SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Greve de assistentes sociais pode prejudicar pagamento do Bolsa Família

Sindicato da categoria no DF afirmou que profissionais farão paralisação por tempo indeterminado a partir da quinta-feira da semana que vem (3/11)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/10/2016 17:26 / atualizado em 27/10/2016 19:06

Fernando Jordão - Especial para o Correio /

Daniel Ferreira/CB/D.A Press
 

 

Quatro mil assistentes sociais do Governo de Brasília anunciaram que entrarão em greve por tempo indeterminado a partir da próxima quinta-feira (3/11). A decisão foi tomada em assembleia realizada nesta quarta-feira (26/10). Com isso, algumas funções desempenhadas pela categorias – como o pagamento de recursos do Bolsa Família e do DF Sem Miséria, além da administração de unidades de abrigamento e atendimento à população mais carente – ficarão prejudicados.

O Sindicato dos Servidores da Assistência Social e Cultural do GDF (Sindsasc) afirmou que esclarecerá os motivos da greve à população até o dia 3. Contudo, a entidade antecipou que a paralisação é uma resposta às atuais condições de trabalho – que eles consideram precárias – e serve ainda para reclamar de uma suposta falta de transparência do governo local em relação às contas públicas.

 

Leia mais notícias em Cidades

 

Nesta quarta-feira (26/10) – conforme noticiado pelo blog CB Poder -, o secretário da Casa Civil, Sérgio Sampaio, disse que, caso não entre mais dinheiro em caixa até o quinto dia útil de novembro, faltarão R$ 76 milhões para o GDF conseguir arcar com os gastos de pessoal do mês. Assim, poderá haver atraso no pagamento dos servidores públicos. A fala de Sampaio desagradou os assistentes sociais. "Causa estranheza ao Sindsasc a divulgação dessa informação sendo que o governo, no anúncio do não pagamento do reajuste aos servidores, garantiu que isso só estaria acontecendo como meio de manter os pagamentos em dia. Parece ser mais uma estratégia do governo em tentar desmobilizar as greves que estão em vias de acontecer", opinou o presidente do sindicato da categoria, Carlos Avelar.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade