SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Advogados conseguem na Justiça acesso a penitenciárias no DF

Seis profissionais tiveram que recorrer a mandados de segurança para visitar os clientes. Greve de agentes penitenciários afeta o trabalho de cerca de 57 mil, segundo a OAB

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/10/2016 20:30 / atualizado em 26/10/2016 20:48

Ana Viriato

Um grupo de seis advogados conseguiu, na Justiça, por meio de mandado de segurança, acesso às dependências das penitenciárias do Distrito Federal. A visita dos profissionais aos clientes era impedida em razão da greve do Sindicato dos Agentes Penitenciários (Sindpen-DF). A categoria está parada desde 10 de outubro. O ato do movimento sindical afeta o trabalho de cerca de 57 mil advogados, segundo a seccional do DF da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).
 
O documento foi assinado pelo desembargador da 2ª Câmara Cível, Jair Soares Oliveira, nesta quarta-feira (26/10). O advogado Karlos Eduardo de Souza, porém, aguarda resistência dos funcionários públicos. "Certamente vamos enfrentar alguns problemas. Entretanto, pediremos apoio das forças auxiliares de segurança. Acredito que o ato obterá sucesso", comentou. 

O Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT) considerou a greve do Sindicato dos Agentes Penitenciários ilegal em 14 de outubro. Na data, a Justiça decretou multa de R$100 mil ao dia caso os servidores não voltassem a cumprir todas as atividades de responsabilidade da categoria. Na última quinta-feira (20), o desembargador responsável pela ação aumentou o valor para R$ 200 mil ao dia.

Ainda assim, os integrantes do Sindpen decidiram, na manhã desta terça-feira (25/10), dar continuidade à paralisação, que já dura 15 dias. Dessa forma, estão suspensas as escoltas judiciais, o recebimento de advogados e oficiais de justiça, o recebimentos de internos das delegacias de Polícia e visitas de apenados na quarta, na quinta e na sexta-feira.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Marcelo
Marcelo - 26 de Outubro às 21:06
Como vão conseguir entregar drogas e celulares se não tiverem acesso aos presidiários não é mesmo?

publicidade