SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Delator denuncia propina de R$ 60 milhões para ex-governador Arruda

Em depoimentos prestados à 7ª Vara Criminal de Brasília, Durval Barbosa disse que o dinheiro teria sido recebido pelo então pré-candidato a governador para turbinar e viabilizar o nome dele na corrida ao Buriti

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/10/2016 06:00 / atualizado em 28/10/2016 08:44

Helena Mader

Ed Alves/CB/D.A Press
 
 
Na reta final das ações penais relativas à Operação Caixa de Pandora, o delator do esquema, Durval Barbosa, prestou ao menos 10 depoimentos à 7ª Vara Criminal de Brasília, nos quais revelou detalhes sobre o escândalo. Em todas essas oitivas, Durval afirmou à Justiça que, entre 2003 e 2006, o então pré-candidato ao governo José Roberto Arruda teria recebido R$ 60 milhões em propina para “pavimentar sua candidatura” ao GDF. Segundo o delator, boa parte dessa bolada foi usada para tirar do caminho “o inimigo a ser abatido”: o então senador Paulo Octávio, companheiro de partido de Arruda e também pré-candidato ao Palácio do Buriti. O interrogatório dos réus da Pandora, previsto para novembro, foi suspenso por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Os depoimentos de Durval trazem detalhes históricos sobre a disputa eleitoral de 2006. Segundo o delator do escândalo, Paulo Octávio aparecia em primeiro lugar nas pesquisas e, por isso, transformou-se em um rival a ser vencido. “Eu apoiei o Arruda e nós elegemos o Paulo Octávio como um inimigo a ser derrotado primeiramente”, afirmou Durval, em depoimento prestado em 6 de maio. “Tínhamos que derrotar Paulo Octávio para poder colocar Arruda na frente”, acrescentou, na mesma data.

Em todos os depoimentos, o delator usa a expressão “pavimentação eleitoral” para explicar à Justiça a destinação dos recursos arrecadados no suposto esquema envolvendo empresas de informática. Questionado por um representante do Ministério Público sobre o significado da expressão, Durval disse que o grupo trabalhou para “derrubar qualquer barreira que houvesse, qualquer candidatura que aparecesse para atrapalhar Arruda, e vencemos graças ao grande volume de recursos empreendidos nessa empreitada”, garantiu Durval, durante oitiva realizada no último dia 27 de junho. “Quando chegou próximo de definir a chapa, estávamos à frente nas pesquisas, porque pagávamos jornais para serem distribuídos de graça em todos os rincões, todos os bolsões de votos do DF.” Na disputa interna do extinto PFL, hoje DEM, a Executiva Nacional do partido, à época presidida por Jorge Bornhausen, optou por uma chapa pura, encabeçada por Arruda e tendo Paulo Octávio como vice.

De acordo com o depoimento, parte dos R$ 60 milhões supostamente repassados a Arruda teria sido usada para a elaboração de pesquisas, reportagens em revistas, lançamento da revista Arrudinha, pagamento de consultores, de jornalistas, de rádios comunitárias e piratas, “pagamento de tudo quanto é tipo”, explicou o delator. “Isso tudo para criar um ambiente favorável à imagem e à pessoa do réu José Roberto Arruda, deixando ele em uma posição melhor na disputa eleitoral?”, questionou então um representante do Ministério Público. “É, e pagamento de pessoas. Colocamos 200 pessoas no Gama, vamos falar mal do nosso concorrente. Aquelas 200 pessoas eram pagas com esse dinheiro. Essa era a maldade que a gente fazia”, contou, na oitiva de 6 de maio.

Durval relatou que esse trabalho de construção da pré-campanha era imprescindível para resgatar a imagem de Arruda. “Em duas conversas longas que nós tivemos, eu e Arruda, nós falamos sobre a pavimentação de uma campanha eleitoral, de chegar ao topo do poder, que é ser governador, mas ter que fazer primeiro uma pavimentação, por causa do descrédito que o Arruda tinha em virtude de painel (eletrônico do Senado), em face de ser chamado de traidor. E da falsidade que ele sempre teve com os companheiros. Nesse meio, existia uma pessoa chamada Paulo Octávio, que queria a todo custo disputar o governo do DF”, descreveu Durval, em um depoimento prestado em 20 de junho deste ano.

Pretensões

Ainda de acordo com o relato do delator do escândalo, os acertos receberam a bênção do então governador, Joaquim Roriz. “A partir de 2003, do finalzinho de 2002, nós começamos esse entendimento, a adesão política às pretensões de José Roberto Arruda de ser o candidato majoritário e disputar essa posição com o Paulo Octávio, que naquele momento estava com 48%. Arruda estava com 12%, 16%. A gente precisava acompanhar o Paulo Octávio e derrotá-lo nas pesquisas. Aí, nós começamos a ter esse entendimento com autorização do governador Roriz”, contou Durval, em 21 de janeiro.
 
A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui   

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Wilson
Wilson - 28 de Outubro às 11:37
Excelente a revelação. Mas a eleição foi em ????? fala de 2006, estamos em 2016. A água já passou por debaixo da ponte. o tempo é outro. Há 10 anos Lula era o todo poderoso, hojé é candidato.... O Durval perdeu o time...
 
Claudia
Claudia - 28 de Outubro às 10:21
Nossa,como no Brasil tem bandido,meu Deus ate onde vamos aguentar esses ridículos roubando da gente,o Brasil esta em crise por causa desses safados roubando,não a país que aguente tanto ladrão,eles tinha que devolver tudo que eles roubam,estamos ficando com nojo desses corruptos que só pensam neles,vocês não se importa com a sociedade,nem com saúde,educação com nada,só se importa com vocês,tem que criar um lei que se roubar vão ser expulso do cargo público,sair sem direito a nada e devolver tudo que roubo nem que seja fazendo trabalhos voluntários,bando de bandidos de ternos,enquanto não colocar uma lei severa,esses bandidos vai continuar roubando só muda o ladrão,sai um e entra outro,mas também eles não vão criar uma lei que futuramente vai prejudicar eles mesmos,tem mas ladrão no congresso do que nas ruas.

publicidade