarou que a manutenção do posto deve-se a pedidos do diretório local do partido. Os diretores regionais petistas reuniram-se com os representantes da sigla no Legislativo, na última quarta-feira. Segundo ele, todos “fizeram um apelo para que continuasse no cargo até que a situação do partido, em um âmbito geral, fosse normalizada”. O petista renunciou ao posto há 13 dias devido a divergências entre os votos dele, Chico Vigilante e Ricardo Vale, em projetos de iniciativa do Executivo, como o Programa de Incentivo à Regularização Fiscal do Distrito Federal (Refis-DF). Segundo Wasny, “o documento apresenta falhas técnicas e jurídicas”.
 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Roberto
Roberto - 21 de Outubro às 15:44
Temos que fechar urgentemente a Cämara Legislativa, pois é gosto que deveria ser empregado na saúde e educação.

publicidade