SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Adolescente é apreendido pela 33ª vez e, na última, dirigia carro roubado

Policiais o abordaram em um veículo Honda Civic na manhã de segunda-feira (31/10) na via S1 do Eixo Monumental, próximo à catedral Rainha da Paz. Ele estava com a companheira, também adolescente, que responde em liberdade pelo ato infracional análogo ao crime de roubo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/11/2016 09:06

Polícia Militar/Divulgação
Um casal de adolescentes foi apreendido por volta das 10h de segunda-feira (31/10) em um carro roubado na via S1 do Eixo Monumental, próximo à catedral Rainha da Paz. Ao abordar o rapaz, policiais identificaram que ele já havia sido apreendido 33 vezes pela PM. De acordo com a corporação, militares suspeitaram da atitude da dupla em um Honda Civic. Ao parar o carro, eles encontraram uma porção de maconha e descobriram que o veículo tinha sido roubado na noite de domingo (30/10) em Ceilândia.


Segundo a PM, na Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA) o rapaz confessou que havia roubado o carro para levar a companheira até à Justiça, pois ela responde em liberdade pelo ato infracional análogo ao crime de roubo. De acordo com a corporação, a vítima reconheceu o adolescente. Os dois ficarão apreendidos.
 
Com informações da Polícia Militar 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Sérgio
Sérgio - 02 de Novembro às 10:58
CUIDADO! O próximo pode ser VOCÊ!
 
CONSTANTINO
CONSTANTINO - 01 de Novembro às 18:36
essa é mais uma razão para não se diminuir a idade penal. Os coitadinhos só querem se divertir....... tadinho deles.....
 
Júlio
Júlio - 01 de Novembro às 12:56
Até o dia que esse sujeito roubar o carro de algum juiz da vara da infância e da juventude. A hipocrisia reina nesse país. Os aplicadores da lei fazem seus julgamentos obedecendo cegamente à lei enquanto nada lhes atinge. Deixe algum juiz ou promotor ou defensor ser prejudicado exatamente como acontece com um cidadão comum e veja se o julgamento será o mesmo.

publicidade